Todos os posts de vidigal

vidigal

Sobre vidigal

Vidigal, cristão, 20 e tantos anos, casado, engenheiro, Belo Horizonte, MG.

Uma Classificação para a Vontade de Deus

“Vontade, “de”, “Deus”. Ô combinaçãozinha de palavras complicada.

(continuação de A Nuvem sobre o Tabernáculo: direções para a vida)

Proponho aqui fatiar o elefante.

A vontade de Deus é uma coisa complicada sumariamente porque tem sido a pretensa justificativa para ações bem humanas e nada divinas. Os âmbitos são vários: desde decisões de “comer ou não um pão-de-queijo” a guerras horrendas que achávamos restritas a Idade Média.

Uma segunda razão para a dificuldade do tema é a dúvida que se apresenta diante de decisões importantes, aí já no âmbito pessoal, ex.: “devo ou não mudar de emprego; é da vontade de Deus?”. Neste caso, não apenas se deve dizer: sim, é da vontade dele ou não, não, não é. Antes disto deve-se responder: existe uma vontade específica para isto?

Uma classificação que pode ser útil e didática é a que ouvi uma vez do mais novo papai do Outras Fronteiras. São as chamadas três vontades de Deus.

Vontade no. 1:  A vontade soberana. Certas coisas que seriam inalteráveis, independente da ação de quem for. Seriam coisas como a volta de Cristo e outras profecias bíblicas. Pode-se argumentar que certas coisas são apenas sabidas previamente por Deus e não é que sejam da sua vontade, mas, seja como for, esta é uma classificação humana e admite-se aqui suas falhas.

Vontade no. 2: A vontade moral. Este ponto aqui é bastante claro, em sua medida. Estamos dizendo do que é geral, revelado na Bíblia. “Amar a Deus acima de todas as coisas…”, e por aí vai. Deus revelou esta vontade de forma inteligível não apenas na Bíblia mas por meio das coisas criadas. Por isso que é dito que mesmo aqueles que não tiveram contato com a Bíblia diretamente são indesculpáveis: Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis, “pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis”.

Se por um lado podemos discutir em que medida a revelação é clara por meio da natureza e por meio da própria bíblia, para os que acreditam na Bíblia como a palavra de Deus podemos afirmar que eis ali um bom  excelente ponto de partida para a vontade de Deus.

Por fim, a mais polêmica e o sentido mais comumente pensado quando se pergunta “Qual é a vontade de Deus”. Com vocês….

Vontade no. 3: A vontade específica. Acho que o primeiro ponto aqui a esclarecer é que muito se duvida se há uma vontade específica para cada pessoa, e por específica entenda-se diferente de cada um e num nível de detalhe relativamente alto. Nesta seara encontraríamos perguntas como “devo namorar fulano…”, “com o que devo trabalhar…”, e outras dúvidas mais do que cruéis.

Pessoalmente, tendo a ser extremamente crítico com a possibilidade da vontade específica.  Muitas das dúvidas do nível 3 são extremamente esclarecidos a partir do nível 2. Isto é: a vontade moral de Deus guia ou serve de princípio para a vontade específica.

Vou terminando o post desta semana por aqui mas ele continua em nosso próximo encontro. Se você pensa diferente do que foi escrito ou tem algum ponto a acrescentar, fique livre para comentar!

A nuvem sobre o Tabernáculo: direção para a vida

A travessia do deserto relatada no Antigo Testamento é um verdadeiro festival de milagres de todos os tipos. Tantos, que é difícil acreditar que o povo fosse tão frequentemente infiel. Deus estava ali, pensamos. Como puderam duvidar? A impressão é tão forte que quase suspeitamos que conosco, aí sim, seria diferente.

O livro de Números leva este nome devido ao censo relatado em seu início. Em seguida, as aventuras de Moisés e seus irmão tem continuidade.

A rotina no deserto era realmente excepcional. Dentre outras coisas havia uma certa nuvem que os acompanhava:

“Sempre que a nuvem se levantava de cima da Tenda, os israelitas partiam; no lugar em que a nuvem descia, ali acampavam”

Oh! Como seria maravilhoso se tivéssemos tão claras direções na vida! Qual curso escolher, nuvem? Qual pessoa namorar? Qual profissão seguir? Qual emprego?

Está na hora de trocar de carro? De comprar apartamento? De mudar? De ficar? De falar? De calar?

Ou, em resumo, qual é a vontade de Deus?

(Continua…)

A primeira segunda-feira do ano

Hoje é o primeiro chamado dia útil do ano. Espero que para você também tenham sido úteis os três anteriores, como foi para mim.

Há um ano corria uma piada no meio financeiro. Ao invés de desejarem um feliz 2015, já falavam feliz 2016 pois o ano que estava por vir trazia maus presságios econômicos, de modo que já estava perdido. De fato, o Brasil viveu uma crise séria em 2015 e, adicionado a isso, desastres, epidemia, política escandalosa. Isso tudo me fez muito mal, pessoalmente. Uma expressão latina seria adequada para as retrospectivas da mídia: Annus Horribilis.

O calendário girou e temos a impressão de que agora temos novas esperanças, uma chance de recomeço, uma página em branco para escrever. Sempre me pergunto: será que é mesmo assim? Será que a mudança do ano nos engana? Nos ajuda a postergar a decisão? Ou será que devemos sim aproveitar este auê para se engajar na mudança? Acabo sempre preferindo a segunda opção. Precisamos de mudança urgente!

E um bom começo pode ser a mudança de perspectiva. Olhemos o mundo não do ponto de vista dos índices macro-econômicos, das manchetes e da crise. Confiemos em Deus. Façamos todos os dias verdadeiramente úteis. Enfrentemos os desafios com mais oração, menos desespero e choro. Menos reclamação. Façamos todos os anos Anno Domini. O Ano do Senhor.

 

Uma flor em Charleston

Houve há alguns meses nos EUA um atentado em uma igreja de maioria negra. Acho que o fato não foi tão noticiado no Brasil. Estas coisas são terríveis mas vão criando uma triste familiaridade. É frequentemente mais um atentado.

Devido a questão étnica, o evento tomou viés bem mais racial do que religioso. De fato, não estava atirando em cristãos mais do que em negros. Terrível. Horror dos horrores. Mas tentando ignorar a dor e as imagens que produzo em minha mente, o que é difícil, venho falar sobre uma flor pequenina, nascida em meio ao asfalto e à correria. Um ponto ínfimo que relembra do poder da luz sobre as trevas.

Uma das reportagens que se seguiram ao ocorrido faz nota de que o atirador considerou desistir do ataque devido a forma como foi recebido naquela igreja.

Eis para mim o sinal da verdadeira resistência cristã frete o mal. O amor que constrange questões de natureza a princípio não-espirituais. A lógica que não simplesmente é contrária ao mundo mas é diversa.

“Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem”

Confiar em Deus, decisões da vida

O que é confiar em Deus?

“Tenho certeza que se não aconteceu então ‘não era para ser‘ “… “Deus me colocará onde eu devo estar”… “Deus quis…”, “Deus me mostrou….”

Vejo duas possibilidades sobre o tema confiança em Deus e as escolhas da vida:

1a possibilidade: Deus sabe qual opção é “correta” e direciona ou faz as coisas acontecerem da forma que ele pensa.

2a possibilidade: Deus possui princípios que devem nortear as nossas escolhas. Devemos diligentemente comparar o que vivemos com os princípios dele.

Não necessariamente elas são excludentes e não necessariamente são exaustivas. Contudo, tendo a crer que a 1a é mais imatura do que a 2a. A primeira tende a nos eximir de responsabilidades e servir de consolo “não era para ser…”, além de tornar o “jogo da vida” um tabuleiro impessoal regido por um deus também percebido como um impessoal “Destino”. Era o destino… O Destino quis assim…

Não conseguimos lidar bem com as incertezas do futuro. Se apenas soubéssemos as consequências no médio longo prazo de nossas ações… Mas frequentemente não sabemos e nas bifurcações da vida as duas opções frequentemente parecem boas, às vezes são mesmo!

Difícil!

Urge porém pensar muito sobre isso. Nossas escolhas trarão consequências. Confiar em Deus frequentemente é confiar nos princípios dele, que são bons, que são melhores, que são, aí sim, o que era pra ser.

Registros

Vejo um celular na função de gravador nas mãos de uma pessoa nova na comunidade. Seu objetivo era gravar a música que estávamos cantando.

Hoje em dia é muito comum querermos registrar tudo, de certa forma somos como aqueles turistas orientais de alguns anos atrás sempre com uma câmera digital na mão. Ainda assim, é raro ver alguém gravando o áudio apenas.

Talvez tenha gostado especialmente da melodia daquela música, ou tenha apreciado em particular a letra, que reafirma a importância da fé e de uma vida baseada em Deus. Não sei. Fiquei pensando. Será que ela queria registrar aquilo para ouvir naquela noite, antes de dormir.. ou ouvir durante a semana, indo para o trabalho, Consolo para os tempos de crise. Esperança para o dia a dia. Fé para a mudança de vida.

Para os velhos de guerra talvez fosse mais uma música. Bom, para mim era. Mas não para aquela pessoa. Deus a abençoe.

Meu eu

Vim, vi, venci.

Aconteci.

Foi lindo. Foi descolado.

Estou bem. Sou desejável. Sou querido. Sou belo.

Estou cercado de amigos. We have fun. Vou aos lugares da moda. Sou invejável.

Sou inteligente, mordaz. Engraçado. Humor inteligente! Humor refinado!

Tenho boas opiniões. Relevantes! Um cronista do meu tempo. Sou aceito. Bastante!

Meus trofeus na parede. Minhas conquistas. Saibam-se.

Meu novo look. Meus acontecimentos marcantes e sobretudo os banais. Meus pensamentos mal formulados, sobretudo minhas tiradas e citações de artistas que não li.

Minhas curtidas. Meu ibope. “kkk”s.

Retrato da Alma

Entrou no ônibus que não frequentava mais há anos, deixara o carro na oficina para a revisão. Reviu todos os antigos frequentadores, alguns que ficaram até “colegas de linha”, amigos para discussões dos jogos do time e demais reclamações banais. Chamou a atenção um fato curioso. Como todos haviam envelhecido! Certamente apenas eles, falou de si para si, rindo-se.

Não era, infelizmente como Dorian Gray, o famoso personagem de Conan Doyle Orcar Wilde que possui um quadro místico capaz de absorver todas as marcas do tempo e das experiências degradantes de seu retratado. Certamente não temos também um quadro deste para nossa alma, feliz ou infelizmente.

Somos já alguns cristãos de longa data. Alguns contam anos e outros décadas. Estou no início da minha segunda, por exemplo. Mal vemos o tempo passar até sermos confrontados com algum sinal externo inegável, como no caso do homem do carro na oficina, os colegas há tempos não vistos.

Ao chegar a este momento de confrontação, desejamos que o quadro existisse ou não, isto é, tornei-me, com o tempo, mais piedoso ou mais legalista? Mais sábio ou mais orgulhoso? Mais erudito na Lei ou mais versado no amor?

Sigamos em direção a Jesus, não ao farisaísmo.

Por orações mais genéricas

Por mais obrigado Senhor pelas bênçãos, por menos obrigado Senhor por isso, isso e aquilo.

Por mais perdoa-me Deus pelos meus pecados, por menos perdoa-me Deus por esse e esse episódio.

Por mais pedidos pela paz universal, pela harmonia dos povos, pelo fim das guerras, da fome e todos os objetivos da ONU. Por menos pedidos pela paz na família, harmonia entre os colegas de trabalho, fim das guerras entre vizinhos, dificuldades financeiras de irmãos em Cristo.

Por mais louvores aprendidos, por menos louvores pensados.

Por mais linguagens sacerdotais, por menos espontaneidade.

Por mais orações genéricas, enfim.

Por menos introspecção. Menos avaliação, menos “Sonda-me”, mais “Dai-me”.

Mergulho

Venha mergulhar nas águas de Jesus.

Conhecer, em meio a escuridão, os cantos escondidos do coração.

As verdades eternas bíblicas.

O significado imortal das ações cotidianas.

O valor real e duradouro de relacionamentos sem máscaras.

Conheça, ao longo da imersão, as visões e histórias dos grandes santos. Conheça como são semelhantes a si mesmo em tantos aspectos.

Venha mergulhar no obstinado amor de Deus. Conhecer aceitação para os pensamento e desejos mais iníquos e secretos.

Venha ver por baixo do enganador véu do mundo físico. Por detrás dos valores seculares. Além dos costumes dos homens.

Tenha um vislumbre da glória eterna do Pai.

Das coisas que estão por vir.

Da graça inimaginável possibilitada pelo cordeiro.

Desça pelos recantos escondidos da alma.

Livre-se de culpas, traumas, acusações. Alivie a bagagem. Deixe ir boiando por aí.

Vá descendo até o fôlego permitir. Será pouco no início mas progressivamente poderá aumentar. E vamos descendo.