O boi

O rebanho pisa o pasto, a grama que ele mesmo come. Não se importa com o açoite; manso recebe o castigo sem assimilar. O rebanho não pensa, mas apenas anda quando tocado. Não toma conhecimento do cercado e engorda sua carne pro dia de matadouro.

 

 

 

O rebanho come o pasto, na ciência que lhe é dado. Sem se preocupar com o do dia outro, visto ser tudo de graça. Manso porque anda o caminho pelo simples de ser tocado, no passo do berrante. Não toma conhecimento do cercado, eis que o arame faz parecer um tanto quanto questão de referencial. Engorda pro dia do matadouro, porque dar-se é ter a vida de novo, e assim todos os dias.

Um comentário sobre “O boi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *