Arquivo da tag: eu

humanismo versus Humanidade

É um equívoco conciliar o humanismo com o Evangelho, uma vez que não se pode pretender que o homem seja a medida de todas as coisas num universo em que Deus é o soberano criador. O humanismo é um culto aquilo tudo que diz respeito ao homem. Nenhuma corrente humanista pode ser alinhada com a Palavra de Deus,  porque o humanismo é sistêmico. É de satanás, enfim. Não há nada que permita deificar o homem e tornar o caído a referência que não seja anti-evangelho. Pô-lo neste lugar tem outro nome, pelo que saiba, idolatria.

Mas nada que tenha a ver com humanidade. Conquanto tenhamos todos sido concebidos em iniquidade, Cristo, para mim, veio também restaurar a humanidade, porque, por meio dEle, todas as coisas se fizeram novas. Imago Dei esquecido, apagado numa vida de pecado, mas que pode ser ‘redescoberto’ em Jesus. A humanidade não é sistema, mas carrega qualidade. E Jesus é homem da humanidade, é o Filho do Homem. A humanidade é, então, a relação com a qualidade de tudo o que é humano.

A regeneração está em encontrar o seu verdadeiro ‘eu’? Ninguém encontra seu verdadeiro ‘eu’ fora do encontro com Jesus. Eu só me encontro em Cristo. Fora de Cristo eu não me encontro em mim, em mim eu estou perdido. Só em Jesus encontro o meu ‘eu’. O meu ‘eu’ está tão corrompido que não sei quem sou eu. Só começo a saber quem sou eu quando em Cristo eu aprendo o que é ser um homem, o que é ter um ‘eu’, o que é ser gente, o que é amar.  E aí, do ‘eu’ de Jesus para mim, eu começo a me enxergar, a me entender e a me perceber.

 

“Não conheço esse homem”

Essa frase foi usada por Pedro ao negar Jesus. Todos os seres humanos terão de repeti-la. No entanto, ela pode ser dita em contextos bem diferentes. Pedro a usou para mostrar que não conhecia Jesus. Aquele que conhece Jesus, que caminha com Ele, e resolveu ser seu discípulo também usa a mesma frase, mas indicando não conhecer a si mesmo.  Não reconheço mais a mim mesmo! Meus direitos, meu ego, meus desejos, meus sonhos são de Cristo. A auto-negação nos leva a conhecer somente a Cristo e não mais a nós mesmos.

Então me perderei para sempre? Sim! Perderá aquele que nunca deveria ter existido! Aquele que é um falso deus! Aquele que tem suas paixões mais ocultas guardadas a sete chaves! Aquele que só pensa em si! Aquele que, hoje, é uma imagem distorcida daquele que havia de ser!

É nesse processo que  (re)nasce aquele feito à imagem e semelhança de Deus!

O mundo passa a ser dividido entre aqueles que apontam para Jesus e diz: “não conheço esse homem” e aqueles que, andando com Cristo, apontam para si mesmos e dizem: “Não conheço esse homem”.

Que Cristo cresça e eu diminua!

Abraço e até a próxima!