Quanto custa?

quanto custa?

Custa tudo, custa a vida.

Após algum tempo de vida cristã conseguimos entender que aceitamos a Cristo como nosso Salvador, mas que ainda falta aceitá-lo como Senhor, entregar de verdade nossa vida a Ele para viver plenamente como cristãos. No princípio, pensamos que a entrega das pessoas, coisas materiais e situações que vivemos vai nos custar muito, muito além do que conseguiríamos suportar. Mas só depois de um tempo percebemos que o caro mesmo é nossa entrega pessoal, nossa mente e nosso coração, nossa vida. É difícil, mas é o que Deus nos exige.

Está escrito que fomos comprados por alto preço, para deixar de honrar ao velho homem e passar a glorificar a Deus (ICo 6:20). Este preço foi o sangue de Cristo derramado, do justo pelos injustos (I Pedro 1:18,19). Agora nos cabe não somente aceitar intelectualmente a Cristo como nosso Salvador, mas também nos entregar a ele, para que faça em nós segundo sua vontade, sendo nosso Senhor (Rm 12:2).

Comecei a viver isso no ano de 2002, meses após ter aceitado Jesus como meu Salvador. Foi em um acampamento organizado pela Associação de que sou parte. Não tenho grandes recordações da turma que estava lá comigo, não foi tão divertido como pensei que seria, mas fui muito importante. Lembro-me que o Glaucon, o responsável pelas palestras naquele outubro, disse para fazermos uma cartinha para Deus entregando tudo a Ele. Resolvi não só fazer a carta, mas também fazer a entrega verdadeira, ainda que não entendesse tudo que estava ligado àquele fato naquele momento. Agora, com o tempo, tenho entendido o que aquilo significaria para mim.

Entrega

Era como se ouvisse o conselho ouvido por uma mulher em uma reunião de oração que John Powell¹ cita em seu livro “Ele Me Tocou“. Este autor é o mesmo que o Vidigal citou há algum tempo.

“Abra todas as portas e janelas de sua alma para o Senhor. Não deixe nenhum cômodo trancado, permita que ele entre e tome conta de você. A profundidade da fé que libera o poder de Deus é determinada por sua disposição em permitir que ele dirija sua vida. Eleve sua alma a Deus como uma oferenda. Entregue-lhe sua vida e seu coração.”

O fim de tudo isso, que de longe nos parece dor, na verdade é vida. É duro deixar algo, uma simples perda nos é difícil e percebemos isto pela dor da escolha que enfrentamos diariamente – para ficar com algo, por vezes, temos de abandonar outro tanto que nos parecia bom.

Há duvida, é difícil, é um processo, mas a grande verdade é que esta é a escolha a ser feita. A promessa de Jesus para nós é de vida, e vida em abundância (Jo 10:10). O que devemos fazer para experimentar, então? Entrega. Do quê? Da vida! E quanto custa? Custa tudo, custa a vida!!! E quanto vale, afinal? Vale tudo, vale a vida e mais um pouco.

¹John Powell é formado em literatura clássica – grega e latina – e inglesa, em filosofia, teologia e psicologia. É professor emérito de teologia na Universidade Loyola em Chicago.[voltar]

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

18 comentários sobre “Quanto custa?

  1. Eu como economista já adorei a primeira foto! hehe Agora vou lá ler o post…
    ***
    Acho paia vc ficar antecipando as coisas que eu quero postar amanhã!
    Nossa, muito paia mesmo! Mas eu te perdôo :)
    Que bom seria se conseguíssemos de fato entregar tudo e abrir todas as portas da nossa vida pra Deus. Evitaria tanta preocupação, stress e nos traria de fato uma vida abundante. É a única vida “de verdade”, que vale a pena mesmo.
    Obrigada pelo post!

  2. O maior problema talvez não seja a entrega em si, mas o “permanecer entregue”! Quase todo mundo já deve ter feito essa cartinha ou algo parecido com isso, muitas vezes a pessoa até entregou as coisas e a própria vida pra Deus de forma sincera… mas uma hora ou outra tomamos de volta!

    É preciso aprender a deixar entregue!

  3. Muito bom meu amigo! Creio que são poucos os cristãos que tem uma vida entregue ao Senhor e isso faz toda a diferença!!!
    Abraço

  4. Para mim, o mais difícil da entrega varia entre o entregar-se sinceramente e o completamente. Pois às vezes entrego toda a minha vida a Deus, em todos os aspectos possíveis, mas no fundo meu coração não aceita e fico apenas em palavras e intenções. Porém, quando sou verdadeira, assumo que, apesar de confiar partes da minha vida e do meu ser totalmente ao Pai, há algumas que eu não consigo ceder, ou melhor, das quais não quero abrir mão de acreditar que tenho o controle sobre elas, mesmo sabendo que Ele cuida de tudo muito melhor do que eu.

    Esse é o maior desafio da vida cristã para mim… O resto é conseqüência, pois, quando entrego algo realmente a Deus, Ele me transforma e me ajuda por meio do Espírito Santo e não há barreiras que eu não consiga transpor.

    Valeu demais pelo post Rafa! Acho que esse assunto é essencial para se ter uma vida cristã em paz e produtiva do ponto de vista espiritual!
    =)

  5. Muito bom! Tenho muita dificuldade nessa entrega… Tenho lutado pra me entregar todo dia. Mas, concordo com o Daniel, difícil é se manter entregue.

  6. Puts o que o Dk comentou é realmente um fato. Quantos de nós não tomamos de volta! Escreve sobre isso Analu!
    Não imagino um cristão que consiga viver bem sem ter passado por este processo de entrega!

  7. Achei este o melhor dos seus posts, mas juro que não é porque você me citou citando o J.P. hehe

    De fato, acho que ocorre como foi dito em 2Cr25:9 “Mais tem o Senhor que te dar do que isso [que foi perdido]”. Dando, recebemos tudo, mas realmente a maior dificuldade é permanecer entregue.

  8. Quando o assunto é a entrega, fico refletindo sobre o papo entre Pedro e nosso Senhor(pelo menos deveria ser…) Jesus Cristo:
    “Então, Pedro começou a dizer-lhe: Eis que nós tudo deixamos e te seguimos.”

    Parece que Pedro é um bom exemplo de entrega… Ele questiona Jesus sobre qual seria a recompensa… Justamente o que você fez no seu post, Rafa…
    O mais legal de tudo, é que a resposta de Jesus faz total sentido com a sua conclusão do post…

    “Tornou Jesus: Em verdade vos digo que ninguém há que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou mãe, ou pai, ou filhos, ou campos por amor de mim e por amor do evangelho, que não receba, já no presente, o cêntuplo de casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições; e, no mundo por vir, a vida eterna.” (Mc.10:28-30)

    A resposta é fantástica! Deus nos entrega tudo o que lhe oferecemos de volta em proporções infinitamente superiores… Eu não consigo entender o porquê de não ter entregue muitas coisas da minha vida a Ele…
    Grande abraço Rafa… Gostei do post!

  9. Muito boom meeesmo! Gostei muito de ler essas idéias!
    Com certeza, não há nada melhor do que entregar completamente sua vida a Deus! Super concordo também com o dk quando ele falou de permanecer entregue, afinal, eu acho que esse é o grande problema, o grande desafio pra todos nós! Porque sempre temos dificuldades na nossa vida, e muitas (pra não falar todas) acabam refletindo na nossa vida cristã, nos fazendo desestabilizar algumas vezes na nossa relação com nosso Pai. Acabamos relutando e não conseguimos nos manter entregues.
    Entregar nossa vida a Deus, é viver em paz com todo o resto! É a melhor coisa que se tem a fazer!

  10. Acho que, junto com o post do “deserto”, esse assunto é dos mais reais e mais verdadeiros na vida de todos os cristãos do mundo (e olha que eu nem tenho tanto medo de estar exagerando nessa generalização… hehehehe)

    É muito comum a gente falar em entregar-se ao Senhor, falar em submissão e crer mesmo nessa palavra, mas, na prática, ter dificuldade em viver isso, em agir conforme. Eu enxergo em várias situações essa distoância na minha fé, por exemplo, ultimamente eu tenho tido dificuldades com o sono e, algumas vezes, por ter dormido muito pouco eu oro a Deus para que o pouco tempo seja suficiente e eu consiga lidar com todas as atividades do dia, mas não esqueço do fato de que eu dormi pouco, o que acaba “induzindo” uma indisposição decorrente do sono.. Poxa, se eu pedi a Deus que o pouco tempo de sono não tivesse significado e eu creio que Ele tem poder para agir, eu deveria esquecer disso e ir fazer o que eu tenho que fazer como se tudo estivesse na mais perfeita ordem!

    Acho que as consequencias desse comportamento são todas para a gente mesmo.. A gente acaba tendo que suportar alguns pesos dos quais, se estivesse tudo entregue a Jesus, nós já estaríamos livres há muito tempo. Creio que os motivos de não entregarmos são diversos; costume, acomodação, fraqueza, apego, ambição; às vezes insegurança, medo, covardia [por exemplo, eu entendo que foi sincera a declaração de Pedro a Jesus na ceia quando ele disse que “ainda que todos neguem a ti, eu nunca farei isso”, ele acreditava estar realmente rendido ao Mestre, mas, depois, diante das circunstâncias, o medo o levou a negar Jesus 3 vezes – Mateus 26]

    No entanto, a alegria quando conseguimos entregar é indescritível, porque experimentamos, de entrega em entrega, a verdade de que o nosso retorno é, *ainda no tempo presente* (como fala em Mc 10, comentário do Vidigal), infinitamente melhor do que o que supostamente perdemos e, na vida eterna, ah, não dá nem para imaginar!

    Mas, como todos concordaram, a entrega é um processo difícil e constante, e nos resta seguir com cuidado para perceber o que ainda não foi entregue, o que tomamos de volta e buscar render diariamente toda a nossa vida a Jesus (nossa, como eu gostaria de conseguir fazer isso de verdade) e, quem sabe, entregar-Lhe inclusive essa dificuldade de tudo entregar 😉

    OBS> Preciso ressaltar o quanto tem sido bom entrar no blog e ver posts tão sinceros, nos quais vocês mostram as dificuldades e alegrias da vida cristã de forma tão real; Acho que, quanto mais nós assumirmos as nossas limitações humanas, mais conseguiremos entender a grandeza de Deus e conhecê-Lo, e ler os textos escritos aqui e as discussões que costumam sucedê-los, que mostram muitas vezes as imperfeições do escritor, que, consequentemente, muitas vezes refletem as minhas próprias, tem sido muito proveitoso para conhecer e refletir melhor sobre a minha própria fé e, principalmente, para gerar reflexões e questionamentos que evitam aquele risco de se enxergar ou buscar ser enxergado como “cristão perfeito”.

  11. Fala Rafa!
    mt doido seu post!
    eu to passando pro esse processo de entrega, e tá muito legal, mais tb mt dificil!
    e o mais doido é que a gente vê o tanto que fica mais fácil e bem melhor quando tá com Ele… entao o melhor a fazer é isso mesmo!
    valeu ai pelas palavras!
    abraçao!

  12. Rafa, sou da mesma opinião. Seu melhor post. Se entregar mais ou menos pra Deus é dizer que a gente confia Nele mais ou menos ou que pra determinada área de nossas vidas nós somos melhores administradores. A parada tem que ser integral. Bacana mesmo!

  13. Rafa, finalmente entrei aqui no outras fronteiras ver o que vocês têm feito e não me decepcionei em nada. Achei seu post extremamente profundo e verdadeiro. Me lembrou muito o versículo que alguém citou ontem, Fp 4:6, no qual tenho pensado muito. Para mim é bastante difícil entregar as coisas a Deus e não temer o que pode ser feito delas, esqueço-me com frequência que Deus não só é poderoso, mas é também bom e fiel. Obrigada pelas idéias!

  14. Edu, é mesmo, eles nos dá sempre mais do que deixamos. Lembrei do versículo que fala que quem deixar pais, irmãos, mãe, receberá 100 vezes tanto já no presente.
    Carolzinha, o que vc falou é muito verdade. É só as coisas apertarem um pouco e a gente logo esquece quem está no controle. Minha vida tem sido um jogo de entrega, toma de volta e entrega de novo, infelizmente!
    Fernanda, realmente é um processo difícil. Nossa idéia com o blog não é ensinar nada a ninguém, mas sim compartilhar o que temos pensado e vivido, inclusive as dificuldades. é bom que você e todo mundo que comentou venha aqui e deixe o comentário do damanho que quiser. é o melhor feedback que temos.
    Marcelo, é muito doido mesmo depois que vc entregou e Deus lhe prova que é mais fácil com Ele. É a única vez que eu quebro a cara e fico feliz!
    Guilherme, é entrega integral mesmo. Alguns entregam tudo de uma vez e vivem numa boa, com outras pessoas, acho que a maioria e aí me incluo, é um longo processo.
    E Julinha, fico feliz com sua visita, volte sempre. Você citou Fl e me lembrou, para aqueles que estão vivendo um processo, algo de que eu gosto muito: Fl 3:13,14 e 16!
    Obrigado a todos por ter dedicado parte do tempo para ler o que escrevi.

  15. Esse post me fez lembrar um filme: “A Última das Guerras”.
    Quem não assistiu procure assistir. Acho que para mim tem custado bem barato, perto do que custou para esses caras. Até que ponto estamos dispostos a servir a Jesus Cristo? Certamente, para muitos cristãos não havia um ponto limite. Serviram a Jesus até o último suspiro, sem dignidade, sem honra, sem reconhecimento. Estou pronto?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *