Você já escreveu um post?

Sou um dos escritores mais novos do blog. Escrevi meu primeiro post em Março de 2010 e já são mais de 6 meses escrevendo posts. Comecei a pensar nisso ontem pela manhã, e acredito ser um bom momento para uma avaliação.

Escrever é algo muito difícil, apesar de ser desafiador. Cada post é uma “luta”. (Detalhe: uma coisa é ter que escrever um post, essa semana. Outra coisa é ter que escrever um post, sempre). Escrevo. Leio. Releio. Faço mudanças. Crio expectativas. Às vezes fico frustrado. Às vezes me surpreendo. A prática ajuda, mas não tira minha sensação de amadorismo.

Entre nós (escritores do blog), os comentários, normalmente, são os mesmos. Dificuldade para ter idéias, dificuldade de tempo para escrever, desorganização na semana… Tudo isso, às vezes, resulta em ausência de post… Nós sempre pedimos perdão um para o outro quando alguém “fura”. Eu acho essa atitude muito legal, tendo em vista o compromisso assumido de escrever.

Apesar de enfrentarmos alguns desafios como escritores do blog, sabe qual é a nossa maior preocupação? Não permitir que esse blog se torne “filosófico”! Que esse não seja apenas um espaço onde compartilhamos sobre o mundo das idéias, mas que tenhamos vidas sendo compartilhadas. Não somente teoria, mas, também, coragem, para tirarmos as “máscaras” e confrontarmos CONCEITO x VIDA.

Posso confessar uma coisa? Prefiro os posts que são cheios de “vida”, do que aqueles que possuem só “conceitos”. Para os leitores, a mesma coisa: gosto mais quando você fala sobre você, do que quando só há acréscimo de conhecimento. (PS: Eu não estou dizendo que todo post ou todo comentário deve conter “vida”. Os conceitos e qualquer tipo de conhecimento, são muito importantes. Até porque, a avaliação das nossas vidas seria vazia na ausência dos conceitos.)

É descobrir  que o Homero tem algo a dizer, por ter flutuado no Rio Sucuri. (Flutuação) É imaginar a Ana viajando de ônibus, ao lado de uma família evangélica que foi ouvindo funk cristão durante 2 horas. (Sacrofício) É acompanhar o Rafael Santtos em sua visita até o sítio de uma amiga da família. (Olhos de criança) É surpreender-se com a Carla, que nos revelou ser capaz de discernir sobre questões da nossa vida ao jogar “The Sims 3”. (Minha vida simulada) É perceber o coração compassivo do Gabriel, dentro de uma lanchonete, ao ouvir uma mãe falando do seu filho falecido. (Andanças) É emocionar-se com a Juliana dizendo que não é possível falar de si mesma, sem mencionar Cristo. (Apresentação: Ju Comparth) É aprender com o Guilherme, como alguém pode tirar tantas lições de uma lagartixa que resolveu morar na nossa casa. (Pelas paredes) É ter a coragem do Mateus para admitir as consequências terríveis de um semestre vivido sem prioridades. (Sobre o [não ter] tempo). É desafiar-se com o Vidigal a desligar o som do carro e aprender com o silêncio. (Silêncio. Ah…!) É saber que o Faell sonhou em ter uma namorada, sonhou em se casar e sonha em ser um grande homem de Deus. (Homens ou Gafanhotos?)

Talvez você nunca tenha escrito um post… Mas você já imaginou que sua vida poderia ser seu grande post?

Um post que está sendo escrito sempre. A cada dia. Que é difícil, mas não deixa de ser desafiador. Um post que te traz expectativas. Que, ora te frustra, ora te surpreende. Um post que, apesar da prática, continua te deixando com a sensação de amador.

Que eu e você, sejamos práticos. Que não vivamos como filósofos, apenas discutindo as idéias…

E que nós sejamos sempre amadores. Sejamos sempre como as crianças, pois sabemos que Deus gosta, especialmente, delas.

Um grande abraço!

Eduardo Victor

Sobre Eduardo Victor

Mineiro de Belo Horizonte, 33 anos, cristão e missionário em Alvo da Mocidade. Apaixonado pelas Escrituras, tornei-me um sonhador quando descobri que Deus pode nos surpreender com as coisas mais simples e inusitadas desta vida...

14 comentários sobre “Você já escreveu um post?

  1. …..sou um post que est’a sempre sendo escrito…..diariamente? Nossa, muito dif’icil mesmo…..Como ser’a que esta o meu texto? ….acho que cheio de erros ortograficos e de concordancia!!!!

    gostei da reflexao Eduardo!!!
    =)

  2. “e aí garotinho, complicou?” Só lembro dessa frase sua, e já faz muito tempo. Nessa época não existia, amigão! Vc sempre sensível, Edu! Acho que a experiência do ministério presenteia vc, Homero, Fael com essa virtude. Foi naquela vez, e o foi neste texto, pq conhece os bastidores da humanidade (essa expressão não é minha). Concordo que as crinças são inocentes, mas elas vão se tornando calejadas, experimentadas, vividas se preferir. Então, esse texto está longe do amadorismo. Não foi escrito por uma criança, e se for pra falar apenas da experiencia de escritor, foi escrito por um cara que escreve há 6 meses com grande entusiamo. Escreve sempre como se o primeiro texto fosse. \Quanto as nossas vidas? Que belo post daria, e que post! Parabens Edu, texto lindo! um abração!

  3. Muito legal Edu. Espero ir melhorando o Post da minha vida a cada dia, corrigindo os erros para que O Leitor da minha vida se agrade muito.

  4. Oi, Edu!
    Hoje, acordei pensando no meu post, enquanto professora, já que hoje é o dia dos professores.
    Estou triste, muito triste, pois a educação, nesses moldes que vemos e que somos submetidos, está falida.
    A maioria dos alunos de uma escola pública (80%) não consegue formar uma frase simples, com sentido, sem contar os erros ortográficos. E ainda, na divisão de 6 por 6, esses aí, de cima, dariam como resultado zero.
    Não existem valores, amor, respeito e disciplina não frequentam a escola.
    Não estou falando só entre os alunos, a comunidade escolar está adoecida, se contagiou e agora, a lei é assim, o poder acima de tudo! O poder da droga, o poder de quem grita mais, o poder de quem vai mais despida para a escola, o poder de quem chega mais atrasado e ainda assim, consegue entrar. O poder da fofoca, da falsidade e o poder pelo poder.
    Muros altos que escondem a covardia com os seres humanos, que chegaram ali cheios de amor e de esperança e que ali vão ficando, sendo cúmplices de tanta podridão.
    Fico só pensando nas “Claudianas” e nos “Denilsons”, bons e puros, jovens cheios de sonhos e que não possuem uma proteção e que certamente, quando conseguirem sair dali, estarão contaminados, mas a “essência” ainda será de amor.
    Por eles, peço socorro!

  5. gostei muuito mesmo! fico muito feliz quando consigo aprender com coisas corriqueiras do meu dia a dia! acho que serei um cara muito privilegiado quando tirar sempre alguma lição em minhas ‘andanças’. esse foi um dos melhores posts! =)

  6. Oi Dudu! gostei muito tambem! achei criativo, reflexivo e acrescentaria agradável, e de fato Deus nos livre de apenas teorizarmos as coisas. É legal trazer a filosofia e o mundo das ideias para uma vivência diária! abraços

  7. Fala galera!!! Valeu pelos comentários… Juntos, temos tentado fazer com que não só esse blog, mas também as nossas vidas, não sejam apenas teóricas…

    Em especial, gostaria de responder à dois de vocês:
    Primeiro ao Gabana… Amigão, ontem eu me lembrei da cena… Confesso que havia esquecido… Não me sinto um cara sensível, mas percebo Deus mudando isso na minha vida, Gab’s… Eu não sei explicar porque, mas com algumas pessoas, eu pareço ter um amor especial, independente se já estivemos mais perto ou mais longe… É assim que sinto com você… Uma vibração diferente no coração que é difícil explicar e acho que vai ser sempre assim…

    Agora, à Carla… Fico feliz de saber que pensar no seu “post”, te desafiou a pensar na sua profissão… A tristeza se encontra na sua avaliação, Carla… Não sabia que a realidade era tão dura como você demonstrou… Eu consegui imaginar as “Claudianas” e os “Denilsons” sofrendo com um sistema totalmente destruído… Não sei o que fazer e o que aconselhar…(Seria muita prepotência da minha parte, qualquer conselho sobre isso…) A única coisa que posso afirmar, é que em Cristo, as nossas esperanças continuam vivas e que ainda há um caminho… Acho que você sabe do que eu tô falando…

    Abração, Carla… Abração, Gabana…
    Valeu, galera!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *