Arquivo da tag: intimidade

Imagem & Ação

Imagem e Ação O clássico jogo de desenho e adivinhação. Você não precisa, necessariamente, ser desenhista. Basta usar a sua criatividade! Cada jogador precisa passar à sua equipe uma palavra ou expressão. É proibido falar, escrever letras, números… Os colegas de equipe têm o tempo da ampulheta para adivinhar!

 

Você já jogou “Imagem & Ação”?

 

Porque, às vezes, a gente começa a jogar de maneira totalmente inusitada.

“Todavia, ficarás mudo e não poderás falar até ao dia em que estas coisas venham a realizar-se… O povo estava esperando a Zacarias e admirava-se de que tanto se demorasse no santuário. Mas, saindo ele, não lhes podia falar; então, entenderam que tivera uma visão no santuário. E expressava-se por acenos e permanecia mudo.” (Lc.2:20-22)

Vamos jogar “Imagem & Ação”, Zacarias? 

Chegou a sua vez! Você precisa traduzir ao povo que te espera do lado de fora do santuário, aquilo que acabou de vislumbrar. Você não pode falar! Permanecerá mudo! Só pode mímica.

Porque as coisas do Reino de Deus são sempre assim, inexprimíveis.

Os mistérios celestiais são sempre assim, indizíveis.

“Eu conheço um homem em Cristo que, há catorze anos, foi arrebatado ao terceiro céu (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) e sei que tal homem (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir.” (II Co.12:2-4)

Vamos jogar “Imagem & Ação”, Paulo?

Agora é a sua vez! Você ouviu palavras que estão além da capacidade humana de descrevê-las. Conhece as regras do jogo. Não pode falar!

As revelações do alto são sempre assim, inexpressíveis.

Os oráculos de Deus são sempre assim, intraduzíveis.

Deus já te convidou para jogar “Imagem & Ação”? Existem coisas na sua relação com Cristo que somente você compreende e parece impossível explicar?

Deus tem seus segredos e suas individualidades com aqueles que lhe são íntimos.

Você duvida?

“Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe.” (Ap.2:17)

E aí, vamos jogar “Imagem & Ação”? 

Porque uma hora chega a sua vez…

Um grande abraço!!!

A primeira oração de Paulo

A oração que Deus responde

Uma questão muito me intriga no cristianismo. Qual a oração que Deus responde? Em João 14 Jesus diz que é para pedirmos que ele nos atenderá. Quando li pela primeira vez comecei a pedir tudo, mas infelizmente não obtive tudo quanto gostaria de ter recebido. O apóstolo Tiago nos escreve que não recebemos porque não pedimos. E que pedimos mal, para gastar em nossos prazeres. Ah, então não é toda oração que Deus responde? Passei então a pedir apenas aquilo que iria me edificar ou que julgava necessário para mim. Então li em Mateus 6 que Deus já sabia das minhas necessidades antes mesmo de pedir. Para que orar, se Ele já sabe e já tem cuidado? Não deixei de orar totalmente, mas já não fazia os pedidos como nos primeiros tempos. Sem que escolhesse, a ansiedade tomou conta do meu coração. Neste momento vi o que Paulo disse aos filipenses – para que deixassem que Deus conhecesse seus pedidos e assim poderiam desfrutar de paz. Agora oro a um Deus que já sabe do que eu necessito e já está a trabalhar por aquilo? Sim! Eu só ganhava em relacionamento e ficava com a sensação de ter lhe entregue minha vida através da oração. Ainda assim algo que me incomodava. Será que Deus está preocupado com meus pedidos? Será que Ele quer ouvir o que tenho a dizer? Será que minhas preocupações são importantes para Deus?

Esta semana tive a oportunidade de reler em Atos 22 como Paulo descreve seu primeiro contato com Cristo e refletir acerca da oração. Ele fora preso no Templo em Jerusalém pelos judeus e levado à fortaleza por soldados romanos. Antes de nela entrar, pediu para que pudesse dirigir a palavra ao povo que o havia acompanhado no meio do tumulto. Autorizado, ele descreveu a respeito de sua fé. Sempre me chama a atenção como ele interpreta sua primeira reação diante de Cristo – quem és tu, Senhor? Que devo fazer?

Por vezes minha oração é vazia de sentido porque só eu falo, na verdade apenas vomito o que tenho para dizer a Deus. E, correndo para sair para a faculdade ou para o trabalho, “entrego” tudo nas mãos de Dele. A oração de Paulo tem me inspirado para que eu deixe de ver apenas o que eu quero e passe a considerar o que Deus quer de mim e, principalmente, quem é este Deus que quer algo de mim. Assim, verdadeiramente ganho em relacionamento ao orar. Deus deixa de ser o “Gênio da lâmpada” e passa a ser o amigo que imagino que seja meu. Paro por aqui, porque tenho aula agora e preciso conversar com meu Amigo antes de sair de casa para mais um dia vivendo a vontade do Pai.

Me conte como é seu relacionamento com Deus através da oração, compartilhe suas experiências. Até a próxima!

Quem são meus amigos

Segunda-feira, 07 de março de 2011, 4:37, madrugada. Recebi a árdua tarefa de publicar algo na quarta-feira de cinzas, após o feriado nacional de carnaval, a festa da carne. Não sabia ao certo o que escrever, visto a dificuldade de tratar deste tema de maneira produtiva e sem ofender os colegas leitores. Pensando nos momentos que vivi, quis escrever sobre o que me edificou esta noite e que lhe fez valer todo o feriado que, em um primeiro momento, seria profano. Vou falar sobre meu conceito de profundidade na amizade.

Sou conhecido no meio em que vivo pela quantidade e qualidade das minhas amizades. A grande verdade é que nem todos os que andam comigo são meus amigos e tenho percebido cada vez mais isto. Amigo, segundo sempre pensei, são as pessoas com as quais me sinto à vontade para curtir uma boa noite e, principalmente, para quem posso ligar em uma difícil noite da minha vida. Refletindo um pouco mais, descobri que minhas amizades vão um pouco além e que meu amigo é aquela pessoa que partilha da minha vida e quer compartilhar a sua comigo. Não só isto. Acabo de avaliar que meu amigo de verdade não é aquele que simplesmente me conta da sua nova decisão, mas que quer saber minha opinião (e de outros amigos, claro) a respeito dela previamente. Meu amigo é aquela pessoa que não se importa de me dizer a verdade sem o medo de que eu me afaste dela. Muito mais, é quem quer me dizer a verdade sobre ela sem exigir que eu faça um sorriso amarelo e finja que o aprovo em tudo. Meu amigo não me evita a todo custo em relação a algo sobre o qual sabe claramente que penso que lhe faz mal. Meu amigo é a pessoa que me interpela e que se sente feliz quando exprimo minha verdadeira opinião a respeito daquilo que ela compartilha comigo.

Em toda amizade sincera há a divergência de ideias e o confrontamento advindo disso. Pode ser que a outra pessoa simplesmente va fazer algo diferente daquilo que o amigo pensa por não acreditar nas ideias idênticas á do outro. Nem precisa concordar com tudo, isto seria no mínimo estranho.

Foi assim na bíblia com aquele que foi conhecido como o amigo de Deus. Ele interpelou a Deus quando pensou que este estava agindo contra o combinado entre eles. Deus, por sua vez, o interpelou quando o patriarca duvidou da sua promessa. É nítido ver o quanto eram verdadeiros amigos e a liberdade que tinham de discordar e deixar claro suas convicções. Claro que Deus estava certo e demonstrou que sua discordância tinha maior respaldo do que a do desconfiado Abraão.

É triste ver muito perto de mim um corporativismo crescente em que uns passam as mãos na cabeça dos outros e compram brigas de maneira cega. Os fatos não são mais questionados, mas sim do lado de qual amigo você está. Evito problemas sendo superficial, afinal, quando questiono meu amigo sobre algo em sua vida automaticamente abro uma enorme brecha para que ele me fale algo sobre mim. Por medo de me expor, vivo fingindo que não vejo o que vai mal com o outro. Cumplicidade pura e simples nunca foi e jamais será sinônimo de amizade.

Penso a respeito disso pelos papos que tive neste carnaval e o quanto fiz questão de os ter tido. tanto nas vezes em que pude “desabafar”, quanto nas oportunidades em que minhas convicções foram solicitadas. Não acredito que deva ser amigo de todo mundo e que todos queiram me ouvir e falar comigo sobre as minhas e suas coisas íntimas. Ao mesmo tempo, é bom saber que não sou convidado a apenas balançar cabeça para cima e para baixo cada vez que a palavra é dirigida a mim. Dedico este post aos amigos que partilharam deste precioso e prazeroso momento e de suas vidas comigo.

A morada de Deus e a morada do homem

Essa semana fiz um estudo bem legal com um grupo de amigos sobre João 14. No início do capítulo Jesus fala o seguinte nos versos 1 à 3:

Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.

Existe uma discussão sobre o que seria essa morada. Muitos, dentro de uma perspectiva escatológica, acreditam ser Jesus preparando um lugar físico na eternidade. Pensando em todo o contexto do capítulo prefiro crer em outra ideia. Olhando o ser humano vejo que uma das maiores carências nossa é a busca por segurança, por aceitação, proteção, intimidade … busca por moradia! Jesus demonstra possuir esse lugar: “Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai…” e faz uma promessa para o homem no fim do mesmo verso: “…e vós em mim, e eu em vós.” (V.20) Jesus encontra moradia no Pai e ambos querem fazer moradia no homem e deixar que o homem faça moradia Neles.

Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada. (v.23)

Creio que a morada que Jesus prepara está nesse novo relacionamento entre homem e Deus. Através da morte de Cristo dando ao homem um novo coração, coração pronto para ser moradia de Deus. Essa nova relação se estabelece através do Consolador: “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre” ou seja, o “Espírito da verdade”(v.17). Creio que essa era a melhor mensagem que Jesus poderia deixar para seus discípulos, mensagem de conforto, de uma nova relação e de promessa de proteção, intimidade, aceitação, segurança, em uma moradia fantástica!

Que possamos fazer morada em Deus e deixá-lo fazer morada em nós!

Abraço e até a próxima!




O Amante, o Amado e o Amor

Creio que a maioria dos problemas enfrentados por nós humanos são consequências de fraturas em relacionamentos. Todo ser humano busca amor, intimidade, comunhão, aceitação e sentimento de pertencimento. No entanto, o que vemos no mundo é indiferença, superficialidade, solidão, rejeição e divisão. Vemos isso com pais cada vez mais egoístas, imaturos e indiferentes com seus filhos. Filhos sem identidade de família, buscando intimidade em pessoas ou situações que não trazem essa identidade. Cônjuges vivendo superficialmente, sem nenhum tipo de intimidade, a não ser a física. Enquanto isso continuamos a seguir modelos falidos, vendidos pelas novelas, filmes e pela mídia e que levam nossa sociedade, cada vez mais, para um buraco cheio de carências, solidão e falta de sentido.

Como fugir disso? Para mim podemos, como cristãos, mudar nossa referência do último psicólogo que  deu sua opinião ¨cientifica¨ no fantástico ou do modo de viver do último mocinho da novela das oito para um relacionamento eterno e pleno. A trindade deveria ser o nosso modelo de relacionamento. Um relacionamento onde encontramos amor, intimidade, comunhão, aceitação e sentimento de pertencimento, ou seja, todos os antídotos para o mal de nossos relacionamentos sociais. Na trindade temos nosso Deus, o amante, na figura de um grande Pai que quer se relacionar com seus filhos em um relacionamento de amor e intimidade. Temos Jesus, o amado, na figura do Filho, um Filho pleno de aceitação, pertencimento, demonstrando tudo isso com honra e obediência a Seu Pai. Temos no Espírito Santo, o amor, a figura do cônjuge, aquele que se relaciona com o homem de forma mais intima, como uma só carne!

Creio que se conseguirmos mudar nossa referência de relacionamento para a trindade podemos transformar nossa vida, nossos relacionamentos e nossa sociedade. O que você precisa aprender com a trindade que impactaria sua vida e seus relacionamentos? Com qual das três facetas de nosso Deus trino você tem mais dificuldade de se relacionar: o Amante, o Amado ou o Amor?

Abraço e até a próxima!