O sêder de Pessach – parte 2

Continuando as ideias sobre a mesa da páscoa dos Judeus (para quem quiser o primeiro post é : O sêder de Pessach – parte 1 ), depois de relembrar a escravidão do Egito com ervas amargas e água com sal e se apegar a um novo nascimento simbolizado pelo ovo, agora o jantar continua com a lembrança da urgência, da pressa. Para isto, os judeus comiam o “matsa”, uma espécie de biscoito de água e sal, era uma comida sem fermento e que simbolizava a pressa com que tiveram que se dispor para sair da escravidão. É interessante notar o sentimento de urgência em se livrar da escravidão. Ainda hoje é fundamental termos o mesmo sentido de urgência contra a escravidão do pecado. Infelizmente brincamos muito com o pecado e com a vida de escravidão em que ele nos conduz. Precisamos hoje celebrar a urgência, tanto em nossas vidas como nas dos outros, levando uma mensagem de libertação àqueles que estão na escravidão! O mundo poderia estar diferente se aquelas pessoas livres da tirania da escravidão do pecado não estivessem adormecidas, sem entender o poder da mensagem que o libertou!

Depois do “Matsa” vem o prato principal: o cordeiro! A regra para aquele povo era consumir todo o cordeiro e aspergir o seu sangue no umbral da porta para que aquela casa fosse salva! Se a família fosse pequena deveria convidar o vizinho para que o cordeiro fosse consumido por completo! Eu te pergunto: Qual é o tamanho do seu Cordeiro? O sangue Dele está derramado no umbral de sua vida? “Este é o cordeiro de Deus ” já dizia João Batista sobre Cristo! O seu Cordeiro salvador é grande o suficiente para que você possa convidar sua família para a mesa? E os seus amigos? Lembre-se que é na casa onde o sangue foi aspergido no umbral é que há salvação! Onde a morte “passou adiante”, sem ceifar ninguém!

Por fim, os judeus tomam a última das 4 pequenas taças de vinho que são tomadas durante o jantar para simbolizar as seguintes promessas:

“Por isso, diga aos israelitas: Eu sou o Senhor. Eu os livrarei do trabalho imposto pelos egípcios. Eu os libertarei da escravidão e os resgatarei com braço forte e com poderosos atos de juízo.Eu os farei meu povo e serei o Deus de vocês. Então vocês saberão que eu sou o Senhor, o Deus de vocês, que os livra do trabalho imposto pelos egípcios.” (Êxodo 6:6-7)

Que nessa páscoa você se apegue a estas promessas! Que possamos ser povo de Deus e tê-lo como nosso Deus! Que possamos descobrir que Deus é o Senhor, que somente Nele há salvação, consolo, libertação! E que possamos desfrutar do cordeiro com as pessoas que amamos, tendo o sangue do cordeiro aspergido em nossas vidas, corações e mentes!

Feliz páscoa e grande abraço!

Homero Castro

Sobre Homero Castro

Nome: Homero Resende Castro Nasci em 1979 em Belém do Pará, moro em Belo Horizonte desde 1989. Sou formado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. Desde 1999 trabalho como missionário na associação Alvo da mocidade. Eu e minha maravilhosa esposa, Camila temos duas filhinhas lindonas, Helena e Elisa, e uma sapeca cadela chamada Leona.

2 comentários sobre “O sêder de Pessach – parte 2

  1. Post muito rico. Os detalhes nos levam a imaginar a história.
    Que possamos desfrutar do Cordeiro com as pessoas que amamos.
    Abraço e feliz páscoa.

  2. Muito legal as ideias e a possibilidade de conhecermos um pouco mais das tradiçoes e simbolos da nossa história, da historia do povo de Deus.

    o sacrifício do cordeiro, e todo o que representa, é algo q me toca, e que ainda quero buscar um melhor conhecimento e orar por entendimento… afinal Cristo se fez cordeiro, e isso é a maior importância da nossa crença.

    abraços Homerao

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *