Lugares comuns

Caro leitor,

Quais são os seus lugares comuns? Os conceitos que você emprega dia-a-dia e que às vezes de tão comuns perdem o sentido original ou substituem o todo original? Os pré-conceitos que te impedem de ter contato com os conceitos? Deixo um trecho interessante para pensarmos juntos:

“Assim, ‘penso logo existo’ se tornou a única razão de Descartes ter existido, ante a qual melhor fora não ter pensado. ‘Ser ou não ser’ – eis a questão a que o lugar-comum reduziu toda a obra de Shakespeare, com a dúvida de ter sido ele mesmo o autor, ou Bacon – ao que se acrescenta o lugar-comum de afirmar: quem quer que tenha sido, foi um poeta genial a quem chamamos de Shakespeare. Nero nasceu, viveu e aconteceu, para tanger a lira diante do incêndio de Roma e depois se matar dizendo que o mundo ia perder um grande artista. Napoleão será sempre um homem com dois dedos enfiados entre os botões do colete, com representante em quase todos os hospícios do mundo. (…) Arquimedes poderia ter levado o resto da vida inteira sem tomar banho e não deixaria de ser o homem que saltou da banheira e saiu despido a gritar: ‘Eureka!’ pelas ruas ” (Lugares Comuns, Fernando Sabino, pg 16-17).

Assim como somos injustos com autores e personalidades históricas, quão reducionistas somos ao rotular pessoas e coisas à nossa volta? Quantas vezes nosso pré-conceito não fala mais alto? Quantas vezes não julgamos e rotulamos coisas e pessoas por impressões erradas ou superficiais que delas temos? Quantas vezes não perdemos oportunidades ótimas por nos prendermos a lugares comuns? Quantas vezes não espalhamos os lugares comuns que temos dos outros, interferindo na imagem que terceiros possam ter delas?

Que 2011 seja um ano em que possamos quebrar paradigmas e repensar nos lugares comuns que temos. Ver as pessoas de outras formas, ver as oportunidades de formas novas. Que 2011 coloque as nossas visões e preconceitos de pernas para o ar! 😉

ana.oliveira

Sobre ana.oliveira

Ana Luíza, 21, é filha única e já fez intercâmbio. Atualmente estuda Economia na UFMG e é bolsista da Associação Democracia Ativa (dispondo de muita fofoca política pra contar ;]). Adora ler, viajar e aprender línguas. Participa de Alvo da Mocidade desde 2001, estando atualmente na Comunidade. É cristã e simpatiza com o marxismo.

3 comentários sobre “Lugares comuns

  1. ei ana!
    Como (quase) sempre, concordo muito com o que vc falou.
    Conversando com uns amigos, eu pensei justamente na importância de se livrar dos rótulos. É quase como um ultimato: Eu sei que vc sempre teve problemas com tal defeito, então, antes que vc erre, vou te julgar e te criticar pelo erro ainda nao cometido. Perdemos a oportunidade de nos surpreender com as pessoas, pensamos “fulano sempre chega atrasado, vou marcar mais tarde”, “sicrano nunca me compreende, nao vou contar meus problemas a ele”. E se essas pessoas mudaram? E se fulano superou esse defeito? E o mais importante de tudo: e se VOCÊ fosse o instrumento usado por Deus pra mudar aquele defeito?

    Acho importante frisar que Deus não nos trata dessa forma. Imagina que horrivel seria se Deus nos tratasse baseado nos rotulos que temos? “Ah, meu filho, nao vou te perdoar, voce sempre erra nesse quesito” Estariamos todos perdidos! Espero que Deus me ajude a ver as pessoas como Ele as vê, afinal, eu também sou cheio dos rótulos…

    não vou terminar te mandando um beijo porque isso é um lugar comum. (hehe, daqueles que nao entendeu nada)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *