A segurança de Babel

O ínicio da civilização humana não é digno de orgulho. Ao contrário, é bem vergonhosa. Nós tivemos a incrível capacidade de fazer Deus se arrepender de sua criação antes mesmo de chegarmos a Genesis 7. O que se segue é amplamente conhecido: Noé, dilúvio, arca, animais em pares e o primeiro fim do mundo. Era de se esperar que o homem tomasse vergonha na cara, pelo menos durante os primeiros anos da segunda chance que recebemos, mas se formos ver com cuidado a história do pós-diluvio, novamente sentiremos vergonha.

Vejamos: Noé sai da arca com seus filhos Sem, Cam e Jafé. Durante algum tempo eles habitam as montanhas onde a arca parou, ali pelos lados do monte Ararate. Depois, saíram para as planícies para o inicio do repovoamento do mundo, segundo ordem do próprio Deus. Chamaram aquele primeiro lugar onde habitaram de Sinar.

Por ali mesmo em Sinar ficaram os filhos de Noé, e para chegar onde queremos, vamos dar uma olhada na genealogia de Cam, o filho ingrato que viu a nudez de seu pai. Cam teve diversos filhos, e um deles se chamava Cuxe. Cuxe, por sua vez, também gerou vários filhos, e um deles se chamava Ninrode. Segundo o verso 8 do capitulo 9 livro de Genesis, Ninrode começou a ser poderoso na terra, tido como grande caçador. Vemos ainda que Ninrode começou seu reinado em Babel, Ereque, Acade e Calné, todas estas cidades localizadas na planície de Sinar.

Seguindo adiante na Escritura vemos em Genesis 11 que o homem iniciou a construção de uma grande cidade e de uma torre, a famosa torre de Babel. Basicamente, estas construções tinham dois propósitos: Tocar o cume do céu e criar uma identidade para o povo, afim de que estes habitantes não fossem espalhados. Foi novamente aqui, na segunda geração pós-diluvio, que recomeçamos a desafiar a Deus.

E de que forma o homem desafiava a Deus? Primeiro, o mandamento de se espalhar e repovoar a terra era claro para o homem. O homem não deveria se reunir novamente e criar uma grande civilização, pelo menos não naquele momento. Fundamentalmente, Deus queria que o homem repovoasse toda a terra. Segundo, qual o motivo para criar uma torre tão alta, que tocasse o cume do céu? Flávio Josefo, reconhecido historiador romano, em seu livro “ A História do Povo Hebreu” , revela um possível motivo ao afirmar que, verdadeiramente, os homens de Sinar temiam um novo dilúvio. A torre seria uma alternativa humana caso Deus voltasse atrás em Sua Palavra e decidisse novamente exterminar a raça humana. Era uma apólice de seguro. Ainda segundo Josefo, Ninrode foi o grande incentivador e idealizador deste projeto, conduzindo esta rebelião contra Deus em busca de poder e glória.

Me pergunto quantas vezes nós mesmos não construímos torres de Babel em nossas vidas? Quantas vezes, assim como Ninrode, temos descrença na bondade e nas promessas de Deus, e tentamos criar com mãos humanas a segurança que deveríamos buscar apenas em Deus. Quantas vezes nós tentamos evitar a “morte pelo dilúvio” acumulando dinheiro, bens materiais e todo tipo de segurança meramente secular? Quantas vezes já duvidamos que a providencia divina que nos cobre é mais do que suficiente para nos garantir um futuro repleto do amor de Deus e tentamos substituir esta fé por uma casa maior e mais alta, que nos impeça de perecer nos dilúvios do mundo? Quantes vezes não desafiamos a Deus, erguendo torres em nossa vida com o claro objetivo de dizer a  Ele que nós temos o controle de nossa existência, e que nós queremos decidir quando viver e quando morrer.

Ninrode construi a dele. Uma torre alta e que tocava o cume do céu. E você?  Construiu a sua? Qual é a sua Babel?

Um abraço!

ps- A Babilônia, tida como a mãe de todas as abominações do mundo, nasceu no lugar onde a torre de Babel foi erguida. Mas isto é assunto para outro post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *