Um dia todo dia

Eu estou terminando a leitura do Pentateuco. Algumas coisas parecem repetitivas, quase redundantes. Prefiro lê-las com um olhar de novidades, acreditando que Deus (talvez) esteja dizendo a mesma coisa novamente. “Isso deve ser profundo demais e, como Deus sabe da minha superficialidade, resolveu dizer novamente!”

Foi assim na leitura de hoje! Meus olhos percorreram o cap.16 de Deuteronômio. A maior parte desse capítulo é a descrição das festas judaicas. Foi apenas uma expressão na descrição da Páscoa que me fez refletir profundamente.

“… comerás pães asmos, pão de aflição (porquanto, apressadamente, saíste da terra do Egito), para que te lembres, TODOS OS DIAS DA TUA VIDA, do dia em que saíste da terra do Egito.” (Dt.16:3)

O povo deveria se lembrar de um dia todo dia. Um dia até o último dia.

O dia em que Deus havia os tirado do Egito.

O dia que descobrimos que Deus se importa conosco. O dia que ficou evidenciado que temos um Deus que enfrenta qualquer “Faraó” por nossa causa. Um Deus que ouve os nossos clamores. Um Deus que estava disposto a fazer o que fosse preciso para nos libertar da escravidão.

O dia que descobrimos que nosso valor não está na quantidade de tijolos que nos obrigam fazer, mas naquilo que Deus fez por nós.

O dia que nos conscientizamos de que somos tão rebeldes quanto os “egípcios”, somos um povo de dura cerviz e que não fomos escolhidos porque Deus se afeiçoou de nós ou porque éramos numerosos. Não era vantajoso para Deus. Pelo contrário. Era absurdamente sacrificial. Nesse dia, descobrimos que Ele fez por amor.

O dia que descobrimos que a libertação tem tudo a ver com a morte e o sangue daquele cordeiro. Enquanto o povo ganhava liberdade e vida, o sangue do cordeiro era aspergido no madeiro das portas.

O dia que deveria ser lembrado todo dia. Comemorado todo ano. Partilhado com as gerações futuras.

Deuteronômio 16 ensina que o dia mais importante da história não tem nada a ver com a formatura, aniversário, intercâmbio, casamento, vaga no concurso, viagem, impeachment ou sei lá o que, mas tem tudo a ver com o dia em que Deus nos concedeu salvação.

A salvação é motivo de alegria. Todos os dias. Deus olhou nos meus olhos e disse: “Eu te amo!!!” Que comece a festa de hoje! Afinal, ainda tem muita sexta-feira pela frente!

Um grande abraço!!!

Eduardo Victor

Sobre Eduardo Victor

Mineiro de Belo Horizonte, 33 anos, cristão e missionário em Alvo da Mocidade. Apaixonado pelas Escrituras, tornei-me um sonhador quando descobri que Deus pode nos surpreender com as coisas mais simples e inusitadas desta vida...

Um comentário sobre “Um dia todo dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *