Arquivo da tag: amargura

“Refrigera a minha alma”

O título é parte do salmo mais conhecido das escrituras!

O salmo 23 é um convite para avaliarmos nossas vidas e refletirmos em tudo o que o Bom Pastor nos oferece ao longo da caminhada! Como ovelhas  somos bem frágeis, não enxergamos bem e temos dificuldades de entendermos o caminho. Por isso a necessidade do Bom Pastor. Infelizmente, alguns lobos, entendendo a fragilidade, se lançam como falsos pastores e atraem muitas ovelhas para fora do caminho.

Como está sua caminhada? Quem é o seu Pastor?

O Bom Pastor traz consigo a ação de refrigerar almas. O que seria “alma”? Para o povo judeu seria “o homem como um todo”. A alma ferida sofre com consequências emocionais (culpa, frustração, amargura) e físicas (depressão, compulsão, vícios). O bom Pastor quer trabalhar as feridas de nossa alma. Entendo que Deus age de 3 formas contundentes:

  1. Remove nossas culpas: O mal que nós mesmo escolhemos fazer contra nós, contra o próximo ou contra Deus tem como consequência a culpa. Em outras palavras, o pecado gera culpa. Carregamos essa culpa, tentando negar, racionalizar, diminuir ou transferir o pecado. Mas o fato é que não conseguimos nos livrar dela. Por isso, o bom Pastor age, removendo nossa culpa (1 JOÃO 1:7)
  2. Remove nossa amargura: além do pecado que cometemos por conta própria, existe também o pecado que os outros cometem contra nós. Isso gera amargura, ódio. E quem mais sai perdendo é aquele que retém a amargura, ela é uma ferida que cresce e consome a alma! Com certeza, ao longo da caminhada, nossa alma será ferida por outras pessoas! Para isso o Bom Pastor traz consigo o perdão. O perdão é trazido por Deus não de forma abstrata, mas de forma real e intensa, em uma cruz! Temos a obrigação de perdoar… para o nosso próprio bem! Ah, então fica por isso mesmo? Não! Você simplesmente abre mão da vingança, entregando a situação àquele que julga retamente, e Ele vai julgar! (Romanos 12:39)
  3. Substitui nossa tristeza: Além da culpa produzida por nós e da amargura produzida pelos outros em nós, a vida nos coloca em circunstâncias aleatórias que trazem consigo uma enorme tristeza! Perdi meu pai com 12 anos, em acidente aéreo. Perdi minha mãe há 3 anos por uma doença. Pergunta? Isso é culpa de Deus? Não! Isso são situações de um mundo caótico. Deslizamentos, terremotos, tsunamis são reações de uma natureza que “geme”, esperando ser libertada (Romanos 8). E nesse momento de grande tristeza ainda ouvimos jargões religiosos do tipo: “Deus quis assim” ou “foi melhor assim”. Não! A morte nem estava no plano original de nosso  querido pastor! Deslizamentos, furacões, tsunamis também não! Não só o homem decaiu pelo pecado, mas todo o cosmos. E, por isso, somos afetados diretamente pela aleatoriedade dos caos universal. E quando isso acontece…. tristeza! O bom Pastor, chora junto, caminha junto, carregando no colo, se necessário. Essa foi a minha experiência, uma troca de tristeza profunda por saudade gostosa e esperança… muita esperança de reencontro!

Que você possa caminhar com o Bom Pastor! Muito complicado seguir a vida com a ferida da culpa, da amargura e da tristeza bem abertas e doloridas!

Que sua alma seja refrescada por Ele!

Abraço e até a próxima!