Brigando com Deus

Existem algumas fases em que tudo quanto pedimos a Deus Ele nos concede. Mas, como disse, são fases. É relativamente normal que Deus não nos atenda em todas as nossas solicitações e até conseguimos lidar bem com esta realidade. Há fases, no entanto, em que começa a ficar incompreensível a maneira com que nos sentimos mal tratados por Deus. A ausência de resposta por período prolongado passa a ser acompanhada por muito sofrimento. A conversa com o Pai deixa de ser prazerosa como antes e passamos então a interpelá-lo na ânsia por respostas aos nossos questionamentos. O maior exemplo de alguém que brigou com Deus, segundo penso, é Jacó (Gênesis 32).

Ele, com ajuda de sua mãe, roubou de seu irmão Esaú seu direito de primogênito para ganhar os vastos direitos de primeiro filho. Por medo de vingança, fugiu. Na estrada teve de dormir no chão usando por travesseiro uma pedra. Foi morar junto com seu tio Labão. Passou sete anos trabalhando para ele para conseguir casar com Raquel, sua filha. Foi enganado e teve de se contentar com Lia, sua irmã, e com a ideia de trabalhar mais sete anos em troca da mulher amada. Labão tentou de todas as maneiras diminuir os ganhos auferidos com o trabalho. Decidiu então fugir de volta para sua terra natal. Foi perseguido por seu sogro pelo caminho. Antes de chegar ao destino final teve de enviar mensageiros a seu irmão para que fosse aceito por perto sem a temida vingança. Foi neste momento, em uma noite solitária, que brigou com Deus. Analisando a situação e pensando nos detalhes imagino que Jacó tinha muitos motivos para ter esta briga. Ele passou toda aquela noite acordado lutando contra Deus e pela manhã foi finalmente abençoado.

No último ano também briguei muito com Deus. É só ver meus “posts-desabafo” para ter ideia do que passei (“ore por mim”, só um exemplo). Tive muitas e muitas razões para ter essas brigas. Hoje consigo ver o quanto Deus me queria bem e quanto cresci, apesar de tudo. Vejo que também foi assim com Jacó. Em meio a tanto sofrimento, o caráter dele foi completamente transformado. Teve o nome mudado para Israel e deixou de ser o garoto astuto e enganador para se transformar no pilar da descendência do povo judeu. Deus não lhe poupou a dor, antes fez dela espaço para promover o crescimento em sua vida.

Dedico este post ao meu amigo que hoje também luta com Deus.

 

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

7 comentários sobre “Brigando com Deus

  1. Nossa, Rafa!
    No momento tô nessa luta com Deus, viu. Na verdade, tô matando [qse um homício triplo-qualificado..hehe] a minha carne bastante, e parece q qnd tá td bem, ela se levanta como um monstro [tipo aqles das meninas superpoderosas, sabe?! rs] pra tentar me derrubar.

    Mas, isso me deixa feliz. Isso mesmo! rs
    Afinal, Deus se faz forte na minha fraqueza (2 Co 12:10). E é bacana demais perceber isso! Jesus é lindo mesmo!! =)

    Ps.: Esse post me lembrou mto tb 2 Co 4. Tô meditando nele essa semana.

    Com Deus aí!

    Abç

  2. Eu acho que eu brigo com Deus porque fico resistindo às transformações que Ele quer fazer em minha vida. Ele mais do que ninguém quer me transformar, mas eu muitas vezes continuo resistindo. Se eu permitir, Deus vai transformar o meu caráter pra que eu transpareça o caráter Dele. Creio que é isso que Ele quer. E essa é a minha grande luta.

    Legal o post Rafa. Tamo junto nas lutas da vida.

    Abraço

  3. Oi! Gostei muito do seu post! Me sinto assim muitas vezes “de mal” com Deus. Acho que isso faz parte de qualquer relacionamento, tenho aprendido que preciso ser sincera com Ele, às vezes lhe digo: “Deus, hoje eu não quero falar com você”; “Deus, eu não te entendo”; “Deus, eu não quero o que você quer”; “Deus, me deixa em paz”… São momentos preciosos de desabafo, humanidade, sinceridade que Ele escuta, à vezes ri, às vezes me corrige… Claro que sempre acabo de rendendo, “perdendo” as brigas com Ele, abaixando minha cabeça… Só não posso esconder minhas incompreensões, meus medos, minha solidão, minha dor, minha frustação… Deus precisa saber o que estou sentindo, não há como esconder dele e nem de mim mesmo… Obrigada por tudo o que escreveu e por tudo o que você está vivendo para conseguir escrever essas coisas! Beijos!

  4. oi gente. esses momentos de luta são grandes quebras de paradigma na minha vida. é bom saber que Deus não está satisfeito com minhas imperfeições e tem me transformado a cada dia.
    Esse versículo de 2 Co 4 é muito legal, tinha me esquecido dele.
    Faell, valeu pelo apoio irrestrito em todos esses momentos de luta.
    Ana Paula, quando pensei em escrever este post me veio à mente exatamente esta parte de não esconder minhas questões como se elas não existissem, mas sim resolve-las.

    abs e bjo e todos. valeu.

  5. Faço das palavras do Fael as minhas!

    Tá aqui um versículo que falaram pra eu ler uma vez que brigava dia e noite com Deus:

    Rm 8:28 – “Todas as coisas cooperam para o bem dos que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo seu propósito”

    Abraço e muito obrigado! 😉

  6. Brigar com Deus… Acho que perdi as contas de quantas vezes eu fiz isso.
    Sinto que fui sendo levado para uma relação honesta e transparente com Deus, exatamente como descreveu a Ana Paula…

    Valeu pelo post, Rafa!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *