Arquivo da tag: memória

O alicerce

Estava estudando o seguinte salmo durante essa semana:

“Quando o Senhor trouxe os cativos de volta a Sião, foi como um sonho.

Então a nossa boca encheu-se de riso, e a nossa língua de cantos de alegria. Até nas outras nações se dizia: “O Senhor fez coisas grandiosas por este povo”.

Grandes coisas tem feito Deus por nós; Somos cheios de alegria

Senhor, restaura-nos, assim como enches o leito dos ribeiros no deserto.

Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão.

Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes.”

(Salmo 126)

É impressionante como o texto tem um divisor de águas ou um “verso alicerce” em sua estrutura! No verso 1 e 2 temos o salmista relembrando o passado. Os grandes atos de Deus no meio do povo! Do verso 4 ao 6 vemos o salmista cheio de esperança, olhando para o futuro e recorrendo ao mesmo Deus. Mas ligando a memória do passado à esperança do futuro temos o verso 3 : “Grandes coisas tem feito Deus por nós; Somos cheios de alegria.” O verso 3 mostra uma faceta da identidade do povo que pode olhar para trás e ver feitos grandiosos de Deus e pode olhar para frente e esperar feitos grandiosos do mesmo Deus, essa faceta é a alegria! A alegria está presente em vidas que foram recheadas de experiências com o Pai no passado. Assim como a alegria se faz presente em vidas que se enchem de esperança nas promessas do Pai para o futuro.

O alicerce está presente em sua vida? O verso 3 liga seu passado e seu futuro?

Que possamos viver com o verso 3 no centro de nossa vida, de nossa história!

Abraço e até a próxima!

Em memória de mim!

Me chama muita atenção a forma como Jesus fala sobre memória durante a ceia narrada por Paulo em Coríntios:

“Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão;e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim.Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.” (I Corintios 11:24-25)

Creio que a Santa Ceia funciona como um momento onde somos convidados a parar e lembrar. Lembrar de nossa vida, nossos pecados. Mas, lembrar também, de nosso grande salvador, Seu amor, Sua graça. Lembrar de sua vida, sua morte e sua vida novamente. A ceia é o momento de alimentar nossa mente de esperança, de amor altruísta e fé. Muito diferente das memórias que o mundo nos oferece, memórias de culpas e arrependimentos. A cada dia que passa mais tenho memória do quanto sou pecador, mas isso me faz trazer à memória um salvador cada vez maior e mais poderoso também. Esse é um dos grandes poderes da ceia: alimentar minha memória de um Deus que me ama e que fez (e faz) muito por mim. Memória de um corpo estendido e de sangue derramado em uma cruz. Memória de pecado pago e perdoado!

Você tem vivido em memória de quem ou do que?

Quero trazer à memória o que me pode dar esperança. (Lamentações 3:21)