Arquivo da tag: aceitação

Roda a roleta

Semana passada estava dando uma volta com um mercedes benz coletivo (diga-se ônibus) e estava observando um homem humilde e meio lesado pegando carona na porta do veículo. Quando parávamos no ponto o sujeito insistia em sentar nos degraus da porta e toda vez o trocador o xingava e exigia que ele saísse. Aquilo me incomodou. No próximo ponto a porta abriu e eu disse para ele entrar, o trocador começou a xingá-lo e eu me dirigi até ele com dinheiro em mãos e disse: “roda a roleta”.

Fiquei pensando um pouco na vida desse sujeito: será que teve chances? Por que era meio lesado? Por que estava pegando carona de forma perigosa no ônibus? Quando o coloquei para dentro, meu coração preconceituoso questionou se fiz certo. E se ele fizesse algo errado dentro do ônibus, o que os outros iriam pensar do idiota que o colocou para dentro?

Nesse momento me lembrei de uma passagem que gosto muito em Lucas 19, a história de Zaqueu. O cobrador de imposto odiado por toda uma cidade. Fiquei pensando que nada conseguiu mudar aquele homem. Nenhuma pressão social, nenhum dedo em riste, nenhum xingamento, nenhum tipo de humilhação pública. Nem tendo toda uma cidade contra fez com que ele mudasse seus hábitos ruins. A única coisa que o mudou foi um papo cheio de aceitação e palavras de afirmação que teve com Jesus. Esse era o método Dele ao lidar com o próximo: aceitação e afirmação! Creio que essa é a forma que devo tratar o próximo também. Principalmente aqueles que são rejeitados na sociedade. Se continuar a tratá-lo como um animal, ele se tornará um animal!

No fim daquela viagem de ônibus, ainda com conflitos em meu coração, aquele homem, que desceria no próximo ponto, chegou perto de mim, abriu um sorriso, e disse: “Deus te pague!”

Enquanto via ele descendo pensei: “Ele já pagou!”

Abraço e até a próxima!

O Amante, o Amado e o Amor

Creio que a maioria dos problemas enfrentados por nós humanos são consequências de fraturas em relacionamentos. Todo ser humano busca amor, intimidade, comunhão, aceitação e sentimento de pertencimento. No entanto, o que vemos no mundo é indiferença, superficialidade, solidão, rejeição e divisão. Vemos isso com pais cada vez mais egoístas, imaturos e indiferentes com seus filhos. Filhos sem identidade de família, buscando intimidade em pessoas ou situações que não trazem essa identidade. Cônjuges vivendo superficialmente, sem nenhum tipo de intimidade, a não ser a física. Enquanto isso continuamos a seguir modelos falidos, vendidos pelas novelas, filmes e pela mídia e que levam nossa sociedade, cada vez mais, para um buraco cheio de carências, solidão e falta de sentido.

Como fugir disso? Para mim podemos, como cristãos, mudar nossa referência do último psicólogo que  deu sua opinião ¨cientifica¨ no fantástico ou do modo de viver do último mocinho da novela das oito para um relacionamento eterno e pleno. A trindade deveria ser o nosso modelo de relacionamento. Um relacionamento onde encontramos amor, intimidade, comunhão, aceitação e sentimento de pertencimento, ou seja, todos os antídotos para o mal de nossos relacionamentos sociais. Na trindade temos nosso Deus, o amante, na figura de um grande Pai que quer se relacionar com seus filhos em um relacionamento de amor e intimidade. Temos Jesus, o amado, na figura do Filho, um Filho pleno de aceitação, pertencimento, demonstrando tudo isso com honra e obediência a Seu Pai. Temos no Espírito Santo, o amor, a figura do cônjuge, aquele que se relaciona com o homem de forma mais intima, como uma só carne!

Creio que se conseguirmos mudar nossa referência de relacionamento para a trindade podemos transformar nossa vida, nossos relacionamentos e nossa sociedade. O que você precisa aprender com a trindade que impactaria sua vida e seus relacionamentos? Com qual das três facetas de nosso Deus trino você tem mais dificuldade de se relacionar: o Amante, o Amado ou o Amor?

Abraço e até a próxima!