Os Pais da Igreja – Justino Martir

Nascido na Síria Palestina, no ano de 100, Justino Mártir representa um novo desafio à Igreja nascente. O Cristianismo chegava agora aos intelectuais, aqueles extremamente envolvidos com a filosofia grega. Começa um conflito dentro da comunidade do “Caminho”: A filosofia é útil?

Ele se torna cristão através de uma experiência relatada por ele em um de seus escritos (“diálogos com Trifão”). Um encontro com um idoso, em uma praia, onde este lhe revela Cristo  e seus profetas anteriores. Justino, um homem educado em retórica, história, poesia e na filosofia estoica e platônica, se rende a Cristo.

Com isso,  passa a defender a ideia que Cristo é o primogênito de Deus e que é o Logos (segundo relata João). Segundo ele, todo o gênero humano participa desse Logos. A real filosofia aponta para Cristo.  Ele se coloca como filósofo para demonstrar e ensinar (primeiro em Éfeso, depois em Roma) que Cristo era a verdade que a filosofia procura. A Igreja poderia se valer da filosofia, do pensar… e não tê-la como inimiga.  Segundo Justino, a inimiga do Cristo eram as diabólicas idolatrias das religiões pagãs e seus falsos deuses. O confronto era da verdade contra o “mito do costume”.

Justino morre  decapitado como um mártir no ano de 165, depois de duas cartas de defesa da fé escritas para o imperador Marco Antônio (Apologia 1 e 2). Um teórico que não se eximiu da prática cristã. Que lutou por uma Igreja que pensa e que não tem a filosofia como inimiga, mas como amiga intima, já que detém a única resposta verdadeira para todos os dilemas e buscas do homem.

Que possamos pensar, sem medo…

Um abraço e até a próxima

Homero Castro

Sobre Homero Castro

Nome: Homero Resende Castro Nasci em 1979 em Belém do Pará, moro em Belo Horizonte desde 1989. Sou formado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. Desde 1999 trabalho como missionário na associação Alvo da mocidade. Eu e minha maravilhosa esposa, Camila temos duas filhinhas lindonas, Helena e Elisa, e uma sapeca cadela chamada Leona.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *