O viajante

As coisas não aconteceram como ele esperava e por isso, resolveu mudar de vida.

Comprou roupas novas, mudou o cabelo e partiu.

Durante o caminho seus olhos eram atraídos por muitas belezas. Luzes, roupas coloridas, emocionantes histórias contadas por belas donzelas. Tudo parecia imperdível. O barulho das taças e o borbulhar das bebidas eram hipnotizantes, tornando tudo irrecusável.

Experimentou uma sensação nova, que julgou ser liberdade. E avançava no caminho postando uma foto a cada nova aventura.

Aconteceu que, num certo ponto, percebeu-se sozinho. O caminho já não era tão iluminado nem mais tão belo, e o que outrora o atraía, agora embrulhava o estômago.

Num banco da estrada encontrou um pequeno pedaço de espelho. Sentou e olhou-se. Assustado, fechou os olhos. Respirou e olhou novamente. E não se reconheceu.

Suas expressões foram alteradas, o brilho dos seus olhos apagados. Quis ir embora, mas o sentimento que antes julgava ser liberdade, ironicamente agora, era o que o prendia. Então chorou.

Percebeu que nessa nova estrada, um pouco de si fora roubado em cada parada. Olhando para trás, viu que aquelas pessoas não eram tão belas quanto aparentavam. Na verdade, elas ficavam belas porque roubavam a beleza de cada viajante que parava por ali.

Chorou, chorou, chorou…

Olhou para o lado e viu que estava perdido. Lembrou-se de amigos antigos, que sempre o diziam para olhar para o céu.

Resolveu então, levantar os olhos e surpreendeu-se porque agora podia ver luz. E o caminho de volta estava lá revelado, como que desenhado pelas estrelas. Na verdade, sempre esteve ali, mas ele insistia em olhar na direção errada.

Decidido a voltar para a casa, fixou os olhos no céu.

E a cada recusa dos velhos convites, retomava a luz dos olhos e sua verdadeira expressão.

“Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou…”. Lc (15:20)

“Comamos e regozijemo-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.” Lc (15:24)

Cooperador de Cristo.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *