Arquivo da tag: Lighthouse Family

Super-homem

Friends

“Nowadays, nobody speaks about the way they feel about things”
“Hoje em dia, ninguém fala de como se sente sobre as coisas”
(Lighthouse Family – Question of Faith)

        

 

Em um episódio de Friends que vi faz pouco tempo, aparece um personagem bastante peculiar chamado Parker, namorado de Phoebe Buffay. Ele é um cara extremamente positivo, vê a vida com óculos cor-de-rosa, em tudo há arco-iris… Nada está ruim para ele, tudo está 100%.

De fato, o cara é muito irritante. A própria Phoebe, que no início gostava muito de Parker, vai se irritando com o moço até terminar com ele. E olha que ela é uma pessoa super de bem com a vida.

Enfim, o que quero dizer é que podemos reclamar da vida.

Não ter problemas não nos faz super-homens mas sim super-chatos. Mulheres-maravilha que escondem o que sentem escondem as suas dificuldades. Somos humanos. Ninguém é perfeito, todos temos problemas, não adianta negar. Nem pras pessoas e nem pra Deus.

Nietzche disse que devemos ser super-homens (Übermensch, ao pé da letra acima da pessoa ou super-pessoa) e não pessoas fracas, dependentes de Deus, pessoas débeis como a figura de Jesus na cruz. Devemos ser fortes, demonstrar do que somos capazes, não nos comportar como pessoas limitadas (isso é o que eu entendo do pensamento dele, posso estar errada).

Mas o que parece que ele não entendeu é que é quando nos entregamos a Deus é que somos fortes: “quando estou fraco então sou forte”, já disse Paulo em II Co 12:10.

Só Deus tem total controle das situações que enfrentamos. Só ele pode nos dar a verdadeira tranquilidade para que enfrentemos os desafios pelos quais passaremos. Um trecho de Filipenses (4:6-7), do qual eu gosto muito e que já citei aqui, expressa muito bem esse fato: “Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus.” Muitas vezes sofremos exatamente por isso: querendo ter um controle que é impossível que tenhamos, nos estressamos, ficamos ansiosos, sofremos à toa.

Ainda bem que não precisamos fingir que está sempre tudo bem. Ainda bem que temos um Deus que já passou pelas nossas experiências terrenas, como humanos, e nos entende perfeitamente. Ainda bem que podemos confiar nele, nos sentirmos especialmente fortes quando estivermos fracos.