O homem com o cântaro de água

Quinta-feira, véspera da páscoa. Os discípulos de Jesus o questionam sobre onde ele gostaria de fazer a ceia daquela noite. Ele envia dois destes com a missão de encontrar e seguir um homem que estivesse carregando um pote de água. Este homem os levaria ao local em que seria feito o jantar.

A esta altura da história, os discípulos já tinham visto Jesus transformar um pão e dois peixes em alimento suficientes para uma multidão, tinham o visto andar sobre as águas, curar cego de nascença, fazer paralítico andar… Os dois discípulos que receberam a ordem especificamente já tinham visto até mesmo Jesus se transfigurar diante de seus olhos. Ainda assim, imagino o quão estranho deve ter sido para eles entrar numa cidade do porte de Jerusalém à procura de um homem com um balde de água nas mãos. Quantas e quantas pessoas não estariam carregando potes de água?

Apesar de parecer pouco razoável a ordem, eles obedeceram e saíram em busca do local. Narra a história em Marcos 14 que encontraram o homem e o seguiram, assim como havia ordenado Jesus, até a casa de um outro homem. Eles questionaram o dono da casa sobre onde deveriam comer a páscoa e, também como havia dito Jesus, lhes foi mostrado uma ampla sala no andar superior, toda mobiliada.

Quantas e quantas vezes Deus tem nos mandado seguir o homem com o pote de água nas mãos? Muitas destas vezes tenho sido desobediente a esta ordem por julgar pouco razoável o que Deus quer de mim. Nesta noite os discípulos comeram com Jesus e tiveram a oportunidade de desfrutar de um excelente tempo ao lado dele e uns dos outros, como está narrado nos capítulos 13 a 17 do evangelho de João. A noite memorável ficou conhecida entre nós até hoje como a noite da Santa Ceia.

The Last Supper Restored, Leonardo Da Vinic

Quanto teriam perdido os discípulos se não tivessem obedecido a ordem e ido atrás do homem com um pote de água? O que temos perdido nós quando deixamos de ir ao encontro do que Deus quer que façamos? Minha oração hoje é para que tenhamos mais fé em Deus, por mais estranho que seja seguir seu caminho e não aquilo que parece lógico aos nossos olhos e aos olhos daqueles que nos cercam. Que os homens com cântaros de água nas mãos nos levem a lugares nunca antes imaginados na vida cristã.

Forte abraço e até a próxima terça-feira.

Estas ideias são fruto da meditação do amigo Alberto Miranda na sua leitura matinal diária do livro de Marcos. Amigo este com quem pude ter poucos, mas excelentes momentos de bate-papo na semana que se passou em Ribeirão Preto.

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

Um comentário sobre “O homem com o cântaro de água

  1. Que sensacional pensar nisso, amigão!

    Espero que Deus me ajude a ser obediente e cumprir com aquilo que Ele deseja, mesmo que aquilo seja um tanto quanto estranho aos meus olhos…

    Grande abraço e valeu pelo post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *