Arquivo da tag: cordeiro

A pergunta crucial

“Isaque disse a seu pai Abraão: “Meu pai! ” “Sim, meu filho”, respondeu Abraão. Isaque perguntou: “As brasas e a lenha estão aqui, mas onde está o cordeiro para o holocausto? ”
Gênesis 22:7

Podemos fazer tudo com excelência!
Podemos pensar em tudo!
Podemos andar na linha!
Podemos ser bons pais, amigos, maridos, esposas, filhos!
Podemos não faltarmos nenhuma reunião cristã e nem acampamentos!
Podemos seguir os mandamentos!
Podemos ter nosso grupinho de estudo bíblico!
Podemos testemunhar sobre Jesus!
Podemos ser bem sucedidos socialmente e financeiramente!
Podemos ter muitos diplomas!

Mas no fim….
a pergunta crucial ainda continua sendo a de Isaque para seu pai:

“Onde está o cordeiro?”

Abraço e até a próxima

O cordeiro que usava túnica

“Os soldados, pois, quando crucificaram Jesus, tomaram-lhe as vestes e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e pegaram também a túnica. A túnica, porém, era sem costura, toda tecida de alto a baixo.” (Jo.19:23)

Jesus estava no madeiro. O cordeiro seguiu para o matadouro como uma ovelha muda. O sacrifício sangrava num altar que tinha forma de cruz.

Ele usava uma túnica. Teria sido um presente de sua mãe? Ela era sem costura, toda tecida de alto a baixo. Os soldados lançam sorte para ver quem iria ficar com ela. Não faria sentido rasgá-la como fizeram com as vestes. A túnica tinha lá seu valor.

O cordeiro era o objeto do sacrifício. A túnica, era a vestimenta própria de um sacerdote.

No sacrifício é assim: o cordeiro morre; o sacerdote mata.

O que isso significa?

Que na cruz Jesus foi (ao mesmo tempo) cordeiro e sacerdote. Morreu e matou. Passivo como cordeiro, ativo como sacerdote.

Deus fez tudo.  Bem próprio da graça.

Nesse caso, graça sobre graça.

Um grande abraço!!!

 

filacterio

666

Vivemos em um mundo onde existem, em vários tipos de segmentos, a tentativa de copiar. Para tudo temos um “genérico”. substituir o original por algo “tipo” o original. João alerta para esse risco no seio da Igreja. Um inimigo interno, retratado metaforicamente no texto de apocalipse:

“Então vi outra besta que saía da terra, com dois chifres como cordeiro, mas que falava como dragão…

…E realizava grandes sinais, chegando a fazer descer fogo do céu à terra, à vista dos homens…

…Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão direita ou na testa,
para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome.

Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Seu número é seiscentos e sessenta e seis. ”

(Apocalipse 13:11,13,16-18)

Uma besta como um cordeiro, mas com voz de dragão! O inimigo rivalizando com o verdadeiro cordeiro – Cristo. Tentando atrair a atenção, a adoração, praticando sinais e comercializando a fé! Deixando sua marca na vida das pessoas.

O judeu era conhecido por zelar muito por um texto básico de fé, chamado “Shemá” (“ouça o Israel”), era uma confissão de fé. O texto é do livro de Deuteronômio:

“Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor.
Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças.
Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração.
Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar.
Amarre-as como um sinal nos braços e prenda-as na testa.”
Deuteronômio 6:4-8

Ame a Deus como o único Senhor!!! É a confissão básica do Judeu! Era um texto tão importante que, no verso 8, é pedido para que eles amarrem um pequeno pergaminho da confissão em umas cápsulas (chamadas filactérios) e colocassem na testa e braço/mão. Essa era a marca do judeu!!!

 

A marca da besta é uma tripla tentativa de ser perfeita (666 ao invés de 777 – número da perfeição divina para um judeu), ela deixa sua marca naqueles que deixam de olhar e se relacionar com o único cordeiro verdadeiro – Cristo! E passam a ter como marca a adoração de si mesmo ou de outros deuses genéricos. Mercantilizam a fé, amedrontam seus seguidores e tudo na base do engano!

O que você tem carregado em sua testa e em sua mão? qual é sua confissão de fé? Com que cordeiro você se relaciona?

O cristão também tem a sua marca! Amor! Amor ao Deus único e verdadeiro que nos leva ao amor ao próximo! É isso que ele leva para todo lado, como um “pequeno Cristo”!

Que possamos seguir atentos à pureza do Evangelho, lutando contra os enganos da besta!

Abraço e até a próxima!

 

O sêder de Pessach – parte 2

Continuando as ideias sobre a mesa da páscoa dos Judeus (para quem quiser o primeiro post é : O sêder de Pessach – parte 1 ), depois de relembrar a escravidão do Egito com ervas amargas e água com sal e se apegar a um novo nascimento simbolizado pelo ovo, agora o jantar continua com a lembrança da urgência, da pressa. Para isto, os judeus comiam o “matsa”, uma espécie de biscoito de água e sal, era uma comida sem fermento e que simbolizava a pressa com que tiveram que se dispor para sair da escravidão. É interessante notar o sentimento de urgência em se livrar da escravidão. Ainda hoje é fundamental termos o mesmo sentido de urgência contra a escravidão do pecado. Infelizmente brincamos muito com o pecado e com a vida de escravidão em que ele nos conduz. Precisamos hoje celebrar a urgência, tanto em nossas vidas como nas dos outros, levando uma mensagem de libertação àqueles que estão na escravidão! O mundo poderia estar diferente se aquelas pessoas livres da tirania da escravidão do pecado não estivessem adormecidas, sem entender o poder da mensagem que o libertou!

Depois do “Matsa” vem o prato principal: o cordeiro! A regra para aquele povo era consumir todo o cordeiro e aspergir o seu sangue no umbral da porta para que aquela casa fosse salva! Se a família fosse pequena deveria convidar o vizinho para que o cordeiro fosse consumido por completo! Eu te pergunto: Qual é o tamanho do seu Cordeiro? O sangue Dele está derramado no umbral de sua vida? “Este é o cordeiro de Deus ” já dizia João Batista sobre Cristo! O seu Cordeiro salvador é grande o suficiente para que você possa convidar sua família para a mesa? E os seus amigos? Lembre-se que é na casa onde o sangue foi aspergido no umbral é que há salvação! Onde a morte “passou adiante”, sem ceifar ninguém!

Por fim, os judeus tomam a última das 4 pequenas taças de vinho que são tomadas durante o jantar para simbolizar as seguintes promessas:

“Por isso, diga aos israelitas: Eu sou o Senhor. Eu os livrarei do trabalho imposto pelos egípcios. Eu os libertarei da escravidão e os resgatarei com braço forte e com poderosos atos de juízo.Eu os farei meu povo e serei o Deus de vocês. Então vocês saberão que eu sou o Senhor, o Deus de vocês, que os livra do trabalho imposto pelos egípcios.” (Êxodo 6:6-7)

Que nessa páscoa você se apegue a estas promessas! Que possamos ser povo de Deus e tê-lo como nosso Deus! Que possamos descobrir que Deus é o Senhor, que somente Nele há salvação, consolo, libertação! E que possamos desfrutar do cordeiro com as pessoas que amamos, tendo o sangue do cordeiro aspergido em nossas vidas, corações e mentes!

Feliz páscoa e grande abraço!

Um Cordeiro que cola figurinhas

Época de copa vivo sempre a mesma rotina: ganhar o álbum da copa da minha querida esposa com os primeiros 10 pacotinhos de figurinhas! Depois disso começo a me envolver em uma corrida contra o tempo para preenche-lo. Ainda estou na metade do álbum da copa de 2010.  Manuseando o álbum um dia desses estava vendo tantos rostos e algumas informações pessoais desses rostos; clube em que joga, cidade em que nasceu, data de nascimento. Estava pensando como aquele livro de figuras era algo comercial, como aqueles rostos não tinham o menor valor para mim, a não ser como uma figura necessária para completar o álbum e como aquelas pequenas informações pessoais eram insuficientes para conhecer o que estava por trás daqueles rostos!

Nessa hora me lembrei que Deus criou um livro de figurinhas e o deu para seu Filho, o cordeiro, preencher.Mas o Seu álbum é muito diferente do que eu coleciono. Cada rosto presente naquele álbum é plenamente conhecido por Ele. Rostos conhecidos em sua essência, em todos os momentos da vida, seja na alegria ou na tristeza, no choro ou na risada. Rostos de homens e mulheres que ao longo da história da humanidade se voltaram novamente para Aquele que nos criou e decidiram colocar seu nome no livro, até então, vazio. Outra diferença que posso ver para o meu álbum é que não existem figuras repetidas: você é único, assim como eu! E o álbum do cordeiro não ficará pela metade, como tantos que já tive. O cordeiro vai completar o álbum, não faltará figurinha nenhuma!

E, enquanto o cordeiro não abre o álbum completo (Ap.5), posso ter a certeza que estou colado lá,pois o Seu Espírito é a cola que me prega no álbum, mais conhecido como o livro da vida!

¨O vencedor será igualmente vestido de branco. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, mas o reconhecerei diante do meu pai e dos seus anjos¨ (Ap.3:5)

¨Vi a Cidade Santa, a nova Jerusalém, que descia dos céus, da parte de Deus, preparada como uma noiva adornada para o seu marido. … Nela jamais entrará algo impuro, nem ninguém que pratique o que é vergonhoso ou enganoso, mas unicamente aqueles cujos nomes estão escritos no livro da vida do cordeiro¨ (Ap.21:2 e 27)