O cuidado com ele

Início de verão, estava de partida por um tempo para distrair um pouco, sem saber até quando. Achei por bem deixar com você o que tinha de mais precioso – um Sabiá. Não qualquer sabiá, mas O Sabiá. Sabiá-verdadeiro, ele vinha de longe, raro, e entoava com alegria aquele canto que sempre foi só seu. Bonito, com suas penas meio cinzas e o peito num dourado maravilhoso. Não sei de onde, nem como, mas ele vinha – toda manhã aparecia na beira do fogão de lenha da cozinha nos fundos de casa. Comia e bebia, cantava e cantava. Quem melhor do que você para tomar conta dele?

E fui tranqüilo para longe dali. Após um tempo, antes que pudesse imaginar, estaria de volta. E quão grande surpresa ao ver aquela cena no quintal da minha casa. Você não bateu no Sabiá, não exatamente. Não gritou com ele. Não lhe tacou pedras com estilingue. Outros pássaros até surgiram, e você não lhes deu atenção, queria mesmo o Sabiá! Apesar de tê-lo ali todo dia você ficou triste. Depois apavorado. Quis protegê-lo. E o fez da maneira mais traiçoeira possível. Armou-lhe uma arapuca e atraiu o pobre Sabiá com as sementes do Amazonas de que ele tanto apreciava, as mesmas sementes que ficam velhas no canto da jaula em que você o colocou.

Sem voz, magro, encostado num canto, triste, lá estava ele: o querido Sabiá, preso numa gaiola. Sei do seu cuidado, mas o que, afinal, você pensou que faria de bem a ele e a mim o aprisionando? Seu brilho estava, como deveria saber, justamente no fato de ser livre… e a beleza dele se foi junto com sua vontade de domesticá-lo, controlá-lo e fazer dele de maneira tão egoísta alguém que só servisse a você.

Sabiá é o nome carinhoso praquele que as pessoas lá fora de casa costumam chamar de relacionamento . Sem saber ao certo como, algo que ia tão bem se transformou em algo de que continuo a gostar tanto, mas que me causa tamanha tristeza…

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

Um comentário sobre “O cuidado com ele

  1. sensacional, rafa!!!

    me entristeco ao ver relacionamentos onde as pessoas se engaiolam. a beleza está no fato de ser livre, e a prisão causa enorme tristeza!
    oro pra que meus relacionamentos sejam cada vez mais parecidos com o amor que Deus tem por nós, onde não existem amarras e o canto é livre! e, apesar de (e por ser) livre, é tambem extremamente necessário.

    obrigado por termos uma amizade livre! e que, por causa disso, gaiolas não a impedem de crescer…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *