O retrato

Tive o privilégio de ler o livro “O retrato de Dorian Gray”, escrito por Oscar Wilde. Mostra um homem que, de certa forma, vende sua alma para que continuasse jovem, sem marcas de sua velhice e nem marcas de seus pecados. Essas marcas seriam demonstradas em um retrato recém pintado por um amigo. O retrato, inicialmente exposto na sala de sua casa, passou rapidamente para um sótão, trancado a sete chaves.  Isto porque transformações foram acontecendo no retrato: lágrima, sorriso sarcástico, olhar raivoso, mãos manchadas de sangue e velhice. Cada coisa que fazia na vida era marcada no quadro. Depois de muitos anos, em desespero, por ser jovem no meio de uma geração envelhecida e com uma montanha de atitudes, hábitos e vícios que deixaram de fazer sentido, ele tem um diálogo com um padre:

– Padre, essa não é minha face! Eu vi minha alma!

– Somente Deus vê a alma filho!

– Padre, eu vi minha alma; ela é podre, fede e é veneno!

Interessante como o autor critica sua sociedade contemporânea, onde vida de abusos e vícios eram escondidas atrás de títulos de nobreza, cavaleiros e damas! Mas, quando conhecemos a história do autor, vemos como a história pode ser vista como uma biografia não autorizada. Já que foi escrita por um homem que viveu uma vida dupla, escondendo seu quadro . Mas, mais interessante ainda, é que ela serve para nos questionar nos dias atuais. Se cada um de nós pudessemos ficar frente a frente com nossa alma- como em um quadro- o que veríamos?

O que você diria hoje sobre esse retrato?

Talvez “é podre, fede e é veneno”?

Você poderia colocá-lo na sala de visitas de sua vida, deixando todos se aproximar e avaliar?

É bom poder dialogar com um autor do século 19 e questionar minhas atitudes, meu coração, meu retrato!

E o seu retrato, como vai?

Abraço e até a próxima!

Homero Castro

Sobre Homero Castro

Nome: Homero Resende Castro Nasci em 1979 em Belém do Pará, moro em Belo Horizonte desde 1989. Sou formado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. Desde 1999 trabalho como missionário na associação Alvo da mocidade. Eu e minha maravilhosa esposa, Camila temos duas filhinhas lindonas, Helena e Elisa, e uma sapeca cadela chamada Leona.

3 comentários sobre “O retrato

  1. Sensacional o post Homero ! As idéias me fizeram pensar muito em meu “retrato”. No mínimo uma semana pensando nisso já. Abração !

  2. Muito bom o post, Homer! Acho que o meu retrato já foi muito, muito, muito feio… Mas hoje vejo que tem sido redesenhado por Deus… Não imagino outra forma de me definir, se não alguém em constante mudança.. =]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *