Trovão inverso


“Oração é … trovão inverso … os seis dias criados em apenas uma hora”
                                                (George Herbert)
 
Talvez o poeta tenha escrito essas palavras ao se deparar com o seguinte texto:
 
Quando ele abriu o sétimo selo, houve silêncio no céu por volta de meia hora.
Vi os sete anjos que se acham em pé diante de Deus; a eles foram dadas sete trombetas.
Outro anjo, que trazia um incensário de ouro, aproximou-se e se colocou de pé junto ao altar. A ele foi dado muito incenso para oferecer com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro diante do trono.
E da mão do anjo subiu diante de Deus a fumaça do incenso juntamente com as orações dos santos.
Então o anjo pegou o incensário, encheu-o com fogo do altar e lançou-o sobre a terra; e houve trovões, vozes, relâmpagos e um terremoto.
Apocalipse 8:1-5
Um texto que mexe com nossa imaginação! Silêncio no céu… um anjo se coloca aos pés do trono… incensário em mãos … o que está sendo revelado à João?
É revelado que “as orações de todos os santos” sobem ao trono, purificadas pelo incenso (pois, muitas vezes, não sabemos pedir). Deus ouve! Orações de agradecimento, orações de “por que me desamparaste”, orações de “afaste de mim esse cálice”, orações de “seja feita a sua vontade”, murmúrios, gemidos. O céu para! Nada passa despercebido!
Mas Deus não se contenta somente em ouvir! Ele responde! O incensário com as orações dos santos recebe o “fogo do altar”, que simboliza o poder de Deus e é lançado sobre a terra novamente!
Orações ainda estremecem a terra! 
Orações mudam o rumo da História!
Orações abalam o mundo! 
Oração é trovão inverso!
 
Você crê nisso? Como é a sua vida de oração?
 
Abraço e até a próxima!
 

Homero Castro

Sobre Homero Castro

Nome: Homero Resende Castro Nasci em 1979 em Belém do Pará, moro em Belo Horizonte desde 1989. Sou formado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. Desde 1999 trabalho como missionário na associação Alvo da mocidade. Eu e minha maravilhosa esposa, Camila temos duas filhinhas lindonas, Helena e Elisa, e uma sapeca cadela chamada Leona.

8 comentários sobre “Trovão inverso

  1. Achei bem legal a forma como você abordou o livro do Apocalipse no Acampamento buscando entender o entendível e deixando as especulações em segundo plano. É certo que o Apocalipse narra coisas precisas com relação ao fim, mas também que, enquanto não ocorrem, as possibilidades de interpretação são incontáveis. Creio ser fundamental observar com atenção o que está revelado, compreender bem o livro dentro de tudo que é possível ser compreendido. E é possível! O Apocalipse é muito claro, transparente e revelador em muitos aspectos.

    Não tenho dúvidas do poder da oração. Tenho confiado que Deus está no controle. E nem teria como eu desconfiar pois Deus fez muitas coisas. Eu seria um bobo se as negasse. É bastante coerente essa interpretação a respeito do incenso que purifica as orações. Estou sem dúvida nesse grupo dos que não sabem orar. Mas não tenho ambição de aprender não. Prefiro viver na dependência de Deus inclusive para purificar minhas orações. Em mim não há nada puro. Nem mesmo as orações. Dependo de Deus em tudo para interceder por mim. Prefiro fazer das minhas orações poucas palavras, pois se falo muito sou como um tolo que não sabe o que diz.

    Ec 5:1-2 -> Guarda o teu pé, quando entrares na casa de Deus; porque chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal. Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu estás sobre a terra; assim sejam poucas as tuas palavras.

  2. Gostei do texto Homero! me lembrei de
    Rm 8:26-27 ” E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito; e é ele que segundo Deus intercede pelos santos.”

  3. Pensando aqui… Não entendi a frase: “seis dias criados em apenas uma hora”. O que George Herbert quis dizer com isso? Quando li o post fiquei com essa dúvida mas esqueci de perguntar. Agradeço se alguém que leu o livro ou entendeu a frase puder me explicar!

  4. Que possamos viver o trovão inverso amigos. Quanto ao poema, Marcelo, creio que é uma forma do poeta recriar em nossa imaginação o poder da oração usando de outra ideia: o mesmo poder que Deus criou em seis dias pode ser “ativado” em uma hora de oração. Na oração podemos colocar ordem em um mundo de caos pecaminoso assim como Deus colocou ordem em um mundo sem forma e beleza.
    Creio ser por aÍ! Abraço e obrigado pela colocação pessoal!!!

  5. Obrigado pela explicação Homero! Tinha entendido a relação com a criação, mas não tinha pensado nessa explicação de colocar ordem no caos e faz todo o sentido. Não tinha pensado nisso. Ficou claro agora! Valeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *