O Deus que é relação

Na terça-feira da semana passada compartilhei aqui minhas impressões a respeito de Deus e da sua característica própria de ser alguém relacional. Confirma minha tese o fato de que já no início da Bíblia (como escrevi anteriormente) Deus dizer que não seria bom que estivessem sós – no plural, os três. Tenho meditado muito a respeito deste assunto. Conversando com um amigo há alguns dias, ouvi uma pequena metáfora que gostaria de repassar a vocês.

Acompanhe meu caso e veja com sou injustiçado. Um dia tive uma namorada que se chamava Jesusa. Éramos felizes, mas com o tempo me cansei dela. Apesar de me amar, ela não estava a minha disposição todo o tempo com ânimo voltado para satisfazer meus desejos. A relação foi ficando ruim e acabei por abandoná-la gradualmente. Com o tempo, vi que começava a me relacionar de maneira duradoura com outra garota. Mas esta nem de longe se parecia com Jesusa. Ao que eu resolvi voltar para minha amada. Tentei reatar o relacionamento de maneira natural, mas estranhamente ela não estava muito disposta a namorar comigo. Jesusa estava decidida a querer o relacionamento comigo apenas se este fosse através de um compromisso sério da minha parte, nada de só “ficar”. Para minha surpresa ela queria, na verdade, que eu terminasse meu romance com a outra garota. Agora, se coloque no meu lugar: Jesusa exige de mim fidelidade e não aceita que eu tenha um namorinho qualquer com ela. É muito difícil!!!

Esta pequena história reflete o que se passa muitas vezes no meu coração. Quero viver com Cristo, mas o trato como se fosse uma mulher que aluga o corpo nas noites das grandes metrópoles do mundo.

Talvez o exemplo seja pesado e você não se identifique com ele, por isto pensei em outro enquanto fazia meu cooper hoje. Deus, como bom amigo que é, nos chama para nos divertir com ele na rua com aquela velha brincadeira de criança conhecida por “pique-esconde” ou, como costumávamos denominar na minha infância, “pegador-de-esconder”. Acontece que ele quer saber se não vamos fazer como na noite anterior e, no lugar de esconder para sermos encontrados, irmos cada um para sua casa e deixá-lo nos procurando sozinho na deserta rua à noite. Sim, ele fica chateado, mas ainda quer brincar. E me vejo sempre o abandonando quando canso de tudo no fim da noite.

Gostaria de deixar a mensagem que tem falado ao meu coração. Jesus nos convida para nos “divertir” com ele todo o tempo sendo cristãos, mas ele não quer apenas “ficar” comigo ou com você, ele quer um relacionamento profundo, sério, duradouro e pessoal com cada um de nós.

Agradeço ao amigo Recif por estas e tantas outras edificantes reflexões.

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

2 comentários sobre “O Deus que é relação

  1. Muito bacana o post! Vejo que muitas vezes me divirto com Jesus, mas quando me canso vou para a minha casa viver a minha vida, sem ele. Importante lembrar que ele quer um relacionamento sério e eterno, como um casamento! =)

  2. Oi Sula, o que acho mais difícil nesta história é lembrar disto todo dia e não me deixar levar pelos padrões de relacionamento do mundo, como o Homero colocou num post dele esta semana.
    Obrigado pela leitura e por registrar seu comentário!!! :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *