O empecilho à felicidade

O empecilho à felicidade está ligado à nossa falta de sabedoria em lidar com adversidades. Nossa sociedade hedonista nos ensina que o prazer é a resposta para ela.

O hedonismo surgiu com Aristipo de Cirene e, segundo ele, o único caminho para a felicidade seria a busca pelo prazer e a diminuição da dor. Posteriormente Epicuro tratou do assunto, afirmando que a ausência de sofrimento seria o verdadeiro prazer, que, por sua vez, levava a uma vida plena. Atualmente a teoria hedonista tem se fundado na ideia de que a felicidade é o oposto da dor e que o prazer é o melhor caminho para ela.

É normal que todo ser humano busque maximizar a alegria e diminuir o sofrimento. Olhando por este prisma, Jesus então teria morrido extremamente infeliz, por tudo que suportou. Talvez seja com este pensamento que alguns enxerguem hoje o cristianismo com maus olhos. Mas, para esses, preciso informar que nele temos o maior motivo de alegria que poderíamos ter, pela vida com Deus através da crença em seu ensinamento e sacrifício.

Para que pudéssemos ser felizes de verdade Jesus suportou o maior dos sofrimentos de sua época. Não foi só o físico, mas também ao olhar a multidão sem um guia e ver a miséria estampada na sociedade fragilizada pela ação humana. Ao contrário do que propõem os hedonistas, Jesus não fingiu que as tristezas não existiam, ele suportou toda a dor e reagiu a ela.

Foi exatamente neste ponto que encontrei a resposta: só consigo ser feliz à medida que aprendo a lidar com a dor. Ela vem como uma boa amiga para me mostrar algo que não está legal, principalmente em mim mesmo. Também há a dor de ver a miséria humana, neste ponto volto a Jesus e o que ele disse sobre ter vencido o mundo.

Infelizmente lidar com a dor não é nada fácil. Quando me entrego a ela deixo meu primeiro amor e tenho a tendência de voltar a buscar prazer longe de Deus. As coisas perdem sentido e deixo a felicidade de lado para voltar a buscar o prazer de fim de semana, como se ainda não O conhecesse. Esse prazer nunca me satisfez e foi por este motivo que voltei a pensar neste assunto. Olhando para minha vida após os quase oito anos andando com Cristo vejo que ter passado por longos e difíceis períodos de dor me fizeram a pessoa feliz que sou hoje. Deixo o desafio para que você se avalie e veja como tem procurado a felicidade. O desafio é o mesmo para mim, porque não quero novamente me entregar à dor, mas antes buscar a Deus como na época do primeiro amor.

Mais sobre o assunto:

Prazer de necessidade

Felicidade versus prazer

Água viva

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

7 comentários sobre “O empecilho à felicidade

  1. Muito doido, Rafa…
    Jesus não ignorou a presença da tristeza, e lidar com a dor é o nosso desafio.
    O Brennan Manning relata que a dor é o caldeirão onde somos moldados…
    Valeu pelo post, amigão!!!

  2. Mto relevante o assunto desse seu post Rafael. Sempre tive problemas com esse trem de felicidade. Mas depois q comecei a viver com Cristo, percebi q a necessidade q eu sentia desse q vc chamou de “prazer de fim de semana” simplesmente diminuiu bruscamente. Às vezes até surge a vontade, mas aí me lembro q esse tipo de prazer não me satisfaz a longo prazo, e q não vale a pena. Com Cristo tenho a tal da felicidade de uma forma pura e duradoura.

  3. Que bacana, Rafa… E belo resumo filosófico! :)
    A dor pode ser uma amiga e com certeza é nesses momentos em que mais aprendemos. Nos faz ir à raiz, questionar as coisas… E finalmente mudar.
    P.S.: Esse Tugu é o Tugu do Loyola?? :)

  4. Exatamente, Ana… É o grande Tugu do Loyola!!! Que também era parte do GVX… é esse o nome do grupo lá?
    Sei que o cara é gente boa d+…
    Aliás, grande abraço pra vc, Tugu!!!
    PS: meu comentário pareceu scrap no orkut… hehehe…

  5. Huahauhauhauhah Respondendo aos seus scraps, Edu, esse lance de ser moldado na minha vida só aparece com efeito a partir de dor, infelizmente.

    AnaLu, esse é o resumo do que tenho pensado sobre mim e meus amigos com quem me preocupo. Acho que mesmos cristãos podemos voltar a viver com o prazer de fim de semana (entre amigos cristãos, inclusive) e deixar de viver com paz.

    Tugú, na minha vida também diminuiu e após “vencer” alguns momentos de dor. Obrigado pela leitura e por compartilhar sua vida com a gente.

    Abs e bjos a todos e todas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *