A troca

“Tinha Jacó feito um cozinhado, quando esmorecido, veio do campo Esaú e lhe disse: Peço te que me deixes comer um pouco desse cozinhado vermelho, pois estou esmorecido. Daí, chamar-se Edom.

Disse Jacó: Vende-me primeiro o teu direito de primogenitura.

Ele respondeu: Estou a ponto de morrer; de que me aproveitará o direito de primogenitura?

Então, disse Jacó: Jura-me primeiro. Ele jurou e vendeu o seu direito de primogenitura a Jacó.

Deu, pois, Jacó a Esaú pão e cozinhado de lentilhas; ele comeu e bebeu, levantou-se e saiu.

Assim, desprezou Esaú o seu direito de primogenitura.” Gn (25:29-34)

Esaú e Jacó eram gêmeos. Esaú nasceu primeiro e saiu da barriga da mãe com seu irmão Jacó segurando-lhe o calcanhar. Parece que Jacó lutou pelo posto de primogênito desde o ventre e aproveitou a fraqueza do irmão para conseguir o que queria.

O primogênito tinha direitos e deveres especiais. Era o responsável pela casa na ausência do pai, geralmente recebia uma benção especial, além de ter direito à herança dobrada.

Era algo importante para aquele povo.

Esse trecho revela a picaretagem de Jacó, mas gostaria de focar em Esaú, na verdade, no exemplo de Esaú.

Esaú abriu mão de todos esses deveres e direitos para saciar sua fome.

Como filho de Deus, herdeiro do Reino, tenho vários direitos e deveres. Pensei em quantas vezes tenho aberto mão disso tudo para saciar minha fome.

Fome de dinheiro, fome de sexo, fome de sucesso, fome de vaidade…

Matar a fome com a única coisa capaz de matar minha alma; abrindo mão do direito de ser filho de Deus.

Minha oração hoje é para que sejamos firmes. Que possamos negar todas as tentações que o mundo nos oferece a fim de destruir nossa relação com Deus, com nossos cônjuges e com nossos filhos.

Cooperador de Cristo.

Um comentário sobre “A troca

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *