Também não condeno

O que aconteceu? Ainda não consigo compreender. Jamais imaginei algo do tipo, não de você. Isso tudo é tão estranho. O que você fez foi muito ruim! Como pôde deixar de lado tudo o que havia construído ao longo de tantos anos? Como pôde desconsiderar que outros existem e que suas atitudes interferem na vida deles? Jogar com pessoas, brincar de pecar… Por que as coisas tomaram este rumo? E nosso velho sonho de sermos como Jesus, o que foi feito dele? Quando foi que suas ações deixaram de seguir suas palavras? Não estou tão bravo quanto triste. Uma angústia muito grande toma conta de mim. É difícil simplesmente esquecer toda essa história e seguir a vida como se nada tivesse acontecido. Quando será que as coisas voltarão ao normal? Será que um dia voltará ao normal? O que é o normal?

Mas sei que você não foi a primeira pessoa a errar nesta vida. Sei que há coisas que fogem ao nosso controle quando começamos a errar. Sei que também já errei, não exatamente como você, mas já ultrapassei os limites alguma vez na minha vida. E me lembro que Deus me perdoou, e todas as pessoas que havia magoado também. O perdão não significou ter meus relacionamentos intactos, muitas amizades se foram neste caminho. A de Cristo permaneceu, aliás, ficou ainda mais forte. Nada há oculto que não venha a ser manifesto. Que bom que ele permitiu que tudo viesse à tona para que pudesse ser resolvido. Sei que Deus, como agiu comigo, também lhe perdoa. Este é o mistério de sua graça – nada há que faça com que Ele lhe ame mais do que já ama, e nada há que faça com que lhe ame menos do um dia lhe amou.

Sei que você não é o monstro, embora suas atitudes tenham sido monstruosas. Sei que no fundo deste pecado se encontra um pecador amado por Deus. Por isso, não posso simplesmente lhe matar da minha vida. Não posso ignorar sua existência. Não posso esquecer a pessoa que um dia conheci, aquela amante da cruz de Cristo. Amanhã será outro dia e só ele nos dirá quem tem caráter e quem está disposto a pagar o preço de ser cristão. Até lá, caminhemos segundo o que já alcançamos. O amigo tempo será o maior aliado de todos no momento. Que, de costas para o erro, você volte caminhar na trilha estreita da santidade. E, sem saber ao certo quando foi, um dia estará tudo bem novamente. Você então estará ainda melhor capacitada para ajudar pessoas que passam pelo mesmo problema.

Por fim, conheço o que há aqui dentro, sei que não sou exatamente “o santo”. Se não lhe perdoar, Deus me disse que também não me perdoa. Que há em mim que me faça melhor que Jesus? E se ele, que foi o único santo de verdade na história, não lhe condena, também não lhe condeno.

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

6 comentários sobre “Também não condeno

  1. Muito bom Rafa. Que possamos compreender o que há de mais fantástico em nosso Deus: Sua maravilhosa Graça, e com ela, o perdão.

  2. Como diz meu amigo Patrick, derramei meu coração no post.

    Mais que criar esta teoria, que a gente possa se apoiar e agir assim quando a vida nos exigir este tipo de atitude. Tenho lutado pra isso.

    Abs. Edu e Faell

  3. Quando foi que suas ações deixaram de seguir suas palavras?
    Quando será que as coisas voltarão ao normal?
    Por que as coisas tomaram este rumo?
    O amigo tempo será o maior aliado de todos no momento.
    Até lá, caminhemos segundo o que já alcançamos.

    Pensamentos… Grande toalha. Abraço!

  4. Gostei Rafa! Como eu gostaria de dizer tudo isso a alguns amigos meus que tem se desviado da única vida que vale a pena! Que Deus permita que nós continuemos a viver nesse caminho eternamente! Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *