Salvação do Oriente ou do Ocidente?

Hoje vou colocar lenha na fogueira! Gostaria de saber sua opinião!

O primeiro grande cisma do Cristianismo se deu com a cisão entre a Igreja do Oriente com a do Ocidente. As causas são várias e durou séculos: após o concílio da Calcedônia (451), a Grande Igreja foi identificada pelos bispos em comunhão com o imperador e o patriarca no Oriente e pelo bispo de Roma (também considerado um patriarca) no Ocidente. Os três usualmente mantiveram comunhão e fraternidade entre si.

Entretanto, por muitas razões, as tensões entre as Igrejas do Ocidente, que respeitavam cada vez mais o bispo de Roma como patriarca supremo de toda a cristandade, e as do Oriente, que respeitavam Constantinopla (o imperador e o patriarca) como centro da cristandade, agravaram-se cada vez mais nos séculos que se seguiram ao Concílio da Calcedônia. O grande cisma entre o Oriente e o Ocidente oficializou-se definitivamente em 1054 quando os patriarcas de Roma e de Constantinopla se excomungaram mutuamente.

Uma das controvérsias mais debatidas foi com relação à salvação. Os ocidentais, influenciados por uma leitura latina jurídica principalmente das cartas de Paulo, acreditam que a salvação é uma mudança de “status legal”. Com isso o homem passa a ser salvo de condenação!  Essa forma de entender a salvação nos faz priorizar os méritos da morte de Cristo. Em contrapartida, temos a visão oriental que, em sua essência, vê a salvação como deificação e não como justificação. A salvação seria um processo de identificação completa dos homens com Deus. Deus manda Jesus, sua revelação máxima, para aprendermos a imitá-lo. O fim desse processo seria a restauração do homem à imagem que foi, originalmente, criada por Deus. Seria o resgate da humanidade plena, só vista em Cristo. Para os orientais não somos salvos da condenação e sim da mediocridade! A encarnação se torna o ator principal ao invés da morte expiatória!

Encarnação ou morte?

Condenação ou mediocridade?

Vida aqui ou juízo futuro?

Pagamento de pena ou imitação?

Salvação do oriente ou do ocidente?

Gostaria de ler sua opinião!

Abraço e até a próxima!

*Ideias retiradas do post “deuses e homens” de Paulo Brabo e um estudo sobre História da Igreja que preparei há 2 anos.

Homero Castro

Sobre Homero Castro

Nome: Homero Resende Castro Nasci em 1979 em Belém do Pará, moro em Belo Horizonte desde 1989. Sou formado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. Desde 1999 trabalho como missionário na associação Alvo da mocidade. Eu e minha maravilhosa esposa, Camila temos duas filhinhas lindonas, Helena e Elisa, e uma sapeca cadela chamada Leona.

9 comentários sobre “Salvação do Oriente ou do Ocidente?

  1. Se bem entendi, eu fico com os orientais. Salvação não pode ser só da boca pra fora, tem que ser prática na vida da pessoa. Nada de mediocridade.

  2. É dificil opinar, pq seu texto é minha única base… Mas me parece que a visão oriental retira, quase que completamente, o valor do sacrifício de Cristo na cruz. Se o único intuito de Cristo na Terra era ser um mero exemplo a ser imitado, então ele morreu cedo demais… Mas é um assunto mto legal pra estudar!

    Ótimo post, Homerão!
    Abraço

  3. Acho que num dá para ficar apenas de um dos lados…

    Sei que, tanto a deificação (Aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou. I Jo.2:6) como a justificação (Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. Rm.5:1)), são totalmente bíblicas e não se excluem. Pelo contrário, elas se completam, fazendo do Cristianismo algo totalmente pleno em si mesmo.

    Pode ficar com os dois? Hehehehe…

    Abração, Homerão!!! Muito bom, seu post…

  4. Também creio que uma é inerente à outra.
    Os méritos da morte de Cristo não são uma prioridade; são uma realidade. A santificação não é a solução para sermos justificados, mas o inicio do processo de restauração da nossa humanidade originalmente criada.

    Legal o Post Homero. Bom pra refletir e pensar se estamos vivendo apenas da justificação, ou se também estamos lutando pela santificação.

  5. A impressao que eu tive tambem eh que a visão oriental não dá o valor adequado para a morte de Cristo, como sacrifício para a nossa salvação, nossa justificação. Acho que, o que se segue à justificação é a SANTIFICAÇÃO e não a DEIFICAÇÃO. Já o “resgate da humanidade plena”, a vivencia do proposito para o qual fomos criados, eu acho que vai ocorrer mesmo soh na vida eterna.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *