Quando algo não vai bem

“Note algo muito curioso. É o defeito que faz a gente pensar. Se o carro não tivesse parado, você teria continuado sua viagem calmamente, ouvindo música, sem sequer pensar que automóveis tem motores. O que não é problemático não é pensado. Você nem sabe que tem fígado até o momento em que ele funciona mal. Você nem sabe que tem coração até que ele dá umas batidas diferentes. Você nem toma consciência do sapato, até que uma pedrinha entra lá dentro. Quando está escrevendo, você se esquece da ponta do lápis até que ela quebra. (…) A gente pensa porque as coisas não vão bem – alguma coisa incomoda. Quando tudo vai bem, a gente não pensa, mas simplesmente goza e usufrui…”

Estse é um trecho retirado do livro “Filosofia da ciência – Introdução ao jogo e suas regras”, escrito por Rubem Alves.  Quando eu li esse texto, no meu primeiro período do curso de psicologia, achei fantástica a idéia trazida pelo autor de que nós só paramos para pensar em algo, quando este algo não vai bem.

Trouxe este tema aqui para o blog porque na semana passada, só fui valorizar uma pessoa,  parar para pensar nela, quando, por um minuto, pensei que a tivesse perdido. Permita-me contar-lhe como foi.

Meus pais tinham ido viajar e eu iria tomar conta da minha irmã no fim de semana. Poucas horas depois de eles terem saído de casa, eu estava almoçando e fui acordar minha irmã para almoçar comigo. Ela acordou normalmente, sentou-se à mesa, serviu seu prato, e alguns segundos depois disse que não estava se sentindo muito bem. De repente, ela foi ficando pálida e com o corpo mole. Corri para ajudá-la e a moça que trabalha aqui em casa também. Tentamos levá-la para o sofá, mas não conseguimos. Seguramos o seu rosto e ela apagou por alguns instantes. Chamamos por seu nome e tentamos reanimá-la, e foi um alívio imenso ver seus olhinhos abrindo e ela perguntando o que tinha acontecido.

Ufa! Nossa, levei um susto enorme! Foi apenas um desmaio devido à uma queda de pressão. Mas, depois disso, não fui na aula e passei o dia cuidando dela – o que foi um privilégio para mim, pois pude demonstrar um pouco do meu amor por ela através de cuidados simples.

Depois desse episódio fiquei pensando em como ela é importante para mim e como eu não aguentaria perdê-la. Passei a valoriza-lá mais e a apreciar mais ainda sua companhia. É muito bom ver ela feliz e com saúde, cada dia crescendo mais.

Foi assim que me lembrei das palavras de Rubem Alves.  Realmente é bom que coisas ruins aconteçam para que possamos reparar nas coisas boas. Lembrei-me então de outra pessoa que também já falou sobre isso: Tiago. Em sua carta, na Bíblia, ele diz que é importante que passemos por dificuldades, pois assim aprenderemos a perseverar e a nossa fé será aperfeiçoada.

Eu entendo que Deus nos ama tanto que ele não poderia permitir que passássemos pela vida sem nenhuma tribulação. É através delas que temos grandes oportunidades de sermos aperfeiçoados, de sairmos do modo “automático” em que vivemos e pararmos para pensar tanto no que não vai bem, quanto no que vai bem.

10 comentários sobre “Quando algo não vai bem

  1. oi carlinha! esperei ansioso pelo seu post!
    as palavras do cara sao interessantes mesmo.. doido!
    q legal q vc pode passar esse tempo com a carolzinha.. para mim eh mto legal ver a relacao d vcs.
    imagino o susto q vc levou! q bom q nao era nada serio.
    bjs

  2. eh disso que eu to falando! Parei pra pensar nas minhas dificuldades essa semana e vejo coisas mto boas, principalmente nelas tenho as oportunidades mais doidas de estar com pessoas e servi-las. Valeu pelo post Carlinha.
    bjaum

  3. Nossa Carla, eu acho que você realmente quer me fazer chorar. Haha, mas é verdade! Que gracinha você irmã! Você não sabe o quanto é importante pra mim também.. Gosto muito de passar um tempo com você! Aproveito cada minuto, mesmo sem você saber, hihi. Já te disse isso, mas não custa reforçar a ideia: muito muito obrigada por ter cuidado de mim tão bem e se dedicado tanto! Tenho muita sorte de te ter como irmã. Porque mais que isso, você é minha amiga. E uma amiga daquelas que são totalmente essenciais na sua vida! Obrigada de coração por tudo que você já fez por mim até hoje! Eu te amo demais!
    p.s.: as ideias do post ficaram muito doidas, pra variar um pouco né. =)
    Beijocas

  4. É Carlida, quando acontece algo ruim tenho dois caminhos a percorrer: pensar em algo valioso que pode sair da situação ou murmurar! Pena que muitas vezes escolho o segundo caminho!!!
    Abraço e acho muito bacana a sua relação de cuidado com a Carol que já vejo a anos!

  5. Que orgulho dessa minha amiga psicóloga!! 😀
    Adorei o post! Adoro o Rubem Alves! Muito legal essa idéia de que só reparamos nas coisas quando dão errado. Acho que poderíamos ser mais gratos pelas coisas que passam despercebidas… Coisas simples! Mas às vezes é tão automático que a gente nem lembra, elas já estão lá mesmo, como sempre…

  6. Carlinha, ficou excelente!!! Muito legal o que o Rubem Alves escreveu. Fiquei com inveja dele, queria ter escrito aquilo um dia! hehehe. COmo os outros disseram, é mto legal o relacionamento que vcs duas tem. O cuidado é uma das maiores provas de amor.

    Pensando nisso é bom que aconteçam problemas em todas as áreas de nossas vidas pra gente se dar conta das coisas.

    bjao

  7. oi amiga!
    só pra falar que o meu dia não foi bom hoje, mas foi bom não ter sido! :) lembrei mto do seu post!
    obrigada pela reflexão!
    bjos!

  8. Carlinha, assim como nossos amigos acima, também valorizo muito a relação de cuidado que vc tem com sua irmã desde que ela era pequena.
    Esse lance de só olharmos para as coisas quando não vão bem me fez pensar que, não só não reparo o que tem estado bom, como também não agradeço por estas coisas boas. Fiquei com vontade de ler Rubem Alves. Eu era muito novo quando li algum livro dele, não absorvi muita coisa.

    Bjo.

  9. Muito legal mesmo Carlinha (:
    essa frase: “Eu entendo que Deus nos ama tanto que ele não poderia permitir que passássemos pela vida sem nenhuma tribulação” é a pura verdade. É só eu parar um pouco e olhar para minha vida: os momentos em que mais cresci /amadureci foram justamente aqueles em que eu estava passando por mudanças/ momentos difíceis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *