Sobre índios, Lutero e os Jesuítas

Hoje, 19 de abril, é comemorado o dia do índio. Uma cena muito emblemática que sempre me vem a mente é a pintura de Meireles, ” A primeira missa”,  pintado em 1861 e utilizado neste texto aqui. Neste quadro, vemos vários índios acompanhando a primeira missa realizada no Brasil. Quem a realizou foi o Dom Frei Henrique de Coimbra , no dia 26 de abril de 1500, 4 dias após o descobrimento (oficial) do Brasil.

primeira-missa-brasil

Fato muito conhecido por todo jovem estudante, a presença dos Jesuítas no Brasil era muito forte e marcada por figuras históricas e lendárias do porte de Padre Manoel da Nóbrega, Padre José de Anchieta e Padre Antônio Vieira.  O que muito pouco se houve falar é que a criação da ordem dos Jesuítas por Inácio de Loiola em 1534 tinha o objetivo muito claro de conter o avanço do movimento protestante dentro da igreja católica.

Em 1517, Martinho Lutero publicou suas 95 teses e as afixou na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, propondo reformas na igreja e afirmando o que se conhece hoje como “cinco solas”, ou cinco ponto principais da reforma protestante. Esta “solas” poderiam ser chamadas de as bases de outras igrejas cristãs da ordem “não-católica” e que são:

Sola fide (somente a fé)

Sola scriptura (somente a Escritura)

Solus Christus (somente Cristo)

Sola gratia (somente a graça)

Soli Deo gloria (glória somente a Deus)

 

O fato é que a nova ordem dos Jesuítas avançou muito em países recém descobertos nas Américas, e em outros países de crença orientais, tais como China e Índia, numa tentativa clara da igreja católica de catequizar os povos antes que os Protestantes o fizessem. Neste ponto, foram especialmente eficazes na América do Sul, países onde a força do catolicismo se permaneceu muito arraigado, influenciando culturalmente diversos povos de nossa região.

A ordem foi extinta em 1773 pelo Papa Clemente XIV, e retornou para a igreja em 1814 com o Pio VII.

Falaremos sobre as “solas” nos próximos posts!

Um abraço!

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *