Variações de um mesmo tema

Na semana passada, pudemos refletir um pouco sobre como nossa personalidade influencia na forma como nos alimentamos. Hoje, gostaria de continuar algumas dessas reflexões. Como já explicitado, tenho como característica o jeito prático de fazer as refeições, sem qualquer método específico, transformando meu prato em uma grande bagunça. Nele vale tudo. Há somente uma regra que me acompanha desde pequeno: o feijão precisa ficar, necessariamente, embaixo do arroz. Não sei explicar o motivo. Fato é que, para mim, se não for obedecida tal ordem, a comida não tem o mesmo gosto. Sei que o feijão continuará sendo feijão para sempre e o mesmo acontecerá com o arroz. A ordem em que estes aparecem em meu prato, porém, faz toda diferença.

Creio que na vida cristã não é diferente. Deus estabeleceu o tempo e o modo certo para que desfrutemos de algumas coisas. É engraçado perceber que, assim como meu almoço, se o arroz aparecer antes do feijão, ou se tentarmos inverter o tempo de algumas coisas, a comida não terá o mesmo gosto. Não importa se estamos diante de um mesmo alimento; a ordem faz toda a diferença.

Sei das dificuldades que se apresentam. Sempre enfrentarei o mesmo problema quando for a um self-service e encontrar o arroz primeiro que o feijão. Sei também que vale o esforço de dar alguns passos a mais para que coloque o feijão embaixo e depois, voltando um pouquinho, complete com o arroz. Não importa se, no restaurante, a ordem parece invertida e o certo se confunde com o habitual. Que neste ponto possamos nos encontrar firmes e irredutíveis.

Um comentário sobre “Variações de um mesmo tema

  1. A sua experiência com o arroz e o feijão faz todo o sentido, Guilherme…

    É impressionante perceber que, comigo, é exatamente assim…

    A comida parece adquirir novo sabor se a ordem das coisas mudam e qualquer semelhança na vida cristã, não seria mera coincidência…

    Que a nossa postura seja firme em qualquer restaurante da vida, para que a inversão da ordem não confunda o habitual…

    Grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *