Memento Mori

“Sinto vergonha de o dizer; temos mostrado demasiada fraqueza… Entretanto, de tudo aquilo de que outrem se orgulha (falo como um insensato), disto também eu me orgulho. São hebreus? Também eu. São israelitas? Também eu. São ministros de Cristo? Falo como menos sábio: eu, ainda mais. Muito mais pelos trabalhos, muito mais pelos cárceres, pelos açoites sem medida. Muitas vezes vi a morte de perto.” (II Co 11:21-23)

“Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu, na terra; portanto, sejam poucas as tuas palavras.” (Ec 5:2)

“Sometimes you think you’re untouchable. Just look behind you, you are but a man.” “Às vezes você pensa que é intocável. Olhe pra trás, você é somente um homem”. (Memento Mori, The Bastard Fairies)

Quantas vezes nos orgulhamos do que somos, do que temos, do que alcançamos. Quantas vezes nos vangloriamos de nossos feitos heróicos, da nossa perspicácia. Quantas vezes não nos colocamos diante de Deus quase que de igual pra igual. Negociamos, prometemos, irritamos a Deus com a nossa prepotência, reivindicamos, sabemos o que é o melhor pra nós mesmos.

A relação entre nós é assimétrica e nós não temos nenhuma moeda de troca pra negociar com Deus. No negociar com Deus e no mostrar o quão bom somos através do que fazemos, tentando provar sermos merecedores da graça de Deus, estamos negando a Cristo e dizendo que por nossos próprios feitos já basta. É suficiente. “Mereço o prêmio da minha consciência tranquila. Eu não fiz tudo certinho, como o Senhor mandou?”

Tudo o que temos e o que somos vem dele. Tudo nos foi dado. Paulo tinha, humanamente, do que se orgulhar, como mostra o versículo de Coríntios, mas ele mesmo diz que fala tudo isso como um insensato. Ele tinha clareza de quem verdadeiramente era, e mais: tinha muito temor a Deus, pois percebia a grandeza de Deus e agia de acordo.

Ao voltar vitorioso de uma guerra, um general romano desfilava pelas ruas com suas legiões, exibindo seu poder. Mas sempre havia um escravo atrás dele incumbido de dizer incessantemente: Memento mori, respice post te, hominem te memento! i.e., lembre-se de sua mortalidade, olhe para trás, lembre-se de que você é só um homem.

Memento mori, amig@. Coloquemo-nos nos nossos lugares. De quem você depende na sua caminhada diária: de Deus ou da sua própria onipotência, onisciência e onipresença?

ana.oliveira

Sobre ana.oliveira

Ana Luíza, 21, é filha única e já fez intercâmbio. Atualmente estuda Economia na UFMG e é bolsista da Associação Democracia Ativa (dispondo de muita fofoca política pra contar ;]). Adora ler, viajar e aprender línguas. Participa de Alvo da Mocidade desde 2001, estando atualmente na Comunidade. É cristã e simpatiza com o marxismo.

9 comentários sobre “Memento Mori

  1. Muito legal, Ana!!!
    Gostei muito da idéia do Memento mori… O mais incrível é a nossa capacidade de nos esquecermos que somos simples mortais…

    Valeu pelo post!!!
    Bjão.

  2. Muito legal Ana! Tenho dificuldade com o orgulho, ele sempre está à espreita para atuar de forma sutil em meu coração! Memento mori Homero!!!!
    Abraço!

  3. :) Também achei muito legal essa idéia. Eu sempre escutei essa música que coloque aí em cima das Bastard Fairies, mas nunca entendi o título ou o sentido da letra. Qd descobri o que era memento mori, tudo fez sentido.
    Mas é um fato, a gente esquece muito facilmente do nosso lugar.
    Bjos!

  4. Nossa, um texto super novo, diferente, para explicar uma coisa tão comum: o orgulho.
    Por melhor que seja depender de Deus, é muito difícil fazer isso na minha caminhada diária.
    Ótimo texto, Analu!

    Bjos!

  5. Muito legal seu texto, Ana! Outro dia estava refletindo e conversado com Deus, dizendo pra Ele que me sentia tão distante. Ao final da oração, acho que entendi o motivo daquela sensação, era como se Deus me falasse: “Você se sente longe de mim, porque se esqueceu que depende de mim”. Às vezes, quando acordo na correria e me esqueço de fazer uma oração, ainda que simples e rápida, peço pra Deus que coloque em mim um sentimento profundo de dependência dele pra que eu nunca me esqueça que desde as menores até as maiores coisas da minha vida precisam da presença de Deus para acontecerem da melhor forma! Obrigada pela partilha! Beijos

  6. Oi Lili! Oi Ana Paula!
    Que bom que vcs gostaram do post.
    Que Deus nos ajude a sermos cada vez mais dependentes dele!
    Bjos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *