Uma dose homeopática de economês

“Se é para o bem de todos
E felicidade geral da nação
Eis aqui um post sobre marxismo”
(ALMO, Junho de 2009)

 

Muitas vezes estamos acomodados na nossa vidinha, sem ter falta de quase nada e esquecemos de que tem gente aí fora vivendo realidade com a qual a gente nunca sonhou (ou teve pesadelo, na verdade). Isso me irrita, muitas vezes. No último fim de semana, ao conversar com um cristão, muito me preocupou a visão dele de que, já que só Cristo muda completamente as pessoas e dá sentido a tudo, é a maior bobagem do mundo discutir sobre qualquer outro assunto superficial que não se refira ao cristianismo, qualquer alternativa que não venha dele é inútil e nem merece ser discutida. Depois conversamos melhor e vimos que não era bem assim. Aí fiquei mais aliviada. Mas o que eu lhe disse é que creio que corremos o risco de sermos passivos e não levar a sério as teorias “seculares” que nos cercam e as alternativas que elas nos oferecem: se só podemos aprender com a bíblia e por exemplo fazer uma faculdade não vai acrescentará em nada, se tudo entra por um ouvido e sai pelo outro e você fica ali tapado (estuda, aprende, vomita aquilo na hora da prova e apaga da mente), sugiro que não gastemos nosso tempo e dinheiro estudando algo. Sério mesmo, invistamos energia em algo mais produtivo pra nós mesmos e em algo que seja socialmente mais eficiente. Fazer curso superior só pra ter cela especial quando/se for preso não vale taaanto a pena assim.

Politicamente, economicamente, cada um pense o que quiser. A única verdade absoluta que existe pra mim é Cristo. Como eu disse na minha apresentação, sou uma cristã que tende ao marxismo. Entendo a confusão da maioria: esse termo marxismo vem carregado de significados que não lhe são intrínsecos, mas frutos de interpretações (certas ou não) que não são as que eu dei ao conceito. Explico. A gente escuta o termo marxismo e logo pensa no Stálin, na galere invadindo propriedade, matando patrão, até no MST. Mas calma aí, não é bem assim. A primeira vez em que eu vi um cara evangélico dizendo que era marxista eu pensei de cara que o homem era louco, mas depois entendi melhor.

Que fique bem claro que eu sou uma mera estudante de economia que estuda essas coisas e que pode estar (muito) errada, mas continuo lendo e estudando (até mesmo porque, para criticar a gente tem que ler. Não dá pra achar que sabe, achar que entendeu e fechar os olhos e ouvidos e deixar só a língua funcionar. Até pra criticar o Paulo Coelho eu me senti na obrigação de ler livro dele rs.) Não adianta, discutir baseado no achismo sem ter lido nada não dá. Pra criticar tem que conhecer, inclusive ter a mente aberta pro caso de estar errado. E ponto.

DSC01090Não é segredo pra ninguém que me conheça minimamente bem que eu tenho diversas “pendengas” com a economia e com os modelos que aprendemos em 90% das matérias obrigatórias do curso. São teorias que eu estudei, aprendi, fiz prova e passei… Passei na matéria mas não passou na garganta. Eu não engulo essa história de agente racional nem por decreto, essa de maximização, de abstração completa de quase tudo até não ter nada de real no modelo, muito menos essa de perenidade do capitalismo: escutar isso de que é uma tendência natural do homem acumular, ser capitalista e que lutar contra o capitalismo é lutar contra o homem me faz ferver o sangue. Vai estudar história econômica, antropologia econômica!! hehe E falar que na sociedade capitalista há simetria na relação patrão/empregado ou que o capitalismo é igualitário e dá chances a todos me irrita mais ainda: se em t=0 (momento inicial, para os não introduzidos no economês) todas as pessoas tivessem tido condições igualitárias de se desenvolver ainda vá lá, mas esse definitivamente não foi o caso do capitalismo (e nem de outro sistema qualquer, todos se basearam em algum tipo de poder ou desigualdade), tem MUITA gente que rala a vida inteira e continua na pindaíba… E tem gente que não faz nada a vida inteira e tem tudo o que quer (reizinhos, né Rafa?).

(Na foto, Kastanienallee em Prenzlauerberg – antiga Berlim oriental. A frase no prédio diz “O Capitalismo normatiza, mata e destrói”)

Nessas e outras, nas crises com a economia e as micros e macros, me deparei com o livro “O Capital” de um mocinho chamado Marx. Toda a frustração que eu tinha com a economia neoclássica/neokeynesiana/novokeynesiana etc foi de certa forma dirimida: havia alguém (ou “alguéns”) que tratava a economia como parte da sociedade, como uma economia política1. Não só o Marx, mas vários outros caras como Smith, Ricardo, Malthus etc. Caras que não se fecharam em um campo, mas foram interdisciplinares e escreveram sobre muitas coisas com muita propriedade (todos esses aí transitam até hoje em várias áreas do conhecimento). Mas o Marx especificamente faz uma análise do capitalismo que na minha humilde opinião é SENSACIONAL. Não conheço outro teórico que tenha entendido tão bem a dinâmica desse sistema como o Marx: as contradições, as bases fundamentais, as tendências… Além disso, o método do cara de dialética, contraste é uma coisa impressionante. É uma pena que ele seja tão mal-dado nas escolas, o que faz com que os que não o estudam profundamente depois tenham uma opinião viesada como eu tinha.

Resumidamente porque já escrevi muito, a análise do Marx é inovadora porque mostra que o sistema se baseia em contradições, as mesmas que um dia (sei lá quando) levarão à sua crise e derrocada. Por ele mesmo… Assim como o sistema antigo ou o feudal caíram, o capitalismo também cairá um dia, apesar de ele mesmo tentar atrasar essa tendência criando certos mecanismos, tendo ao seu lado muitas vezes o estado e as leis. Ainda estou estudando as análises dele (inclusive minha monografia de fim de curso é sobre as crises no capitalismo em uma abordagem marxista, pra quem quiser mais detalhes), lendo o que ele escreveu. No momento, Marx e alguns bons Marxistas que o precederam (como Ernest Mandel), não deixaram de me surpreender e maravilhar em suas análises sobre esse sistema. Eu sei que Marx tinha vários problemas com o passado religioso dele e de sua família judaica, tendo escrito muitas coisas sobre/contra religião também, isso eu não li ainda, mas lerei. 

Eu não consigo olhar pro mundo hoje e defender o capitalismo, defender esse sistema e as bases nas quais ele se pauta. Sinto muito. Agora, também não tô falando pra ninguém matar rei, roubar carro, invadir casa dos outros. Mas que o mocinho teve a manha, isso teve. É nesse sentido que eu digo que eu tendo ao marxismo. E isso inspirou tanta gente legal… A CEPAL de Celso Furtado e Raul Prebisch, o próprio Keynes (que era bastante vermelhinho), várias políticas bacanas da social-democracia… A lista vai…

E só pra provocar, uma fotinha minha com o Marx e o Engels em Alexanderplatz (Berlin) pra vocês verem como eles são dois barbudos simpáticos:

DSC01154 - eu, Marx e Engels

Chega de economês, né? Ficando dúvidas/questionamentos/dialéticas eu escrevo mais…

***

Conversando com um amigo cristão2 esses dias, o cara me contou a seguinte história: Estava ele mais 4 amigos cristãos andando na rua quando veio um mendigo pedir esmola. Todos eles deram, menos um, que não tinha dinheiro. Esse cara se desculpou por não poder dar uma moeda e disse “não tenho grana pra te dar, mas posso fazer mais que isso, posso orar pela sua vida”. O mendigo largou a sacolinha que carregava e disse que isso era a melhor coisa que poderiam fazer por ele.  O cara perguntou o nome dele, pôs a mão no seu ombro e orou. Diz que o mendigo quase chorou.

Cuidar do que está dentro das pessoas é infinitamente mais importante que qualquer coisa: a verdadeira revolução vem de dentro. Agora, se é contra o cristianismo tentar fazer a vida material das pessoas melhor (seja ensinar alguém a ler, diminuir a desigualdade de renda, a exploração dos trabalhadores, dar cultura ou um prato de comida, seja o que for), então eu não sou cristã. Não foi esse tal de Jesus mesmo que, além de falar diversas coisas sobre ele mesmo, sobre o céu e a terra, curou cegos e paralíticos, alimentou multidões e aconselhou pessoas a doarem até mesmo tudo o que possuíam aos pobres?

Falando claro então: Nenhum sistema político humano jamais será perfeito. Nós somos falhos, portanto nossos sistemas também serão e nunca ninguém se sentirá completo se se basear somente nisso. A maior prova disso são os índices de suicídio nos países nórdicos, os mais igualitários do mundo e considerados como exemplo de social-democracia: se ter uma boa condição é suficiente para ser feliz, essa galera não tava se suicidando por lá.

DSC01420

(Na foto ao lado, o Stasigefängnis, ou prisão do governo da antiga DDR, Alemanha Oriental, em Berlim, onde eles mantinham aqueles que eram contra o regime)

Lendo essa semana o evangelho de João, um versículo me prendeu a atenção. Jo 3:34: “Disse Jesus: ‘A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e concluir a sua obra'”. Será que essa é a nossa verdadeira preocupação, diária, de em tudo fazer a vontade de Deus e cumprir o propósito dele? É o que de fato nos alimenta? Será que não temos muito a melhorar ainda para sermos sal e luz em todos os sentidos para o mundo aí fora?

Desculpem o tamanho do post, ficou de fato muito grande, mas não tinha como…

1 Como curiosidade: ao decorrer do tempo, com a vitória da primeira corrente que não me agrada, o termo economia passou em inglês passou de Economy (ligado a economia política, à sociedade) para Economics (qualquer semelhança com o sufixo de Physics não é mera coincidência: a galera começou a achar que a economia era mais parecida com a física, ciência exata, do que com as ciências sociais, com o homem. Começou a achar que todos somos robôs e que temos uma única racionalidade.

2 Agradecimentos ao Renatão pela paciência comigo em momentos de revolta e também agradeço a ilustração.

ana.oliveira

Sobre ana.oliveira

Ana Luíza, 21, é filha única e já fez intercâmbio. Atualmente estuda Economia na UFMG e é bolsista da Associação Democracia Ativa (dispondo de muita fofoca política pra contar ;]). Adora ler, viajar e aprender línguas. Participa de Alvo da Mocidade desde 2001, estando atualmente na Comunidade. É cristã e simpatiza com o marxismo.

56 comentários sobre “Uma dose homeopática de economês

  1. Ei Iago!
    Bom ter notícias suas! Animado pra começar a facul?
    Depois vou conferir as fotos lá sim, só q agora estou sem acesso ao orkut…
    Então, “economia solidária” é uma expressão, uma teoria na verdade, que designa algumas sociedades/práticas não-capitalistas da atualidade. Não tô fazendo juízo nenhum de valor. Olha lá: http://pt.wikipedia.org/wiki/Economia_solid%C3%A1ria O maior expoente dessa vertente é um cara chamado Paul Singer. Ele tem um livro pequeno chamado “Introdução à ecn solidária” ou algo do tipo, se vc tiver interesse.
    Sim, não acho de forma alguma que o índios sejam perfeitos. Essa de “bom selvagem” não existe mesmo, assim como nós tb não somos perfeitos. Concordo com vc. Mas, assim, vc abordou o tópico de “moral”. Pra você, de onde vem “a moral”? Qual é o parâmetro pra falar que “nós” (generalisando horrores aqui) estamos certos de achar errado matar, enquanto eles sei lá matam os deficientes pq é impossível pra eles (como nômades e tal) terem pessoas deficientes no meio deles? De forma ALGUMA estou defendendo esse tipo de prática, mas queria saber de vc qual é o padrão pra dizer que existe moral?

  2. Opa,

    Não conhecia essa expressão “economia solidária” mas pelo que eu li, as economias a que eles se referem não são nada mais que primitivas. Se não tem acumulação de capital, não tem desenvolvimento.

    “Pra você, de onde vem “a moral”?”

    Esse tópico se chama meta-ética. O campo da filosofia que estuda a ética tem duas ramificações, a meta-ética e a ética normativa. A meta-ética estuda o por que da necessidade da moral e por quais meios o ser humano pode fazer jugamentos morais, já a ética normativa estuda quais são as ações apropriadas para o ser humano em cada caso de acordo com a base postulada pela meta-ética.

    Eu tava lendo um livro sobre esse assunto a pouco tempo atrás, o livro se chama “Viable Values: A Study of Life as the Root and Reward of Morality” e eu altamente recomendo ele para qualquer pessoa que quiser se aprofundar em meta-ética. O livro mostra que o conceito de “moral” é derivado do conceito de vida e mais especificamente da vida racional. Os outros animais agem por instinto, sempre no momento específico, e não precisam de um código pra definir como devem agir pois não precisam decidir conscientemente suas ações. Já o ser humano não é guiado pelo instindo, para construir uma casa ou plantar sua comida ele precisa pensar racionalmente e decidir suas ações, portanto o ser humano precisa definir de forma específica quais ações preservam a sua vida e quais ações são destrutivas para a sua vida, pois assim pode ter certeza da eficácia de suas ações. Dessa forma, o que preserva ou melhora a vida do indivíduo é “bom” e o que destrui a sua vida é “mau”. Sendo assim, a vida é tanto a raiz quanto a recompensa da moralidade, pois o ser humano age moralmente para preservar a sua vida (a raiz da moralidade) e ao agir moralmente ele tem como resultado uma vida melhor e mais saudável (a recompensa da moralidade). O livro faz até uma comparação do resultado da moral com uma planta florescendo, a planta floresce quando está saudavel e o ser humano é saudavel quando age moralmente… O livro mostra também porque os julgamentos morais devem ser derivados da razão, e não da “intuição”. Enfim, esse é um resumo bem curto, mas eu posso te passar mais textos se você quiser…

    Abraço,
    Iago.

  3. Interessante essa visão, Iago, não conhecia…
    Mas como definir o que é “bom” e o que é “mau”? Essas noções variam de pessoa pra pessoa, de sociedade pra sociedade… Qual é o parâmetro? Há coisas como ser contra o incesto ou o homicídio puro e simples que são condenadas em todas as sociedades, mas e outras coisas? Outras atitudes e comportamentos?
    Bjo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *