O choro de Jesus

Quanto sofrimento passamos nesta vida. Quanta coisa ruim. Impossível imaginar uma vida sem Cristo. Mas e quando somos acometidos de alguma tragédia ainda sendo cristãos?

Já me questionei muito em relação às intenções de Deus para comigo diante do sofrimento. Parece que Ele não quer fazer nada para aplacar a dor, visto que ele pode tudo.

Quando volto para a Bíblia vejo em Jesus alguém que se preocupa com o outro, que sente e que sofre junto. Foi assim com a dor de Maria, Marta e do seu amigo Lázaro.

Eram três irmãos que tinha uma amizade muito profunda com Jesus. Maria e Marta, certo dia, mandam mensageiros a Jesus para que ele os visite porque Lázaro estava doente. Jesus estava atarefado e não pôde ir no momento que soube da enfermidade. Quando finalmente chegou à Judeia, Jesus foi informado do falecimento de seu amigo. As esperançosas Marta e Maria sabiam da ressurreição dos mortos num futuro, mas ainda estavam profundamente tristes pelo ocorrido. Jesus, tal como elas, também entristeceu-se por Lázaro ter sofrido os males da doença e ter morrido. Ele então o ressuscita. O que chama atenção na passagem de João 11 é o menor versículo da Bíblia – “Jesus Chorou” (vers. 35).

Jesus tem sentimentos e se preocupa com a vida de seus amigos. A relação de Marta, Maria e Lázaro com Jesus vai muito além de um pedido de auxílio. Talvez por isto a tristeza.

Deus não é responsável pelo mal no mundo e não faz mal a ninguém. Estamos diante do caos, em que muita coisa está fora do seu lugar planejado por Deus. Não quero com um pequeno post resolver o mistério milenar de quando, como e porque Deus age. Quero hoje, um dia triste para alguém, somente o lembrar de que nosso amigo Jesus tem se preocupado com a situação presente e tem chorado junto.

Que este mesmo Jesus aplaque nossas dores na adversidade, amém!

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *