Estamos prontos?

A morte é uma experiência traumática. Dolorosa, implacável e cruel. Morrer é deixar um vazio que nada, além de Deus, pode preencher. A morte pode, inclusive, servir para separar as pessoas em dois grupos: as que acreditam em vida após o evento, e as que não acreditam! Se você acredita que Cristo venceu a morte, parabéns! Você está no lugar certo. E fico feliz, porque vamos nos ver mais tarde. Agora, se sua crença é a de que Jesus foi apenas um grande líder, que pregava o amor, assim como Buda, ou se sua crença é que nada disto é real, eu tenho um conselho dado por um grande amigo chamado Paulo. Ele me disse que se os mortos não podem ressuscitar, então toda fé é uma grande besteira, e o melhor a fazermos é irmos comer e beber, nos fartando de tudo que o mundo pode nos oferecer. Logo, se este é seu caso, meu conselho é o mesmo: saia da frente do computador e procure uma festa! A vida é curta, logo tudo vai acabar!Hedonize-se!

O grande problema é quando você crê que Cristo venceu a morte e sua vontade ainda é de “curtir sua vida”. Existe aí um grande paradigma entre o que você de fato acredita e aquilo que você pensa acreditar. E não sejamos levianos ao ponto de acreditar que “curtir a vida” seja uma lista sodomita de prazeres carnais inesgotáveis e fanfarronices estratosféricas. Não! Vamos colocar na lista coisas comuns do dia a dia, que de maneira mais do que involuntária, nos afastam de Deus. Ver televisão, assistir a um jogo de futebol, fazer hora-extra no trabalho. Se te afasta de Deus, e mesmo assim te dá prazer, tá na lista do “curtir a vida”.

A grande questão é: você se sente a vontade no mundo? Você está satisfeito com sua vida, e com o padrão que as pessoas ao seu redor vivem? Você acha que tem uma vida razoável, confortável, e quer desfrutar destas pequenas delícias que o mundo pode nos proporcionar? Responder SIM é o mais lógico. Eu mesmo responderia que sim…

Mas cuidado meus amigos! Este pequeno conforto de cada dia, estas pequenas delícias do cotidiano, podem nos fazer esquecer que somos peregrinos em terra estrangeira! Aqui não é nossa casa, e quanto mais a vontade estivermos neste mundo, mais perto estamos no coração do nosso inimigo!

Se você acredita que em Cristo somos todos vencedores, a parte boa desta crença é saber que temos uma vida inteiramente melhor a ser vivida após nossa trágica passagem deste mundo. Em Apocalipse 21:3-4 temos uma ideia deste mundo “E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.”

UAU! Quem não quer viver lá?! Infelizmente, muita gente. Infelizmente, muitos cristãos também não querem. Absurdo? Talvez! Mas façamos um pequeno teste:

Você recebe uma visita ilustre na sua casa. O anjo Gabriel aparece para lhe dizer duas coisas. Primeiro, ele lhe diz que sua fé o salvou! Ele lhe dá os parabéns e lhe entrega um mapa da Nova Jerusalém, com dicas dos melhores lugares para estar com Deus assinalados com marca-texto. E logo depois ele diz que você vai morrer amanhã de manhã!

Pare por um segundo e pense na sua reação, analise seus pensamentos. Se você ficou imensamente feliz e não pensou em nada do que vai deixar para trás, parabéns novamente! Você tem total noção da sua condição de peregrino e de morada temporária neste lugar. Por outro lado, se sua cabeça girou rapidamente para aquela viagem que você não fez, aquele carro que você não comprou, aquele livro que você deixou pela metade, aquela poupança guardada e não gasta ou qualquer outra coisa que você deixará de fazer em vida, é hora de acender o sinal vermelho na sua relação com o mundo.

Se você não está pronto para morrer por Cristo, agora mesmo, você ainda não entendeu o que Deus tem guardado para você. E cuidado! Você pode estar fazendo morada em território inimigo.

Um abraço!

3 comentários sobre “Estamos prontos?

  1. Paulada sua e do seu chará, hein?
    Fico me perguntando acerca da nossa perspectiva da história. Sempre falamos do dia que passamos a crer em Jesus e de como Ele entrou nas nossas vidas. Mas será que é isso mesmo? Será que não é a gente que deveria entrar integralmente na história de Jesus e não o contrário? Talvez isso explique o nosso distanciamento rotineiro das coisas do Alto.
    Possamos todos curtir a vida que Ele preparou, a eterna que começa agora… Abração

  2. Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si.
    Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor.
    Porque foi para isto que morreu Cristo, e ressurgiu, e tornou a viver, para ser Senhor, tanto dos mortos, como dos vivos.

    Romanos 14:7-9

  3. Excelentes colocações, Gabs!! A ideia não era parecer como algo pesado, mas sim algo próximo de Romanos 14, algo como levar uma vida voltada para Cristo,e não para o mundo. Acho que é totalmente possível assistir TV ou trabalhar sendo devotado a Deus, mas a questão toda é estarmos prontos para abrir mão disto! Só noto na passagem que vc colocou que Paulo parece dizer mais que “pertencemos” a Deus, quer vivos, quer mortos. Acredito que uma vida plena de Deus não pode ser vivida carnalmente, mas podemos pertencer a Deus, em vida, ou em morte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *