Troca!

Muitos de nós nos indignamos ao pensar que se possa abraçar o cristianismo querendo em troca sucesso financeiro ou profissional, pregado pela “teologia da prosperidade”.

Muitos de nós nos indignamos ao pensar que tudo hoje em dia tem seu preço.

Mas a verdade é que vivemos num mundo de troca. Troca essa que há muito tempo deixou de estar presente somente na esfera do mercado, da produção e da circulação, mas já invadiu o nosso dia-a-dia e já tomou conta do nossa mentalidade. As pessoas tomam decisões baseadas em o que ganharão em troca.

Essa lógica é fruto de nós mesmos e é retroalimentada pelo nosso sistema econômico, que cada vez mais consegue alcançar e conquistar os rincões da vida cotidiana. Não conseguimos receber um presente sem nos sentirmos impelidos a retribuir o outro. Não queremos simplesmente dar um presente, queremos receber um elogio pelo presente bem-pensado. Não queremos servir por servir, queremos ganhar algo com isso. Não queremos obedecer por obedecer, temos que ter algum prêmio por isso.

Quando paro para pensar nessas coisas, penso se na verdade todos os meus atos não são auto-interessados, se não são uma busca pela minha satisfação pessoal revestida por uma máscara de bondade e altruísmo. Se a minha relação com os outros e com Deus é verdadeiramente movida por amor ou por outros desejos menos nobres. Será que até a minha relação com Deus foi invadida pela “troca”?. Não a troca “tosca” do “se eu fui um ‘bom cristão’, Deus vai me ajudar nisso e naquilo, vou ser feliz e rica”, mas a troca do “o que eu vou ganhar fazendo isso?” “que bem me trará?” “vale a pena?” “qual é o custo-benefício?”

Se Jesus tivesse pensado “”racionalmente”” (com uma racionalidade burra, na verdade), será que Ele teria morrido na cruz? Uns podem pensar “que trouxa, poderia ter sido o rei de Israel de verdade, com riquezas e poder, mas morreu”…

Através da escolha “”irracional”” de Cristo, eu hoje tenho um relacionamento com Deus. Ele não pensou no que ganharia em troca, simplesmente obedeceu, por mais que doesse.

Quantas vezes o meu imediatismo e o meu cálculo impensado e irracional (por mais paradoxal que possa parecer) me impede de fazer a vontade de Deus, que SEMPRE é boa. Me impede de obedecer, de fazer, de servir, simplesmente por fazê-lo.

Você, caro leitor, tem vivido relações de  “troca”?

Espero os comentários de vocês!

ana.oliveira

Sobre ana.oliveira

Ana Luíza, 21, é filha única e já fez intercâmbio. Atualmente estuda Economia na UFMG e é bolsista da Associação Democracia Ativa (dispondo de muita fofoca política pra contar ;]). Adora ler, viajar e aprender línguas. Participa de Alvo da Mocidade desde 2001, estando atualmente na Comunidade. É cristã e simpatiza com o marxismo.

5 comentários sobre “Troca!

  1. Muito interessante pensar nessa idéia de “troca” em todas as dimensões das nossas vidas, Ana…

    O livro “Caminho do Coração”, do autor Ricardo Barbosa, fala sobre essa idéia na relação com Deus… Ele trabalha a idéia de Jó e nos questiona sobre a razão de buscarmos à Deus…

    Valeu pelo post!!!

    Bjo e parabéns pela oportunidade suíça…

  2. Fato : “Quantas vezes o meu imediatismo e o meu cálculo impensado e irracional me impede de fazer a vontade de Deus, que SEMPRE é boa. Me impede de obedecer, de fazer, de servir, simplesmente por fazê-lo.”
    Gostei muito Ana!

  3. Ana, foi muito bom pensar sobre isso. Obrigado por trazer esse tema.
    Tem uma idéia muito clara na Bíblia de quem semeia o mal colhe o mal. Estou relacionando essa idéia com a noção de troca que você me trouxe. Quando se faz uma boa ação, é natural esperar que essa boa ação seja lembrada e seguida. Acho que isso é uma troca.
    Deus ama absolutamente, sem pedir nada em troca. Mas receio que eu nunca seja capaz de fazê-lo como Deus, na verdade tenho certeza. Penso que me resta então perseguir o limite tendendo a zero, ou seja, esperar o mínimo em troca de minhas ações e pensamentos. Talvez, esse mínimo seja o que Deus queira de mim, ou talvez não.

  4. Resposta a sua pergunta: SIM!

    ….tema dificil e extremamente real e atual, pelo menos na minha vida!!

    “Quando paro para pensar nessas coisas, penso se na verdade todos os meus atos não são auto-interessados, se não são uma busca pela minha satisfação pessoal revestida por uma máscara de bondade e altruísmo.”

    Penso nisso sempre AnaLu!! Sera que essa imagem de “boazinha” que muitas vezes recebo ‘e real? Sera que sou boa mesmo ou desejo reconhecimento? Te respondo, no meu coracao, o desejo de ser bem vista ‘e muito frequente…..

    gostei ana!!
    baci

  5. Pessoal, obrigada pelas contribuições. Renan, gostei da idéia do “limite” hehe
    Mas essa é uma questão sobre a qual tenho pensado muito e por isso a idéia de escrever sobre isso. Sem dúvida, cada vez mais fazemos as coisas (como sociedade) buscando trocas e isso tem entrado cada vez mais em nós e no meio cristão.
    bjos! (ou baci!)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *