O ovo ou a galinha?

Galo de Barcelos
Galo de Barcelos

Me espanta ver o tanto que galinha é um bicho burro. De verdade. Na minha casa, temos algumas galinhas e às vezes fico lá olhando o movimento delas. E se você espalha comida no terreiro inteiro, não importa, elas se amontoam num primeiro momento naquele lugar onde caíram os últimos grãos e ficam lá se degladiando por comida enquanto tem comida de sobra espalhada. Vai entender.

Uma galinha aqui em casa acaba de “dar a luz”: um pintinho preto e um amarelinho (só não pode contar pra ela que um deles é adotado, mas também ela nem iria entender: meu pai aproveitou que ela estava chocando e encheu de ovos de outras galinhas embaixo dela). Perto daqui de casa, há alguns gaviões (não digam que eu moro no mato, vi um gavião semana passada perto do Diamond) e temos medo de que eles peguem os pintinhos. Por isso, meu pai deixa a galinha com os pequenos quase sempre presos para que eles não corram o risco, pelo menos até estarem maiores.

Mas a galinha, coitada, não entende nada. E deve ficar reclamando de ficar lá presa. Mal sabe ela que é pro bem dos filhotinhos. Mas o fato é que, quando o meu pai chega perto dela pra trocar a água ou dar comida, ela fica tão alvoroçada de medo que ele faça algo aos filhotes que às vezes chega a pisar os mesmos, machucando-os. Evitamos de chegar perto, pra que ela não se assuste mais ainda.

Eu, obviamente, não sou uma ave e estou de fora da história. Tenho uma visão que elas não têm. E acho que, maaaaais ou menos da mesma forma, Deus deve olhar pra nós também e ver o tanto que a gente é limitado. Ele tenta nos mostrar: “olha, tem comida mais além ali”. Ele vem nos dar água, cuidar da gente com todo o carinho, mas não entendemos. Às vezes nos assustamos com as suas ações mais diretas, reclamamos sem saber o porquê de tal ou tal fato que acontece conosco. Brigamos. Culpamos a Deus. Achamos que sabemos mais. Queremos tomar as rédeas e nos tornarmos “animais falantes“, que fumam, usam terno e andam como os humanos, como em A Revolução dos Bichos. Cumprir um papel em nossas vidas que não conseguiremos nunca cumprir: o papel de Deus.

Prendemo-nos a coisas pequenas, achamos que sabemos muito, mas temos na verdade um cérebro de galinha. “O meu povo cometeu dois crimes: eles me abandonaram, a mim, a fonte de água viva; e cavaram as suas próprias cisternas, cisternas rachadas que não retêm água” (Jr 2:13).  Ele quer nos ajudar a sermos menos limitados, mas nós muitas vezes não fazemos a nossa parte e trocamos uma fonte de água viva pra nos contentarmos com cisternas rachadas, que não conseguem reter água. A gente fica olhando pro chão, ciscando pra trás e bicando uns aos outros. Teimamos. Igualzinho a elas.

ana.oliveira

Sobre ana.oliveira

Ana Luíza, 21, é filha única e já fez intercâmbio. Atualmente estuda Economia na UFMG e é bolsista da Associação Democracia Ativa (dispondo de muita fofoca política pra contar ;]). Adora ler, viajar e aprender línguas. Participa de Alvo da Mocidade desde 2001, estando atualmente na Comunidade. É cristã e simpatiza com o marxismo.

19 comentários sobre “O ovo ou a galinha?

  1. aaaah….me lembra A águia e a galinha de Leonardo Boff. haha.
    nossa. Deve mesmo ser duro pra Deus ver a gente quebrando a cabeça, pisando as coisas boas q Ele nos dá, e bicando tudo e todos.

  2. Gostei do texto Ana!
    Penso que Deus deve pensar de nós o mesmo que você pensou das galinhas: que idiotas, tem tanta comida do outro lado e ele só fica bicando onde não devia. Outra coisa que pensei é que nós também não gostamos muito da proteção que Deus nos dá contra “os gaviões” da vida… Às vezes gostaríamos de estar livres no mundo, andando segundo o que o mundo dita, segundo os prazeres do mundo. Esquecemos que os princípios de Deus são para o nosso bem, para nos proteger do sofrimento, pois só Ele sabe o que é melhor pra nós. Gostei das reflexões! Valeu!

  3. ÇenÇaÇional!
    Mto bom o texto! Acho que a analogia foi perfeita – se brincar, somos até menos que uma galinha perante a infinitude de Deus, quem sabe uma ameba? rs

    PS.: senti falta das palavras “capitalismo” ou “antropologia” no seu texto 😀

  4. Achei o texto mto legal Ana! Ver que muitas vezes podemos ser “um bicho burro” como a galinha me faz refletir e querer entregar minha vida cada vez mais pra Deus. Por outro lado, as vezes é difícil admitir como é limitada a minha visão…

  5. Noh Ana também gostei muito do texto! Foi superlegal você compartilhar suas reflexões campesinas com a gente que mora na cidade.
    E foi legal também ver a segunda menção in a role de livros da época da profa. Catarina! Hehehe

  6. To lendo um livro do Max Lucado que fala extamente disso em uma parte. “Não te ensinei a andar só pra te ver cair” é o que o autor fala. O nome do livro é “Dias melhores virão”.

    bjo vru!

  7. Nossa, Ana! Adorei seu texto. Na verdade, sempre adoro os textos que leio aqui, mas quase nunca comento…
    Fato é que eu adoro analogias. Adoro ver uma situaçãozinha da vida e aplicá-la no relacionamento com Deus.
    Nesse caso, acho legal pensar que Deus vê além tb no tempo. Igual seu pai prendeu a galinha e todos os filhotes vislumbrando uma vida mais duradoura para eles, Deus muitas vezes nos coloca limtações desejando um futuro melhor para nós..
    Infelizmente, muitas vezes só conseguimos enxergar o aqui e agora.
    Daí, o cérebro de galinha.

    Muita coisa a refletir. Bom.. Não quero ser uma galinha.
    (ops.. essa frase pode ter um duplo sentido. Eh.. e vale pros dois…)
    hehhe

    Um bjo!
    (e parabéns a todos, no geral… cada post desse blog tem sua peculiaridade, mas todos fazem muito bem para mim…)

  8. Oi gente!
    Nó, não conheço esse livro do Leonardo Boff não, é bom?
    Tati, bom te ver por aqui! Lili tb! 😀
    haha fica tranquilo, Rato, meu próximo post terá pelo menos uma das duas palavras hehe
    ha ha ha “reflexões campesinas com a gente que mora na cidade”! moro no bairro estoril hehe
    bjos a todos!

  9. Muito legal a analogia, adoro analogias sobre nossa relação com Deus, principalmente com animais. E é verdade mesmo, somos tão limitados..

  10. só não gostei da sua ironia quando falou não ser uma ave…
    ah! fala pro Rato q, mesmo não tendo citado capitalismo ou antropologia, um livrinho socialista não podia faltar!! = )

  11. haha verdade, eu sou uma ave. só que não uma galinha! como fui me esquecer?
    sim sim, não é legal o galo de barcelos! o seu sobrenome deve vir de lá mesmo… 😀
    haha e o revolução dos bichos é na verdade contra o que ocorreu na URSS! mas sim, claro, tá na temática do socialismo e tal hehe
    bjos!
    hj não!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *