Meios de graça: a Palavra de Deus

Quando ouvi pela primeira vez a respeito dos meios de graça, foi uma revolução para mim e isso não faz muito tempo. Então, não se assuste caso eu use uma ou outra palavra menos conhecida, porque o que importa mesmo é o conteúdo que gostaria de levar adiante.

Apenas para recapitular: os meios de graça são canais por intermédio dos quais Deus comunica sua graça conosco. OK? A graça salvadora de Deus, que o amigo Pablo conceituou tão bem dias atrás, não fica restrita ao dia que confessamos Jesus como Senhor e Salvador, mas continua nos acompanhando na nossa caminhada com Deus, contribuindo para que sejamos os homens e as mulheres que Ele gostaria que fôssemos.

O primeiro meio de graça que listei na introdução foi a Palavra de Deus. Portanto, ouvir as Escrituras é um meio de graça, a exposição pública da Palavra nos fornece graça. Claro que a leitura como disciplina individual é valiosíssima, mas cristãos que se expõe muito pouco ao ensino da Palavra em sua comunidade de fé são pessoas com menos recursos pra ter uma vida santificada. Esse quadro conduz a uma espiritualidade frágil, e é óbvio que esse cristão tem mais chance de declinar da fé, pois ele tem uma experiência empobrecida de cristianismo se ele não participa da exposição pública da Bíblia, em que há estudo, interpretação correta, oração, etc.

De onde veio essa ideia que a Palavra tem que ser pregada? O cristianismo está sempre comunicando a Palavra. “Como ouvirão se não há quem pregue?” ensina o texto bíblico. Então, por que o cristão tem que se expor a palavra pregada? Por várias razões, mas no princípio Deus criou o mundo pela Palavra, criou falando. Qual é a grande revelação da fé judaico-cristã? Que existe um Deus que criou intencionalmente o mundo e com a Sua Palavra organizou a realidade.

Veja a nossa gramática: toda frase tem sujeito, predicado e um verbo pra conectar o sujeito e predicado. O que conecta as coisas no mundo é o Verbo. Isso é uma ordem criacional e não é só gramatical. A nossa gramática respeita uma ordem, mas reproduz a ordem de como o mundo funciona. Não tenho dúvidas de que Deus está relacionando e conectando as coisas umas às outras.“Pois ele falou, e tudo se fez; ele ordenou, e tudo surgiu.” (Salmos 33:9) Desse modo, podemos concluir que a nossa experiência com a realidade é mediada por Sua Palavra, porque ela é o fundamento pelo qual Deus traz sentido ao mundo.

Chamou Adão e Eva, chamou Abraão pela Palavra, convocou Moisés pela Palavra e o deu a Palavra nas tábuas. Continuou guiando o povo pelo deserto com a Palavra, renovou o pacto com Josué pela Palavra, levantou os profetas com a Palavra, eles anunciaram a Palavra. “Pois, a lei sairá de Sião, de Jerusalém virá a palavra do Senhor.” Isaías 2:3 Neemias e Esdras leram a Palavra e o povo se arrependeu e chorou.

De alguma maneira o pecado que foi introduzido no mundo trouxe desordem e fez com a que a terra ficasse sem forma novamente, por isso Deus precisou reintroduzir o Verbo. Nós precisamos de um verbo entre o que somos e o que devemos ser.

Se renegamos a Palavra de Deus como núcleo de sentido de nossa existência, então começamos a inventar o nosso próprio sentido. A autonomia do homem.

Você quer que Deus escreva sua biografia ou você mesmo quer escrever sua biografia?

Deixar que Deus escreva sua biografia é exatamente se expor a narrativa de Deus, que é a sua Palavra. Deus precisa narrar quem Ele é pra você,  precisa proclamar a reputação dEle pra você. Não é sem razão que a Bíblia ensina sobre a sabedoria da Palavra e da Lei. A nossa experiência com a vida precisa ser mediada pela Palavra.

Qual é o ápice desta narrativa? Deus radicaliza quando decide introduzir em carne a Palavra dele no mundo. É que Deus já vinha falando, falando, mas nesses dias resolveu falar de maneira pessoal e, então, a Palavra foi dramatizada no corpo de Jesus. Olhe pra Jesus e verá a minha Palavra, ensina o Senhor. Por que o verbo se fez carne? Para conectar sujeitos e predicados.

O Filho é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do seu ser, sustentando todas as coisas por sua palavra poderosa.” (Hebreus 1:3)

Qual tem sido sua relação com a Palavra? Com que frequência você ouve a exposição comunitária das Escrituras?

Gabriel Lazarotti

Sobre Gabriel Lazarotti

Redimido pelo amor de Deus. Discípulo de Jesus que segue por este Caminho. Um sincero apreciador da criação. Pretenso poeta todo o tempo, advogado e músico nas horas vagas.

4 comentários sobre “Meios de graça: a Palavra de Deus

  1. Excelente texto amigão! Muito bom poder notar como Deus, mesmo antes de Cristo, já demonstrava sua Graça através da preparação cuidadosa e amorosa com os homens que foram levantados. Tamo junto!

  2. E se eu te falar que seu texto me encheu de vontade de mergulhar nas Escrituras?

    Sujeitos e predicados. Entre eles, o Verbo!

    Curti muito, Gaba! Só não encontrei as palavras difíceis que você disse que usaria… Acho que no seu último post (antes desse), esse recado tivesse sido mais necessário!

    Bjo grande e fica no Pai!!!

  3. Uau! Que texto incrível, Gabriel! Concordo com o Eduardo Victor, a vontade que dá é de mergulhar nas escrituras, confesso que essa leitura foi especial, meu coração se encheu de fé e gratidão a Deus!

  4. Obrigado, Pablo e Eduardo! Vocês tem sido amigos muito presentes nessa dura caminhada… Que bom que Deus permitiu que dividíssemos a mesma estrada, lado a lado.

    Obrigado, Deborah. Fico feliz que tenha gostado. O desejo é esse mesmo: querer sempre mais Palavra!

    Bjos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *