O trapezista

Ele parecia louco. Juntava-se aos seus companheiros e dava o “start”. Dança aérea! Os voadores pairavam no ar e tudo representava perigo, até o momento em que eram agarrados pelas fortes mãos de seus parceiros.

TrapezistaO extraordinário começa aqui! Antes de ser pego, precisa soltar as mãos daquilo que lhe traz segurança. É necessário desafiar o vazio do espaço. Viver com essa disposição para soltar é um dos maiores desafios que enfrentamos. O grande paradoxo é este: ao soltar, recebemos! Aqueles que tentam evitar todo o risco, os que tentam garantir que seu coração não seja quebrado, terminam num inferno criado por eles mesmos.

“Amar é, antes de tudo, ficar vulnerável… Se você quer, com certeza, manter [seu coração] intacto, então não deve dá-lo a ninguém, nem mesmo a um animal. Envolva-o cuidadosamente com distrações e pequenos luxos; evite todos os embaraços; tranque-o na segurança do cofre de seu egoísmo. Mas nesse cofre – seguro, escuro, inerte e sem ar – seu coração mudará. Ele não se quebrará! Tornar-se-á inquebrável, impenetrável, irredimível… O único lugar fora do Céu onde você pode ficar absolutamente livre do perigo de amar é o Inferno.” (C.S.Lewis – Os quatro amores)

Certa vez, um trapezista profissional confidenciou: “Todos me aplaudem porque, quando dou aqueles saltos e piruetas, eles acham que sou um herói. Mas o verdadeiro herói é quem me pega. A única coisa que eu preciso fazer é estender as mãos e confiar; confiar que ele vai estar lá para levar-me de volta para cima.”

Assim é a vida de cada cristão. Como trapezistas, soltamos as mãos e esperamos Aquele que sempre estará lá para nos segurar. Com o tempo, aprendemos que o herói é Ele e que não existe sensação mais prazerosa do que voar livremente! Talvez seja por isso que, em Cristo, somos chamados de loucos…

E aí? Vamos soltar as mãos? 

Um grande abraço!!!

 

Eduardo Victor

Sobre Eduardo Victor

Mineiro de Belo Horizonte, 33 anos, cristão e missionário em Alvo da Mocidade. Apaixonado pelas Escrituras, tornei-me um sonhador quando descobri que Deus pode nos surpreender com as coisas mais simples e inusitadas desta vida...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *