Divergente

Hoje, nos cinemas, a ficção dirigida por Neil Burgerme chamou me muito a atenção. No futuro abalado pelas guerras, o filme Divergente retrata um novo modelo de sociedade que surge com a promessa da paz universal. O homem é filtrado, quase um novo ser, e fica o bom para que o mal seja encoberto, abafado, escondido, mentirosamente erradicado. O ser humano é sinônimo de desordem, do mal que afeta toda a existência.

O mundo está dividido em em cinco facções: franqueza, abnegação, amizade, audácia e erudição. Pessoas não apenas rotuladas mas também restritas dentre as virtudes por suas habilidades, talentos e características. Pessoas que precisam se encaixar em uma delas, ou estão excluídas da sociedade.

Surge o personagem Divergente, a ameaça da sociedade, é aquele que não se encaixa, não se rotula, não pode se restringir a uma facção, ele pode ser abnegação, amizade, audácia, franqueza e erudição. Ser tudo é uma ameaça para os incompletos.

É claro que falamos de um filme secular, mas, inevitavelmente, fiz a comparação.

Eis o retrato dos homens:

Necessitados de se encaixarem, de encontrarem um rótulo que os defina, que os inclua na sociedade. Um rótulo que promete paz mas que por si mesmo é o conformismo ao incompleto. Homens cegos para a diversidade que completa ao invés de dividir. Homens que encontram no completo o inimigo, ao invés de torná-lo amigo. Fizeram guerra pela paz universal, a paz da divisão, uma renúncia a paz da plenitude. Tomaram o caminho errado, se dividiram, se rotularam, fortaleceram-se na individualidade, tornaram piores ou melhores, mais ou menos necessários. Fecharam os olhos para a unidade, o relacionamento & Mataram o divergente.

Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível. (Rm 1:21-23)

Lari

Sobre Lari

Nome: Larissa Martins Mendes. Belo Horizonte, 1992. Hoje, aos 22 anos de idade é estudante de Letras Inglês na Universidade Federal de Minas Gerais & dedica seu tempo trabalhando com o ministério para jovens, Alvo da Mocidade, com o enorme amor que tem por eles e pelo Evangelho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *