Estudo de Namoro

Nesse último feriado, tivemos estudo de namoro aqui em Brasília. Cerca de 20 jovens reunidos com as Escrituras abertas, desejando discernir como poderíamos agradar a Deus com a nossa sexualidade. Falamos sobre vontade de Deus, pureza moral, namoro, casamento… O assunto é sempre de total interesse para cada jovem que participa do estudo.

Não foi a primeira vez que dei esse estudo. Aqui em Brasília, sim! Mas já havia feito várias vezes em BH com diversos grupos. O que foi novo dessa vez, foi o pensamento que me ocorreu no final do estudo. Houve uma época da minha vida (não muito distante) em que eu duvidei e questionei cada um dos princípios desse estudo. Eu estava incrédulo. Lembro-me do estudo de namoro que aconteceu, por exemplo, no final de 2013 com uma turma em Belo Horizonte, em que eu falava sobre todos estes conteúdos sem acreditar neles! Ninguém sabia disso, mas a sensação é a pior que existe. Eu parecia (ou talvez estava sendo mesmo) um grande hipócrita.

Era uma fase da minha vida em que eu estava em crise. Abandonara algumas convicções. Lembro-me de sentir Deus dizendo coisas do tipo: “Muito legal o estudo, Edu! Porém, estou torcendo para chegar o dia em que você vai voltar a crer em tudo o que está ensinando.”

Deus foi paciente comigo. Ele me esperou voltar. Permitiu que eu vivesse a crise, mas sempre desejou que eu voltasse.

Na crise é sempre assim… Alguns princípios que antes eram inerentes, são abandonados. Ou pelo menos deixados em “stand by” por um tempo.

Foi simplesmente sensacional poder perceber meu coração totalmente mudado diante deste mesmo estudo aqui em Brasília. Ninguém sabia disso, mas a sensação era a melhor que existe.

Quais princípios você já viveu um dia, mas abandonou durante sua caminhada por alguma razão?

Você já sabe pelo quê Deus está torcendo, né?

Um grande abraço!!!

Eduardo Victor

Sobre Eduardo Victor

Mineiro de Belo Horizonte, 33 anos, cristão e missionário em Alvo da Mocidade. Apaixonado pelas Escrituras, tornei-me um sonhador quando descobri que Deus pode nos surpreender com as coisas mais simples e inusitadas desta vida...

6 comentários sobre “Estudo de Namoro

  1. “desejando discernir como poderíamos agradar a Deus com a nossa sexualidade”.
    Pois é, talvez o problema todo de sexualidade no cristianismo seja esse, achar que Deus se preocupa com isso. Talvez se a preocupação fosse como agradar seu parceiro(a) e não Deus seria muito mais fácil lidar com a sexualidade.
    Sexualidade já um tema complicado sem deus na jogada, mas ai vem a religião fazer o que faz de melhor: atrapalhar.
    Abraços!

  2. Heheheheheheheh! Tô rindo de você aqui, amigão!

    O fato é que Deus, certamente se preocupa com cada detalhe da sua vida, mesmo que você não perceba ou concorde. A sexualidade é uma delas, inclusive.

    Quando eu olho para a minha história, pensando que conheci Cristo aos 17 anos, percebo que Ele vem me ajudando a lidar com isso de maneira paciente e amorosa. Difícil era lidar com isso sem Ele, Sevalho.

    Mas eu te entendo, quando você critica a religião! Acho que até concordo contigo… Porque uma relação genuína e honesta com Cristo muitas vezes se confunde com religião, mas são coisas bem diferentes uma da outra…

    Por falar nisso, nem sei como anda essa área da sua vida… Tu tá namorando atualmente, amigão?

    Grande abraço, Arthurzão!!!

  3. Tá rindo né, irmão?
    Primeiro, quem disse que Deus se preocupa com isso?

    Segundo, você é muito sortudo que Jesus te ajudou com sua sexualidade, porque eu conheço um monte de gente que ele atrapalhou e muito. Se você não conhece procura um pouco que vai encontrar vários!

    Terceiro, é engraçado que vocês não se consideram religiosos. Meu caro, ter amigo imaginário (isso que você chama de relacionamento pessoal com Cristo) se chama “religião”. Veste logo a camisa e fala que é religioso mesmo! Pega menos mal. Quando fala que não é religião fica parecendo que tá tentando disfarçar entendeu? Que tem vergonha do cristianismo. Não te culpo se tiver.

    Grande abraço, mestre!

  4. Se ser cristão na sua analogia é vestir a tal camisa, não preciso negar que estou com ela e já faz mais de década.

    Vergonha, Sevalho? Não mesmo… Foram nos primeiros dias de vida cristã que lembro-me de ter sentido isso por causa da minha fé. Acho que fruto de uma imaturidade boba e distante.

    Você não jogou fora a sua camisa não, né?

    Eu me lembro bem do tempo em que você andou vestido, amigão!

    Há de chegar um dia em que você vai olhar para ela e se arrepender do tempo em que permaneceu sem ela. Nesse dia, o nosso “amigo imaginário” vai estar do seu lado dizendo que ainda há tempo para recolocá-la, Sevalho. É muito amor, Arthur. Por gente como eu e gente como você…

    Enquanto você fica sem camisa, Ele certamente vai esperar você crescer, amadurecer e descobrir realidades. É quando abandonamos a fase infantil que as coisas do nosso “mundo imaginário” ficam para trás. Com alguns demoram mais…

    Grande abraço pra você, amigão!

  5. fase infantil?
    hahahaha
    “É quando abandonamos a fase infantil que as coisas do nosso “mundo imaginário” ficam para trás. Com alguns demoram mais…”
    escreveu pra vc mesmo? 😀
    Grande abraço!

  6. Será que o sevalho quer dizer: tem uns que querem dar a b7$;42 e não podem? Podem sim, a liberdade eh um princípio cristão. Mas ficar com mi mi mi eh coisa de idiota! Saia da igreja e vai dar a b56&83…. Qual o problema? :smile:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *