Sobre o papo de ir fazer as unhas

O alvoroço era total na cidade. Que delícia encontrar um bode expiatório. Todos de nós gostamos de uma bafafá aqui, um babado acolá. Uma mulher havia se rendido ao desejo e acabou se entregando para um homem que não era seu marido. Um ser humano que buscou felicidade fora da regra.

 A lei era clara: apedrejamento.

É claro que não estamos falando da Fabíola, mas talvez o que ela viveu nesse fim de 2015 tenha sido tão doloroso quanto. Aliás, quantas “pedras” você atirou quando ouviu sobre o flagrante adultério? Cada curtida, cada piada ou vídeo compartilhado, uma pedrada a mais. Já era possível ver o sangue escorrendo pelo corpo adúltero.

Matar com pedras é uma morte simbólica. Permite a todos atirarem parte de sua raiva na pessoa que cometeu o deslize. Um enforcamento só dá esse prazer ao carrasco. Guilhotinar é mecânico. Fuzilar é quase asséptico. Apedrejar é que é gostoso. Posso, pedra após pedra, ir vencendo o mal que eu vejo em mim, mas que o outro exerceu. Apedrejar é exorcizar. Com força, atiro minha pedra e acerto, de preferência, na parte que mais odeio do pecador. Apedrejar revela uma sociedade anônima de ódios com dividendos para todos os investidores.

Mas e se levássemos o caso dessa adúltera a Jesus?

Jesus era parte daquela sociedade anônima. Sua pregação e discurso sobre perdão já incomodava muita gente. A acusação é feita. Jesus parece surdo à acusação e fica escrevendo no chão.

“Quem dentre vós estiver sem pecado, atire a primeira pedra.”(Jo.8:7)

Uma frase bombástica! Apedrejar seria confessar o orgulho de se presumir acima do pecado e da humanidade. A retirada seguiu a ordem cronológica. Primeiro os mais velhos, depois os mais novos. Quanto mais idade, mais memória. Quanto mais tempo de vida, mais remorso e consciência pesada.

Antigamente, era quase que automático reconhecer-se pecador. No nosso século chamado pós moderno, tempo de autoajuda e narcisismo, há poucos pecadores e culpados. A gente quer mesmo é fazer piada e mandar o vídeo pra frente. Aqueles, inclusive, que querem reprimir o nosso momento lúdico de tacar pedras, são tachados de “estraga prazeres”!

E se a gente tacasse pedras neles, também?

Ou você nunca reparou na irônica coincidência do último versículo do capítulo 8 de João?

“Então, pegaram em pedras para atirarem nele; mas Jesus se ocultou e saiu do templo.”(Jo.8:59)

Vale lembrar que, naquela tarde, as únicas mãos que poderiam ter pegado em pedras permaneceram vazias… O perdão de Deus oportuniza a possibilidade de começar de novo!

Um grande abraço!!!

Eduardo Victor

Sobre Eduardo Victor

Mineiro de Belo Horizonte, 33 anos, cristão e missionário em Alvo da Mocidade. Apaixonado pelas Escrituras, tornei-me um sonhador quando descobri que Deus pode nos surpreender com as coisas mais simples e inusitadas desta vida...

3 comentários sobre “Sobre o papo de ir fazer as unhas

  1. Grande Edu….mais um texto espetacular.
    “Apedrejar revela uma sociedade anônima de ódios com dividendos para todos os investidores.”
    Perfeito.
    Obrigado pelo post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *