Prática

Acordaram todos. Nenhum sabia dele. Procuraram nos lugares prováveis. Nada. Até mesmo os primeiros a se levantarem não tiverem um rastro sequer.

Ora mas onde poderia estar? Teria fugido? Não aguentado a pressão? Por que os teria abandonado se mal começara?

Todos diligentemente o procuraram. Em vão. Não o encontraram até que ele terminara sua atividade.

Assim que voltou, parecia diferente. Decidido,nem mesmo respondeu a leve repreensão por ter sumido e já foi direto ao assunto: preciso fazer isso, isso e aquilo.

Foi para isso que vim.

De onde veio tanta certeza? O que era tão importante para que se retirasse de forma tão oculta? O que valia tantas horas de sono da madrugada? (aliás, uma coisa que sempre me intrigou, como que as pessoas acordavam antes do despertador?)

Vamos ao lugar deserto.

Um comentário sobre “Prática

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *