Wir sind alle hübsch

“Pressure, pushing down on me, pressing down on you…” (Under Pressure, Queen)

Hoje vou falar sobre beleza e seus ditos padrões, tema que é muito importante e não muito abordado. Reformulo: não é abordado explicitamente, por pessoas sérias (não que eu seja haha), com a devida reflexão, mas o tempo todo estamos recebendo mensagens de como nos vestir, de como devemos ser, do “padrão ideal”, de tudo. Estamos todos submetidos a um padrão de beleza, quer queiramos ou não. Sobre o tema, há um livro muito bom chamado “Fazendo as pazes com o espelho“.

Eu poderia jogar a culpa toda no capitalismo, que é quem nos faz consumir loucamente e depois nos vende os meios de emagrecer e rejuvenescer. Porém, o mundo só é assim porque nós o criamos assim e permitimos que ele continue assim. Sabiam que a indústria de cosméticos é a que menos sofre com crises? É lucro certo, todo mundo quer ser mais jovem… E hoje em dia há cada vez mais meios disponíveis para fazê-lo, novas tecnologias que nos vão deixar mais lindos e felizes. Belo mundo cor-de-rosa, em que o dinheiro pode comprar tudo aquilo que nos é essencial pra viver, inclusive felicidade.  

Ouvi uma menina uma vez dizer que nos dias em que ela se sentia pior com ela mesma e com Deus, ela se aprontava muito, como que para (tentar) mascarar o que ela sentia por dentro. Mas quando ela estava bem, aí ela nem ligava muito pro que ia vestir nem nada. Se sentia feliz, completa.

O que me angustia é que vejo muitas meninas lindas, por dentro e por fora, se torturando para atingir um padrão de beleza inatingível. Plásticas que colocam em risco a saúde, horas no salão, horas em frente ao espelho, comparações ao ver artistas em revistas… Existem pessoas que sofrem muito com isso e nunca se aceitam como são…

Gisele Bündchen
Gisele Bündchen

Mas deixa eu te perguntar uma coisa: qual é o padrão de beleza hoje? Gisele Bündchen? Ok, pode ser. Mas aposto que até mesmo ela tem várias coisas que não a agradam no corpo dela. Sempre queremos mudar algo.

E qual era o padrão de beleza 50 anos atrás? E no futuro? E 1000 anos atrás? E na idade da pedra? E no Afeganistão? Será que sempre a Gisele foi considerada bonita? Não, ela seria considerada muito feia (magrinha, sem força…) em várias épocas. E daí?

Daí que a gente se engana achando que as coisas são perenes, que esse padrão de hoje sempre existiu. Mentira. Na idade da pedra a mulher bonita era a gordinha, sinal de fertilidade. Na idade média, todos tinham que ser gordos, era sinal de nobreza, de ter o que comer. Na década de 20, era a mulher magérrima. E como as coisas mudaram ao decorrer do século XX!! Nenhum padrão de beleza é eterno ou é correto.

E o tanto que não arriscamos a nossa vida ao fazer escolhas baseadas no padrão de beleza puro e simples. Podemos deixar de lado pessoas muito legais por elas não seguirem “o padrão” ou escolher alguém errado pro resto das nossas vidas também pelo mesmo motivo. Ouvi uma mulher dando entrevista numa propaganda de reality show faz um tempo e lá ela dava a super dica de que pra conquistar o cara que ela queria, ela comprava uma lingerie de tal e tal jeito e etc. Enfim, que relacionamento é esse, que já começa errado, totalmente baseado em um corpo que daqui a 10 anos não vai estar da mesma forma? Depois de uns anos, o relacionamento cairá, junto com o corpo da pobre coitada…

A gente se tortura e ouve da mídia e das pessoas que temos que ser assim ou assado… Sabe, não precisa ser assim! Tomemos como modelo nosso maior exemplo, Jesus: há alguma menção na bíblia sobre seus traços físicos? Não! Com certeza Ele foi (e é) uma pessoa agradabilíssima de se conviver, atraía as pessoas pra Ele. Mas qual o tamanho do bíceps dele ou a cor de seus olhos, nunca vi descrito em lugar nenhum.

Deus nos planejou, com todo o cuidado e amor do mundo, pensou em cada detalhe nosso, do nosso corpo, da nossa personalidade. “Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu embrião” (Sl 139, 15-16). Tudo isso tem um propósito. Há muitas pessoas no meio cristão, vários líderes inclusive, que dizem que alterar algo que Deus fez em você, no seu corpo, é dizer que Deus errou ao nos criar assim ou assado.

Não julguemos nem repliquemos esse padrão pros outros. Podemos estar fazendo muitas pessoas sofrerem, até nós mesmos. Pra Deus, wir sind alle hübsch, i.e., somos todos bonitos.

ana.oliveira

Sobre ana.oliveira

Ana Luíza, 21, é filha única e já fez intercâmbio. Atualmente estuda Economia na UFMG e é bolsista da Associação Democracia Ativa (dispondo de muita fofoca política pra contar ;]). Adora ler, viajar e aprender línguas. Participa de Alvo da Mocidade desde 2001, estando atualmente na Comunidade. É cristã e simpatiza com o marxismo.

13 comentários sobre “Wir sind alle hübsch

  1. Sim Ana, nós somos todos bonitos (tive que procurar a tradução). Não é só padrão de beleza, o padrão está em tudo o que colocamos valor. Um dia ainda quero escrever sobre o maior poder na sociedade, que para mim é o ideológico. Com ideologia nós somos induzidos a acreditar nesse padrão de beleza de mulheres com rosto fino, nariz fino e com formato de triângulo no quadril (talvez tenham mais quesitos, é só reparar que todas as mulheres tidas como bonitas são assim). Já refleti e ainda reflito bastante sobre o assunto e o que mais me deixa triste é que sempre questiono porque não consigo deixar de obedecer a este padrão. Por que sou tão ser humano quanto os que criam e seguem estes padrões??? Aí que me lembro que também sou mega pecador, que minha natureza humana ainda tem muito controle sobre minha vida.

  2. ô sô, eu coloquei no finalzinho a tradução :) mas vou especificar melhor.
    pois é, é difícil mesmo estar inserido nesse mundo e tentar viver diferente… entendo perfeitamente!!
    bjos!

  3. Ana, muito interessante. A gente precisa se sentir bonito! O grande começo é este mesmo. Entender que somos bonitos pra Deus. Acho que, por outro lado, seria um radicalismo apenas ignorar o que o mundo pensa. Precisamos andar bem vestidos, cuidar do corpo porque a gente não vive em Marte mas na Terra! E é claro também que precisamos tomar cuidado pra não nos tornarmos escravos de padrões de beleza.

  4. Muito bem escrito. Ótima iniciativa. Concordo com tudo quando menciona o relacionamento e nos pressupostos equivocados em que eles se baseiam e várias outras coisas. Mas cuidar dos excessos é muito importante. Mudar algo em nós não me parece um erro, veja que se assim fosse não poderíamos caminhar para tirar aqueles pneuzinhos indesejados. Não poderíamos fortalecer aquele músculo que nos causa transtorno na hora da prática esportiva. E porque não definir nossos músculos? Há imposição de padrões e no final o que interessa é que eu me sinta bem da forma como estou vestido, me sinta bem com o meu corpo etc. Há alguns que dizem que Jesus poderia ser feio e fundamentam essa opinião através do servo sofredor de Isaias. Vejam – Isaías 53:2″ Porque foi subindo como renovo perante ele e como raiz de uma terra seca; não tinha aparência nem formosura; olhamo-lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse.” Leiam o restante do capitulo para observar o contexto.
    Até

  5. Mto bom trazer esse assunto aqui Ana, até pq acho que ele é um dos mais mal compreendidos por ae… Concordo com as idéias que você disse, mas acho que você poderia deixar o final mais claro, pois a forma que vc colocou fica difícil entender se vc acha “alterar o corpo” pecado ou não.

    No mais, só para ser chato, não acho coerente usar o exemplo de Jesus para justificar que não precisamos ser, esteticamente, como os outros dizem que temos que ser. Isso porque você não tem como alegar, com base nos escritos bíblicos, que Jesus não seguia nenhum padrão de estética. Isto é, o fato de seus traços físicos não serem mencionados, não implica que Ele não se arrumava como a moda da época ditava. Por exemplo, não podemos afirmar que ele não fazia umas flexões e abdominais para ficar com o corpo saradinho, nem, tampouco, podemos falar que ele não penteava o cabelo de tal jeito, ou fazia a barba.

  6. Concordo que os padrões de beleza mudam e que não devemos buscar um padrão inatingível. Como vc disse, a beleza vai embora, e mais do que isso, ainda enquanto existe não é o que mantém relacionamentos e nem o que é importante pra Deus.
    Por outro lado, não acho errado as pesssoas buscarem se sentir mais bonitas, seja frequentando academia, se submetendo a cirugia plástica ou simplesmente usando maquiagem. Claro, há limites, pois o excesso é sempre ruim.

  7. Então, por partes!
    Rato, não sei o que EU acho, de verdade. Já fui mais radical com isso de não poder alterar o corpo, mas aí entra no que o Gabana falou: será que malhar pra fortalecer um músculo seria pecado (se for só pra ficar forte e se exibir acho que sim)? Mas ao mesmo tempo, Deus criou tb a nossa personalidade e há coisas nela (aí já entra meio em psicologia, não sou mto qualificada pra tratar do assunto hehe) que ele gostaria que a gente mudasse, os nossos pecados. Mas não sei, será que egoísmo, ganância, são coisas da nossa personalidade que Deus criou em nós? Acho que não, fomos nós mesmos. Enfim, é complexo.
    De fato, não tenho nem como alegar que Jesus seguia esse ou aquele padrão nem tenho como não alegar. Mas acho muito significativo o fato de não haver menção às características físicas Dele. Quanto ao versículo citado pelo Gabana, pensei em falar dele e já tinha pensado que talvez o mesmo dissesse de fato que Jesus não era bonito. Se Ele era feio, melhor ainda pro meu ponto hehe mas eu acho que isso não importava, pq Ele atraía as pessoas, com certeza! E não por ser feio ou bonito, mas por ser cheio do Espírito Santo. Sobre essa passagem especificamente, creio que ela se refira ao momento da via sacra/crucificação de Jesus, momento em que ele deveria estar feio mesmo, fisicamente (sujo, ensanguentado, fraco), mas também carregava todos os pecados do mundo. Se nem Deus achava ele bonito na hora (Eli, Eli, lamá sabactani), quem sou eu pra achar? hehe Esse foi um momento muito especial e único na vida Dele, muito diferente do resto… Mas que Ele atraía multidões, sendo feio ou bonito, isso ele atraía.
    Nesse livro que eu indiquei, inclusive, tem um caso que a autora conta de uma mulher que sempre ia à igreja, era super participativa, muito firme com Deus, nos propósitos e tal e era uma pessoa que atraía para si as pessoas, uma pessoa agradabilíssima de se conviver. se tornou bonita (e qm não tem exemplo daquela pessoa que a gente nem acha tão bonita assim, mas que de tão legal fica bonita? ou uma bonita aos padrões do mundo que é um saco e por isso fica feia pra gente?). mas um tempo depois, se afastou de Deus, da igreja e a autora encontra com ela e descreve o impacto disso na vida da mulher, de como ela perdeu o brilho e deixou de atrair as pessoas.

  8. Mas andei refletindo ontem, devido às minhas andanças na UFMG (economia, antropologia/ciências sociais, direito), sobre as diferenças entre os cursos, as pessoas, os comportamentos, as visões etc. Compreendo que essa discussão talvez faça muito mais sentido e seja muito mais clara pra uma pessoa da antropologia que pra uma pessoa do direito, que tem que usar terno e ficar arrumadinho e tudo mais. E isso me lembrou um caso de uma menina que eu conheci em Barcelona, quando fiz uma matéria junto com o pessoal do curso de antropologia lá. Um dia, tô de boa na lagoa na aula e chega uma menina na minha frente. Inverno, casaco grosso. A menina entra e tira o casaco. Só que, nas axilas, estava um tufo de pêlos igual ao de um homem. ok, vcs podem dizer, nojento. mas eu digo que ela tem muita personalidade, uma personalidade por exemplo que eu não tenho de não ligar pro que os outros pensam. Essa menina inclusive ficou famosa em barcelona, um dia eu estava andando em um museu de lá, o CCCB, e eis que vejo uma seqüência de fotos dela na parede, com os braços erguidos e o “tufo” lá.
    da mesma forma como há outras culturas (na catalunha não, as mulheres depilam sim) em que é normal não depilar, não tem problema nenhum. o martins mesmo conta um caso que ele conheceu uma menina linda não sei onde, com um cabelo loiro maravilhoso e que eles estavam em turma indo pra um parque aquático. quando a menina ergueu os braços pra prender as lindas madeixas, os brasileiros soltaram um grito de nojo ao ver que ela não se depilava tb. tem lugar em que isso é normal, que não existe a regra de depilar.
    só quero falar que essas coisas não são perenes, eternas, que não há um padrão…
    e é engraçado, mas a gente não repudia o fato de ela não depilar não é de forma alguma por questões de higiene, embora possamos jurar de pé junto que seja: é por costume mesmo. pq se fosse por higiene, por que é que não temos nojo de TODOS os homens que não depilam? Só é falta de higiene pras mulheres? 😉 Fica a dica… hehe
    Bjos

  9. eu sofro muito com essa questão de beleza! me sinto a pessoa mais feia do mundo às vezes. gosto de como Deus me criou, mas nao gosto do que me tornei. issome gerou um problema muito grande, a anorexia. espero que ninguem tenha que passar pelo que eu sinto, pois ainda nao era cristã quando comecei com essa doença. tenho muita esperança de que Deus possa me ajudar a sair dessa situação, mas ao mesmo tempo nao quero sair, me sinto preotegida por ela.

  10. Amiga, gostei muito do seu post!

    Fiquei me lembrando de anos atrás quando falamos sobre isso e você me emprestou o livro “Fazendo as pazes com o espelho”. : )
    Obrigada, viu?
    Apesar de ainda ter dificuldades nessa área, hoje em dia sofro bem menos com isso.

    Adorei a discussão! Muito válido ter trazido estas questões sobre o padrão de beleza aqui para o blog!

    Bjus!

  11. querida alguém,
    me sinto parcialmente culpada por você se sentir assim, pois creio que de certa forma ajudo a perpetuar esse padrão que muitas vezes traz tanto sofrimento pra nós mesmo, ao replicá-lo para os outros ou buscá-lo eu mesma, de forma insensata, muitas vezes. Também tenho esperança de que Deus possa te libertar dessas coisas, dessa doença, e que você possa se sentir feliz e satisfeita nos braços dele, confiando nele, não em qualquer outra coisa que seja prejudicial pra sua saúde e mente.
    Acho que se a gente entendesse o amor de Deus por nós em profundidade, deixaríamos de lado muitas coisas “vazias” que achamos que nos preenchem, ou que achamos que importam muito. Mas todas essas coisas são ídolos e podem nos deixar na mão, não suprirão nunca as nossas necessidades em completo, não nos darão amor, não são coisas com as quais podemos sempre contar.
    Acho que esse tipo de coisa acontece muito na nossa sociedade, em alguma medida todos nós temos alguma “anorexia” devido a essas pressões e tudo mais. Mas, no seu caso, seria muito bom (se vc já não o fez) procurar um profissional especializado, um psicólogo que possa te ajudar. Mas se vc quiser tb uma amiga pra conversar, estou à disposição! Não sei se vc me conhece pessoalmente, mas se quiser pode me mandar um email anônimo: analubh@hotmail.com . No mais, leia esse livro “Fazendo as pazes com o espelho”, que eu indiquei no post, se vc quiser. É muito bom e talvez possa te ajudar um pouco.
    Vou orar por vc!
    bjos! :)

    Carlinha,
    Então, a Pati me roubou esse livro! hehe tô pensando em comprar outro, tem uma edição nova. Gosto muito desse livro…
    E é muito bom pensar na vida e ver o quanto amadurecemos ao longo do tempo, o quanto as coisas mudaram… Fico muito feliz de ver isso na minha vida e na sua tb!
    bjos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *