Lavando as redes

Há alguns dias estava lendo um texto que sempre gostei muito. Algumas idéias me chamaram atenção e gostaria de compartilhar com vocês. O texto está em Lucas 5: 1-11 e é conhecido como a pesca maravilhosa.

Primeiramente fiquei pensando na situação dos discípulos logo no verso 2: “… estavam lavando suas redes.” Os pescadores, depois de usar a rede, pendura ela esticada e a lava para tirar o cheiro e sujeira que ficaram de quando ela estava em uso. No entanto, a rede foi feita para estar armada no fundo do mar (ou rio, lagoa, etc…), fora dessa situação ela não está sendo usada com o objetivo que foi criada. O que vejo hoje no meio cristão são muitas redes estendidas e sendo lavadas, mas poucas em seu lugar ideal. Falamos muito de pesca, evangelismo, gastamos horas estudando a rede, trançando a rede, falando de locais ideais para a rede, mas ela continua lá, estendida sob o sol!

rede fora d água

Logo depois me deparo com duas ordens de Jesus no verso 4: “Vá para onde as águas são mais fundas” – uma ordem de Jesus para irmos, irmos onde o mundo foi mais fundo! O que vejo hoje em dia são instituições cristãs com as portas abertas esperando por pessoas, aglomerados nas águas rasas, onde todos são santos, onde todos são salvos. Esperando que algum peixe voador, ocasionalmente, seja capturado na rede estendida sob o sol, fora da água. Enquanto nos encontramos semanalmente para nos abraçar, trocar ósculos santos, cantar musiquinhas legais de forma litúrgica e institucionalizada, creio que a verdadeira Igreja, olhando para o que  Cristo demonstrou no evangelho e trazendo para nossos dias, está trabalhando de forma subversiva. Está mais próxima daqueles que estão onde as águas são mais fundas. Está próxima do mendigo faminto, do órfão abandonado, da viúva desamparada, do travesti humilhado, do drogado sem esperança, do jovem sem sentido com pensamento suícida, dos adultos culpados, dos idosos largados, do moderno zaqueu e do leproso aidético.Foi por aí que Cristo lançou sua rede!

Lancem as redes” é a segunda ordem, e o que vejo no meio cristão é uma terceirização de lançadores de redes, só alguns são aptos: “vou pagar para que o outro(o padre, o pastor, aquele que tem facilidade) lance para mim!”. Meu amigo, você é a rede!! Existem lugares, onde as águas são fundas, que só você poderá chegar (sua família, seu trabalho). As pessoas serão “capturadas” pela sua vida, pelas suas atitudes, pelo seu amor! Não há como terceirizar essa ordem!

rede na água

Por fim, a rendição do discípulo no verso 5: “Mestre, esforçamo-nos a noite inteira e não pegamos nada.” O esforço humano de nada serve quando se trata de pescar almas. Não há técnicas, cursos, seminários, nada. Podemos nos esforçar bastante (como já fiz várias vezes!), mas os frutos serão carnais, apodrecerão. “Mas, porque é tu quem está dizendo isto, vou lançar as redes.” Ah!! Agora sim posso me esforçar! Ir! Lançar! Agora estou debaixo da palavra daquele que realmente sabe pescar, daquele que tem um amor irresistível, daquele que conhece a alma humana nas águas fundas, seus anseios, sua fome, sua sede. Somente debaixo dessa palavra é que podemos vivenciar a pesca maravilhosa!

Abraço e até a próxima!

Homero Castro

Sobre Homero Castro

Nome: Homero Resende Castro Nasci em 1979 em Belém do Pará, moro em Belo Horizonte desde 1989. Sou formado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. Desde 1999 trabalho como missionário na associação Alvo da mocidade. Eu e minha maravilhosa esposa, Camila temos duas filhinhas lindonas, Helena e Elisa, e uma sapeca cadela chamada Leona.

7 comentários sobre “Lavando as redes

  1. Ótimo texto, Homero! Muitas vezes não nos achamos capaz de lançar a rede e fingimos que essa ordem não se aplica a gente…

    Ouvi uma música ontem que me chamou a atenção:

    I fear that I won’t have the words
    that he needs to hear.
    I pray for Your wisdom , oh God.
    And a heart that’s sincere.
    Lord I lift my friend up to You.

    A rede é lançada por nós, mas o milagre vem de Deus.

  2. Adorei o texto, Homero. Nos lavar e nos deixar ao sol secando e tal é necessário também, mas de fato isso não deve ser a constância. O nosso papel como redes é estar na água mesmo, sem vergonha ou medo do escuro das águas ou do que os peixes vão dizer de nós.
    Eu acho que preciso de mais ousadia na minha vida e de mais consciência de que não dá pra esperar, a hora de falar com as pessoas é agora, não é depois, depois pode ser tarde demais.

  3. Ae Homero, a gente realmente diz que é só pra alguns o “lançar redes”. Talvez seja influência da especialização cada vez mais exigida no mercado de trabalho, ou outro motivo, mas o que vejo e ouço com frequência são pessoas me dizendo que não são boas em lançar redes. Vejo pessoas até mesmo se escondendo por detrás de funções na Igreja para não ter de “lançar redes”.

    Valeu,

    Abs.

  4. Noh texto mt doido!
    Nós somos realmente as redes… até mesmo o lançar as redes pode ser feito por fazer… mas os peixes vão tá é no fundo!
    E doido tbm é que o lançar, ou ser a rede, vem primeiro com a nossa vida igual vc falou… temos dificuldade em falar do amor de Deus, mas falar qqr um pode falar, mas pra ser profundo nós temos mesmo q ser as redes
    Curti mt as idéias!
    abraços!

  5. Mto legal. Crítica ácida. haha Raxei dos “peixes voadores”. Cara, eu preciso realmente sair do lugar, mas não com as minhas próprias forças e sim sob a palavra dELe.

    Mas se já é uma ordem dEle pra quê esperar o “lance as redes”??

    abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *