Arquivo da tag: consciência

O cubo, a esfera e o cacique

Sabe aquela dor de consciência que você carrega? Aquele incômodo por ter feito algo que você sabe que é errado? Eu tenho certeza de que você sabe do que eu tô falando. Essa dor incomoda a você e a mim.

Você pode enganar todo mundo, como se dissesse que tudo está certo. O problema é quando colocamos a cabeça no nosso travesseiro e ele parece uma pedra. A cabeça dói e a necessidade não é de analgésico. Ansiamos poder afirmar como o salmista: “Em paz me deito e logo pego no sono…” (Sl.4:8), mas estamos distantes disso.

Porque do tribunal da consciência ninguém foge. Se você já conseguiu fugir do tribunal da consciência, das duas, uma: ou você é cínico ou você é psicopata. Cinismo ou psicopatia. E caso você não seja doente, a opção que lhe resta é a de cínico mesmo. É gente que já foi para tão longe da presença de Deus que a consciência já ficou cauterizada.

E não ache que o problema de uma consciência pesada é exclusivo da sociedade moderna e urbana. Todo ser humano, indistintamente, carrega esse fardo.

Certa vez, perguntaram ao cacique, por ser considerado o mais inteligente daquela tribo de índios, o que era consciência. Ele disse:

“A consciência é, na verdade, como se existisse na cabeça da gente uma espécie de cubo. Dentro do cubo existe uma esfera. Essa esfera fica girando o tempo todo. Toda vez que fazemos alguma coisa errada, a esfera bate na parede do cubo e dói. Isso é consciência. Mas tem gente que a esfera já bateu tanto na parede do cubo que quebrou as paredes do cubo e a esfera fica girando desgovernada o tempo todo e nunca mais dói nada.”

Termino lembrando a cada um de vocês que uma boa consciência não se alicerça na santidade. Seria impossível, visto que não há ser humano que não cometa seus deslizes. A boa consciência se alicerça na confissão genuína e legítima dos nossos erros. É necessário coragem para assumir as vezes que a esfera bate na parede.

E já faz um tempo que eu fico me perguntando: “Por que somos tão corajosos para pecar e tão covardes na hora da confissão?”

Que Deus nos ajude a fitarmos os olhos diante de qualquer tribunal desse mundo e dizermos como disse o apóstolo Paulo:

“Varões, irmãos, tenho andado diante de Deus com toda a boa consciência até ao dia de hoje.” (At.23:1)

Um grande abraço!!!