Arquivo da tag: Sentido da Vida

Travessia

Travessia. É a última frase do livro Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa. Ele explica melhor no transcorrer da obra e faz com que consigamos entender porque essa simples expressão se transforma em uma frase cheia de sentido próprio:

Eu atravesso as coisas – e no meio da travessia não vejo! – só estava era entretido na idéia dos lugares de saída e de chegada. Assaz o senhor sabe: a gente quer passar um rio a nado, e passa; mas vai dar na outra banda é num ponto muito mais embaixo, bem diverso do em que primeiro se pensou. Viver nem não é muito perigoso?¹

Aqui a gente luta, sofre, luta, sofre, tem alguns prazeres, algumas alegrias… sim, viver é mesmo perigoso. Tenho refletido sobre as lutas, sofrimentos, prazeres e alegrias da minha vida. Me espanta saber o quanto a parte da luta e do sofrimento ocupa lugar de destaque. Admito que não tenho visto com muita precisão o outro lado da margem do rio. Quando pensava sobre o assunto li algo no livro de C.S. Lewis que me chamou a atenção. Jack, como ele se auto-denominava, chegou ao final de sua vida com a maior tranqüilidade possível. Um mês após escrever o trecho que transcrevo abaixo morreria vítima paradas cardíacas. Para ele, a travessia se daria da seguinte forma:

Imagine-se como uma semente aguardando pacientemente dentro da terra, esperando para brotar como uma flor no tempo certo do Jardineiro, no mundo real, o verdadeiro despertar. Suponho que toda nossa vida presente, se observada de lá, parecerá apenas uma semivigília sonolenta. Estamos aqui na terra dos sonhos. Mas a primeira luz da aurora está chegando.²

Não que eu pense em morte tendo vivido apenas 26 anos. Mas estas palavras e um papo ao telefone me lembraram o quanto há algo melhor à nossa espera e que tudo aqui, inclusive a parte da luta e da dor, serão vistas apenas como uma pedra de sal no oceano. Termino com um versículo de que gosto muito e que acredito ter tudo a ver com o que escrevi.

Todavia, como está escrito: “Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam” (1 Coríntios 2:9).

¹ Grande Sertão: Veredas. João Guimarães Rosa – Nova Aguilar, 1994.

² Cartas a Uma Senhor Americana / C.S. Lewis; tradução Lenita Esteves. – São Paulo : Vida, 2006