Aventurahaaa

Você já pulou de paraquedas? Ou de bungee jump?

Ainda não pulei. Tenho muita vontade, mas terei que pensar bem no assunto para criar coragem. Digo isto por conta de uma experiência que tive. Há alguns anos fui em um show de rock no Mineirão e lá havia vários brinquedos do estilo “esportes radicais”. Fui a um deles. Não era lá muita coisa – me levava a uns três metros de altura preso na cintura por um elástico. Foi mais difícil do que pode parecer. Fiquei com medo, ainda que a altura não fosse lá muita coisa. Um amigo e uma amiga me acompanhavam e riam muito de mim lá de baixo. Se tive dificuldade para ir neste, que não tinha fila muito grande, os outros por conseqüência estavam completamente excluídos da minha listinha. Lembro-me que em um deles as pessoas eram amarradas em um elástico e este, por sua vez, era esticado por um guindaste. Quando o instrutor do brinquedo soltava o que prendia a pessoa ao solo, ela voava muito alto, muito alto mesmo, como se tivesse sido lançada por um canhão.

salto

Quando fui convidado a viver a vida cristã desafiaram-me a experimentar uma aventura. A fé é, sem dúvida, a maior expressão disso para mim. Quando me vejo enfrentando um desafio de fé, gosto de me imaginar saltando de paraquedas, pulando de um avião em altíssima velocidade, confiando apenas que Deus vai me segurar. No meio da queda tenho a tendência de achar que ele não estará lá caso precise, de que o paraquedas não vai abrir. Aparece aquele frio na barriga, na espinha, no corpo todo e quando já estou quase sem forças para crer, eis que Ele vem (Josué 1:9) e me pega no colo, trazendo de volta toda aquela segurança que tinha ao início, mas agora com uma experiência a mais, com um desafio a mais vencido em minha vida.

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

11 comentários sobre “Aventurahaaa

  1. Pra pular de bungee jump, nem pense em me chamar. Já pra pular de para-quedas… Quem sabe?
    É muito legal poder se lançar nessas aventuras com Deus. Pedro não seria o mesmo se não tivesse aceito o convite para andar nas águas, se não tivesse se distraído com o vento e recorrido a Jesus. Nem nós sem as nossas mil “quase-quedas”. Melhor aceitar o desafio que viver parado, não?
    Muito legal a analogia! 😀
    Bjos

  2. Quem pula de bungee-jump TAMARRADO! Hauehaeuhaeuhaeuhaeuea!!!

    Depois dessa piadinha oportuna, vem o comentário sério:

    Eu tenho dificuldade nisso q vc falou, cara, muitas vezes não creio que Deus está cuidando quando parece que estou em queda livre… Mas Ele sempre me prova q estou errado, hheh!

    Grande abraço!

  3. Analu, quando for te chamo, daqui uns 50 anos oahaoihaoiahoai.
    Então Martins, a gente só aprende a confiar, confiando, só vivendo. As experiências, o tempo, nos levam a ver cada vez melhor a mão do Paizão.
    Edu, valeu ter vindo e dito que veio. Tamo junto!!!!!!!!

  4. Valeu pelo coments Pedro. Muito bom saber disso, nem sei se quero mesmo pular de bungee jump. Já estou vivendo coisas emocionantes de mais sem precisar de pular. O paraquedas continua nos planos!

  5. mtoooo legal, Rafa….
    hoje, enquanto tomava café pra ir pra aula, fiquei pensando no q vc disse ontem sobre a vida cristã ser uma grande aventura…e sai disposta a lembrar disso durante o dia…e lendo esse post d q vc falou ontem, confesso q eh mto melhor pensar assim do q viver d forma rígida, legalista e, por isso, sem intensidade e gosto…
    eh mto bom pra minha vida ler seus textos…e ouví-los, por telefone….kkkkk
    bjaoooo

  6. Quel, que bom que gostou. Tenho certeza que a vida ainda vai nos trazer mais um monte de aventuras na fé e que nos renderão boas histórias pra gente contar e animar mais pessoas. valeu pelo coments e pelo papo. bjo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *