Meios de graça: introdução

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie” Efésios 2:8,9

“Pela graça sois salvos” é uma expressão bíblica muito usada por nós. E a razão é simples: para romper com uma visão romanista de salvação que incluía boas obras, a ênfase na graça precisava ser marcante. Não é que para os católicos romanos a salvação venha exclusivamente pelas boas obras, mas crêem ser uma tarefa sinergista, isto é, há duas forças concorrendo para que ela aconteça, a proveniente de Deus e a que vem do homem não regenerado que exerce fé. Contudo, os principais reformadores eram monergistas e criam que o Espírito Santo opera sozinho a obra da regeneração, abre os olhos cegos, os ouvidos surdos e transforma corações de pedra em corações de carne.

Mas o que gostaria de colocar hoje é que salvação é um pacotão de coisas que Deus está fazendo pela graça em nós. O problema é que associamos salvação somente à conversão, ou seja, muitos creem que depois da conversão não há mais atuação da graça, o que não é verdade.

Francis Schaeffer dizia que o paradoxo que explica a caminhada do cristão é a atividade passiva e passividade ativa, ou seja, essa é a sua santificação. Em certo sentido, o cristão tem que agir, mas o agir do cristão é uma ação descansada, confiante na graça de Deus. É um duplo movimento, portanto.

Então, o que são meios de graça? Graça salvadora sendo comunicada por canais de comunicação de Deus. Todo o processo iniciado no momento em que entramos na história de Deus é gracioso. Durante todo o percurso de nossas vidas nós precisamos da graça de Deus porque foi a graça que nos salvou, mas também foi ela que nos fez orar hoje, que nos inquieta para estudar a Palavra, que nos dá recursos pra resistir ao pecado, enfim. Ser cristão não é difícil, é impossível. “Sem mim nada podeis fazer” foi o que Jesus disse, então é fácil concluir que não existem boas obras fora de Cristo. Assim, Deus vai comunicando esses recursos para que nós sejamos plenamente salvos.

São meios de graça: a) a Palavra;
b) os Sacramentos (batismo e ceia);
c) a Oração.

“Canais objetivos que Cristo instituiu na igreja, e aos quais Ele se prende normalmente para a comunicação da Sua graça. Naturalmente, estes nunca podem dissociar-se de Cristo, nem da poderosa operação do Espírito Santo, nem da igreja, que é o órgão designado para a distribuição das bênçãos da graça divina. Em si mesmos, eles são completamente ineficientes, e só produzem resultados espirituais positivos mediante a eficaz operação do Espírito Santo… Eles são instrumentos, não da graça comum, mas da graça especial, da graça que remove o pecado e renova o pecador, em conformidade com a imagem de Deus. É verdade que a Palavra de Deus pode enriquecer, e nalguns aspectos realmente enriquece os que vivem sob o Evangelho com algumas das mais seletas bênçãos da graça comum, no sentido estrito da expressão; mas ela, e também os sacramentos, entram em consideração aqui somente como meios de graça no sentido técnico da expressão. E, neste sentido, os meios de graça sempre estão relacionados com a operação inicial e com a operação progressiva da graça especial de Deus, que é a graça redentora, nos corações dos pecadores.” (Louis Berkhof)

Gabriel Lazarotti

Sobre Gabriel Lazarotti

Redimido pelo amor de Deus. Discípulo de Jesus que segue por este Caminho. Um sincero apreciador da criação. Pretenso poeta todo o tempo, advogado e músico nas horas vagas.

Um comentário sobre “Meios de graça: introdução

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *