Arquivo da tag: britney spears

Radar

Ela acorda e liga o som. Toma banho. Vai tomar café e o rádio está religiosamente ligado na Itatiaia. Entra no carro e liga a CBN, pra ir pra faculdade já informada das notícias. Chega à faculdade, aula. Na hora de estudar, porquê não uma música? Ajuda a concentrar. Almoço. Tarde, computador e uma musiquinha ao fundo pra fazer aquele trabalho. Academia e mais som alto pra ajudar no ânimo. Casa, TV. Dormir. Silêncio? Não, ainda agitação interna. Também, pudera. Ainda que parada, por dentro ela não parou.

Tive uma experiência bastante interessante com uma música da Britney atualmente. Radar, não sei se vocês já ouviram. Mas a minha primeira reação à música foi: que música horrível (nada contra!). Mas não é que hoje me peguei cantarolando a mesma?

Não sei se vocês já perceberam como funciona o processo de lançar uma música pop nas rádios. Primeiro você escuta uma música e pensa: que coisa horrível. Da segunda vez, a mesma coisa, mas já não é tanto choque. Na terceira já passa batido. Na quarta você já nem percebe. Na quinta, está cantarolando umas partes. Na sexta já sabe de cor. Na sétima você gosta. Na oitava é a sua favorita. Lá pra décima vez, você já está ligando pra rádio e pedindo pra tocarem a sua música! Formação de necessidades: te dizem tanto que você precisa gostar de algo, que você não pode viver sem a última versão do Ipod Nano 1900Gb, que fumando esse cigarro você será um grande esportista e terá todas as mulheres do mundo, insistem tantas vezes e de maneiras tão sedutoras que acabamos acreditando.

Somos muito influenciáveis e acho que precisamos estar conscientes que a todo momento estão tentando criar necessidades em nós. Vivíamos sem Ipod, celular ou internet, mas hoje muita gente ganha muito dinheiro em cima dessas ditas necessidades nossas. Claro, algumas facilitam muito a nossa vida, mas foram necessidades criadas e sem as mesmas nós também poderíamos viver (apesar de parecer impossível hoje viver sem celular, por exemplo). Pode parecer um pouco hipócrita da minha parte dizer essas coisas, dado que estou escrevendo do meu notebook, usando a internet. Mas o que quero dizer é que precisamos ter consciência do que usamos (e de que somos usados pelas coisas também, num certo processo de reificação) e de que “temos uma vida” sem elas. E que estão querendo nos pressionar e nos vender coisas a todo o tempo, mesmo que seja somente uma idéia. Saber dizer não quando for necessário.

Nosso tempo é cada vez mais escasso. Tempo de silêncio então, esquece… Preenchemos todo o tempo que tínhamos com outras coisas. Assim como queriam que fizéssemos.

Como tem sido nosso interior? Calmo? Agitado? O quão temos sido afetado pelo ritmo e pelos interesses externos na nossa vida? Como você percebe isso no seu dia-a-dia? Eu orei por “calmaria interna”, concentração e foco num passado recente, para me livrar um pouco da pressão e do ritmo acelerado, buscando viver o que de fato importava e foi muito legal ver Deus agindo e me ajudando a superar um pouco dessa “correria”. Mas ainda tenho um longo caminho pela frente.