A primeira oração de Paulo

A oração que Deus responde

Uma questão muito me intriga no cristianismo. Qual a oração que Deus responde? Em João 14 Jesus diz que é para pedirmos que ele nos atenderá. Quando li pela primeira vez comecei a pedir tudo, mas infelizmente não obtive tudo quanto gostaria de ter recebido. O apóstolo Tiago nos escreve que não recebemos porque não pedimos. E que pedimos mal, para gastar em nossos prazeres. Ah, então não é toda oração que Deus responde? Passei então a pedir apenas aquilo que iria me edificar ou que julgava necessário para mim. Então li em Mateus 6 que Deus já sabia das minhas necessidades antes mesmo de pedir. Para que orar, se Ele já sabe e já tem cuidado? Não deixei de orar totalmente, mas já não fazia os pedidos como nos primeiros tempos. Sem que escolhesse, a ansiedade tomou conta do meu coração. Neste momento vi o que Paulo disse aos filipenses – para que deixassem que Deus conhecesse seus pedidos e assim poderiam desfrutar de paz. Agora oro a um Deus que já sabe do que eu necessito e já está a trabalhar por aquilo? Sim! Eu só ganhava em relacionamento e ficava com a sensação de ter lhe entregue minha vida através da oração. Ainda assim algo que me incomodava. Será que Deus está preocupado com meus pedidos? Será que Ele quer ouvir o que tenho a dizer? Será que minhas preocupações são importantes para Deus?

Esta semana tive a oportunidade de reler em Atos 22 como Paulo descreve seu primeiro contato com Cristo e refletir acerca da oração. Ele fora preso no Templo em Jerusalém pelos judeus e levado à fortaleza por soldados romanos. Antes de nela entrar, pediu para que pudesse dirigir a palavra ao povo que o havia acompanhado no meio do tumulto. Autorizado, ele descreveu a respeito de sua fé. Sempre me chama a atenção como ele interpreta sua primeira reação diante de Cristo – quem és tu, Senhor? Que devo fazer?

Por vezes minha oração é vazia de sentido porque só eu falo, na verdade apenas vomito o que tenho para dizer a Deus. E, correndo para sair para a faculdade ou para o trabalho, “entrego” tudo nas mãos de Dele. A oração de Paulo tem me inspirado para que eu deixe de ver apenas o que eu quero e passe a considerar o que Deus quer de mim e, principalmente, quem é este Deus que quer algo de mim. Assim, verdadeiramente ganho em relacionamento ao orar. Deus deixa de ser o “Gênio da lâmpada” e passa a ser o amigo que imagino que seja meu. Paro por aqui, porque tenho aula agora e preciso conversar com meu Amigo antes de sair de casa para mais um dia vivendo a vontade do Pai.

Me conte como é seu relacionamento com Deus através da oração, compartilhe suas experiências. Até a próxima!

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

4 comentários sobre “A primeira oração de Paulo

  1. oração é uma coisa muito doida mesmo, né! hahaha
    sempre que começo meu dia com uma oração, ele se torna muito melhor! é reconfortante saber que tem alguém que realmente se interessa em saber como estamos, em qualquer situação.. que não só se interessa, mas anseia em um relacionamento cada vez mais íntimo.. no qual falamos e somos ouvidos, mas não só isso, escutamos e crescemos também!
    muito bom o texto!

  2. Ainda fico meio sem jeito com ele, mas confesso que as vezes cobro, nao por mim mas por aqueles que quero mudança. Acredito que Deus, que r que sejamos mais huumildes em pedir por nossos “irmãos”. mas estou tentando me relacionar melhor com ele. porque nada que conhecia nesta terra, se compara a presença do senhor. A verdadeira alegria, sua slagrimas descendo sem controle, Oh glória. que Deus te abençoe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *